Americano que passou 17 anos na prisão confundido com sósia pede indenização milionária

Há quase duas décadas, Richard A. Jones foi condenado a 19 anos de prisão pelo roubo de um celular no estacionamento de um supermercado Walmart, no estado do Kansas, nos Estados Unidos.

Da BBC 

Richard Anthony Jones (à dir.) passou 17 anos na cadeia e sempre se disse inocente da acusação de roubo. Ele foi solto depois que descobriu ter um 'sósia', Ricky, que poderia ter cometido o crime
Richard Anthony Jones (à dir.) passou 17 anos na cadeia e sempre se disse inocente da acusação de roubo. Ele foi solto depois que descobriu ter um ‘sósia’, Ricky, que poderia ter cometido o crime (KANSAS CITY POLICE DEPARTMENT)

Na época, ele foi identificado por testemunhas como o autor do crime. Mas Jones sempre se disse inocente e, enquanto cumpria a pena no Lansing Correctional Facility, ouviu de outros presos que se parecia muito com um homem chamado Ricky, que também cumpria pena.

Essa semelhança eventualmente garantiria a ele a liberdade. No ano passado, um juiz anulou a condenação de Jones depois que as fotos dos dois homens foram colocadas lado a lado. Ao ver as imagens, as testemunhas originais do caso disseram que não conseguiam ver diferença entre as duas pessoas.

Jones conseguiu sair da cadeia, mas só 17 anos depois de ter entrado pela primeira vez no presídio de Lansing. Por isso, ele quer reparação.

Nesta quarta-feira, o americano entrou com uma ação no Distrito Judicial de Kansas exigindo US$ 1,1 milhão (cerca de R$ 4,6 milhões) em compensação do Estado – cerca de US$ 65.000 para cada um dos 17 anos que passou na prisão por um crime que diz não ter cometido.

As fotos dos dois homens foram mostradas às testemunhas, que disseram não conseguir diferenciar as duas pessoas (KANSAS CITY POLICE DEPARTMENT)

Quando foi condenado, Jones tinha 25 anos e era pai de duas crianças pequenas. Hoje, ele tem mais de 40 anos e as filhas têm 24 e 19 anos. “Uma boa parte da minha vida foi tirada de mim e eu nunca poderei voltar no tempo”, afirmou ele, em entrevista na quinta.

“Naquela época, eu estava tentando ser responsável como pai. Eu não era perfeito, mas fazia parte da vida delas. Foi muito difícil ficar preso, porque eu estava acostumado a estar presente na vida das minhas filhas.”

‘Agulha no palheiro’

Na época em que descobriu o “sósia” e foi solto por decisão da Justiça, Jones declarou à imprensa que a descoberta foi como “achar uma agulha no palheiro”.

“Eu não acredito em sorte. Acredito que fui abençoado”, afirmou ao jornal local Kansas City Star.

O sósia nega que tenha cometido o crime de roubo pelo qual Jones foi condenado. Ao liberar Jones da prisão, o juiz não culpou Ricky pelo roubo, apenas disse que, com base na nova evidência, nenhum juri “sensato” o teria condenado.

Antes da descoberta do sósia, Jones havia recorrido sem sucesso da condenação pelo roubo de 1999. “Todos os meus recursos tinham sido negados”, disse.

Em 2015, porém, ele contou sobre a semelhança com Ricky a pesquisadores do Midwest Innocence Project – um grupo que tenta ajudar pessoas que possam ter sido condenadas por engano. Advogados que atuam nessa ONG se interessaram pelo caso e ajudaram Jones.

‘Tudo fez sentido’

“Quando eu vi a foto do meu sósia, tudo fez sentido para mim”, ele diz. Jones havia sido condenado com base apenas em evidências de testemunhas.

Não havia DNA ou impressão digital que o ligasse ao crime. Os pesquisadores descobriram que outro homem não apenas era “igual” a Jones, mas também morava perto da cena do crime, no estado do Kansas, enquanto Jones morava no Estado vizinho de Missouri.

Advogados de Jones também disseram que ele estava com a namorada e a família dela no mesmo momento em que ocorreu o roubo de celular. Eles argumentaram ainda que os métodos de identificação usados pela polícia há 17 anos eram falhos.

+ sobre o tema

Candidata da extrema-direita compara ministra francesa Christiane Taubira a macaco

O partido de extrema-direita Frente Nacional suspendeu hoje...

O Racismo nas redações de jornais

por Magda Almeida jornalistaA barca chegou, foi embora e...

Estatuto Racial: Canto a Palmares – por: Edna Roland*

Após a aprovação do Projeto 6264/2005, que institui o...

Sobre assassinatos de músicos da periferia

  Os dez anos da morte do rapper...

para lembrar

Projeto permite prisão preventiva em caso de racismo e injúria racial

Prisão preventiva para quem for flagrado cometendo crime de...

As arestas da (des)igualdade

Dificuldade do País nesse campo expõe um racismo peculiar,...

Gás lacrimogêneo usado pela PM pode ter contribuído para morte de manifestante no Rio

Fernandão, que já tinha problemas respiratórios, sofreu uma...

Jogadoras de vôlei denunciam racismo de torcedores na Superliga B Feminina

Três jogadoras do Tijuca Tênis Clube denunciaram manifestações racistas...
spot_imgspot_img

Tragédia no RS apaga pessoas negras e escancara racismo ambiental

No início dos anos 2000, viajei a Mato Grosso do Sul para participar de um evento universitário. Lembro que na época eu causei espanto...

Racismo em escolas de Niterói: após reunião com mãe de dois adolescentes vítimas de insultos, deputada vai oficiar MP, polícia e prefeitura

Após uma reunião com Renata Motta Valadares, mãe de dois adolescentes de Niterói que foram vítimas de racismo em duas diferentes escolas particulares, a deputada estadual...

Câncer: racismo aumenta mortes entre população negra, indica estudo

Dados do Ministério da Saúde, levantados por pesquisadores do Rio de Janeiro e divulgados em abril último, demonstram que o acesso ao diagnóstico e...
-+=