Ao som dos tambores africanos

Novo espaço da cultura negra em Curitiba apresenta oficinas de música afrobrasileira


A CASA AFRO – Casa de Cultura Afrobrasileira e Africana de Curitiba está iniciando suas atividades com objetivo de expandir a cultura negra para os diversos públicos. Promovendo a valorização dessa cultura e automaticamente aproximando da igualdade racial.

2011 foi escolhido pela ONU como Ano Internacional da Afrodescedencia, com isso já se estabeleceu a programação de 2011 mesclando discussão e atividades culturais. Já está fechado para realização em conjunto com outras entidades Oficinas permanentes de samba, dança afro, teatro, Cursos de Formação para Educadores com base na lei 10.639/2003 (que torna obrigatório o ensino da história afrobrasileira e africana na escolas), Festival de Teatro Negro, Festival de Cinema Negro, Seminário Violência e Racismo e Bienal do Livro.

As atividades ocorrem no CASARÃO DA União Paranaense dos Estudantes -UPE Rua Carlos Cavalcanti, 1157 – Largo da Ordem. A UPE está em conjunto na promoção das atividades, pois acredita que é importante a inserção da cultura negra em todos os espaços, principalmente para os estudantes.

Para o presidente da UPE-PR Paulo Moreira da Rosa Junior o movimento estudantil tem uma luta histórica no contexto racial “Os movimentos estudantis estiveram presente nas lutas dos abolicionistas. Já estavam à frente no combate a injustiça e no direito de liberdade. A UPE e a UNE apóiam ações em combate a exclusão social. Acreditamos que é importante a expansão da cultura africana e afrobrasileira para acabar com o preconceito”, declara.

O coordenador geral da CASA AFRO filósofo Denis Denilto Laurindo afirma que a CASA se propõe a concentrar em Curitiba um espaço amplo da cultura negra “Atuamos como promotores da cultura, nesse sentido, estamos aos poucos identificando as ações de relevância para a cultura negra, buscando trazê-las em parceria para esse espaço. Não só do Paraná, mas de outras regiões e buscaremos também parcerias com países da África”, afirma.

O coordenador complementa que as atividades não ocorrerão apenas na sede da UPE “Pretendemos também trabalhar em conjunto com outros espaços em Curitiba, ou seja, levando esses eventos e espetáculos a outras casas, bibliotecas, praças, o objetivo é trabalhar em conjunto com várias instituições para atingir o nosso foco que é realmente aproximar da população o que de mais belo tem na cultura negra”, declara.

O lançamento da CASA AFRO está programado para 13 de maio de 2011, mas durante os meses que antecedem haverá atividades de pré-lançamento. A primeira delas é um evento PRÉ-CARNAVAL o I GANGA ZUMBA – Ciclo de Oficinas de Música Afrobrasileira e Africana de Curitiba. O nome é uma homenagem ao líder de Palmares, antecessor do sobrinho Zumbi dos Palmares, um símbolo de resistência negra.

As oficinas foram selecionadas buscando trazer representantes de outras instituições como a Associação de Ogãs de Londrina, representada pelo pedagogo Robson Arantes que irá ministrar a oficina TOQUE DE TAMBORES e o educador social Edinei Alison Capelari (Kiambulê) que irá ministrar a oficina MARACATU.

O pedagogo Robson está à frente de 17 unidades socioeducativas da cidade de Londrina e Kiambulê trabalha diretamente com crianças e jovens em situação de risco. Essa é outra iniciativa primordial da casa, além da promoção de cultura o foco é estar sempre direcionado nas questões sociais. Dessa forma a cada oficina sempre será disponibilizada 5 vagas para pessoas carentes. Fora várias ações para distribuição de vagas.

A oficina de JONGO – Entre o profano e o sagrado é ministrada por Pai Israel, que realiza um trabalho social com crianças em situação de riscos numa favela no Boqueirão. As crianças recebem diversas atividades culturais gratuitamente. A oficina de JONGO busca mostrar esse ritmo africano tão importante na cultura negra,

Conta-se ainda com a participação de Vina Lacerda, um percussionista respeitado no cenário musical com a oficina PANDEIRADA BRASILEIRA. Além dessas haverá oficina de DANÇA AFRO com professor Demerval e oficina de SAMBA E SUAS VERTENTES, contando a história do samba com representantes da banda Combinado Samba e Silva . E ainda, oficina de Berimbau com Mestre da Capoeira Batata.

No fechamento das oficinas que ocorrem de 23 a 27 de fevereiro no CASARÃO DA UPE haverá um cortejo no Largo da Ordemcom todos os oficineiros e participantes fechando com a apresentação da banda GARIBALDI & SACIS que vem mudando a cara do carnaval de Curitiba.

SUGESTÕES DE ENTREVISTA:

DENIS LAURINDO – Coordenador Geral

Pedagogo Robson Arantes – TOQUE DE TAMBORES

Panderada Brasileira: Vina Lacerda

Entre o Profano e o Sagrado O Jongo: Pai Israel

Samba e suas vertentes: Ricardo-Claudio

Atenciosamente

Eli  Antonelli

Assessora de Imprensa

CASA AFRO

41 8426-5545

 

Fonte: Lista Racial

+ sobre o tema

Pra cima com o esforço, moçada

Não sei em qual momento a ideia do esforço...

Proposta sobre ‘cura gay’ é aprovada em comissão presidida por Feliciano

Sob o comando do deputado federal Marco Feliciano...

SPM prorroga, até 30/8, inscrições para o Pró-Equidade de Gênero e Raça

Empresas e instituições privadas e públicas que promovem...

O Movimento Negro e o Pacto Nacional – por Sérgio São Bernardo

A presidenta Dilma anunciou medidas de peso em...

para lembrar

Para comunidade quilombola, trabalhar significa ficar longe da família

por Júlia Dias Carneiro Adelvan da Paixão, de 30...

Militantes do Educafro fazem greve de fome em frente ao Palácio do Planalto

Yara Aquino   Brasília - Cinco militantes do Educafro,...

Cúpula dos Povos: afro-religiosos debaterão justiça ambiental

  No mesmo período em que o Rio...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=