Balotelli condena racismo e cita Ronaldo, Tyson e Bolt como ídolos

Capa da revista americana Time de novembro, Balotelli falou sobre o racismo na Europa, citou o nome de seus ídolos e revelou que sonha conhecer Barak Obama pessoalmente. Além disso, o italiano afirmou que não pretende atuar no Manchester City durante toda a sua carreira.

Em entrevista exclusiva para a revista, o polêmico atacante dos Citizens falou sobre um dos assuntos que mais tem estado em destaque na Inglaterra nas últimas semanas: o racismo.

“Os racistas são poucos e não podemos fazer nada contra eles. Eles são estúpidos, por isso, tentar conversar é inútil. Espero ajudar os italianos e ingleses a serem menos racistas”, disse.
Questionado sobre seus ídolos no esporte, Balotelli revelou admiração pelo “Fenômeno” e mostrou não ser um admirador apenas do futebol.

“Meus ídolos são Ronaldo e Tyson. Atualmente tem o Usain Bolt”, revelou.

Adorado pelos torcedores do Manchester City e peça fundamental no recente título da Premier League, o atacante disse que não pretende ficar no time inglês para sempre.

“No momento eu estou muito bem no Manchester City, mas não quero encerrar minha carreira aqui”.

Aproveitando o fato de estar falando para uma revista americana, Balotelli manifestou o desejo de conhecer o homem mais poderoso do país.

“Eu fiquei muito feliz quando Obama foi eleito como presidente, pois era a primeira vez que um homem negro comandava a Casa Branca. Gostaria muito de conhecê-lo pessoalmente um dia”, declarou o italiano.

 

 

Fonte: O Gol 

+ sobre o tema

Governo de São Paulo aceita ajuda federal para conter violência

Parceria foi acertada após Alckmin receber telefonema de Dilma...

Rolezinho é ação afirmativa contra racismo

Por Bruno Cava   Ontem à noite,...

Jovem que sonhava em ser policial é morto por PM em SP

Getulio Alves da Silva, 25 anos, soldado da PM...

para lembrar

Bahia: Observatório registrou 402 casos de racismo no carnaval

"Salvador é, sim, uma cidade racista, basta ver...

Movimento de rap aponta truculência e racismo em abordagem policial na praça do Marex, em Belém

Artistas do movimento Hip Hop apontam que sofreram agressão em...
spot_imgspot_img

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....
-+=