Aos responsáveis, punição

À medida que a CPI da Covid se aproxima do fim, aumenta a inquietação sobre resultados práticos dos seis meses de depoimentos, recolhimento de provas, elaboração do relatório final. Não é desconfiança imotivada, dado o número de comissões parlamentares que deram em rigorosamente nada no país. Mas os quase 600 mil brasileiros mortos pelo coronavírus exigem articulações políticas e jurídicas, bem como mobilização da sociedade civil, para responsabilizar e punir os culpados pelo enfrentamento criminoso à pandemia.

Por encomenda do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), juristas liderados por Miguel Reale Júnior, ex-ministro da Justiça e professor de Direito Penal na USP, apontaram crimes do presidente da República e de integrantes do governo, incluindo Eduardo Pazuello e Elcio Franco, ex-titular e ex-secretário executivo do Ministério da Saúde. Para o grupo, Jair Bolsonaro cometeu crimes contra a humanidade e contra saúde, administração e paz pública, infringiu medidas sanitárias, praticou charlatanismo, incitação ao crime e prevaricação. Há violações comuns, previstas no Código Penal, e crime de responsabilidade, que levaria ao impeachment. O mandatário brasileiro também poderá ser levado ao Tribunal Penal Internacional, em Haia (Holanda). Denúncia contra ele já foi encaminhada por representantes dos povos indígenas.

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) avisou que usará o parecer no relatório final da CPI. A previsão é apresentá-lo no fim deste mês, se novas linhas de investigação não exigirem que os trabalhos invadam outubro. A partir daí, a responsabilização de Bolsonaro dependerá do procurador-geral da República e do presidente da Câmara dos Deputados. Como Augusto Aras e Arthur Lira são aliados do mandatário, o relator pretende recomendar que ambos tenham prazo para decidir sobre as acusações.

Na sabatina no Senado em que acabou aprovado para o segundo mandato na PGR, Aras informou que um grupo de procuradores já analisa o material probatório da CPI, para que ele possa emitir um parecer até 30 dias após a publicação do relatório de Renan Calheiros. Cabe ao procurador-geral buscar a responsabilização criminal dos que têm prerrogativa de foro no Supremo Tribunal Federal, incluindo presidente da República e ministros. A decisão de iniciar processo de impeachment é exclusiva do presidente da Câmara. Hoje Lira está sentado sobre 131 pedidos. Nem os discursos golpistas de Bolsonaro no Dia da Independência o fizeram mudar de posição.

Por tudo isso, a sociedade civil já se mobiliza por justiça. A Anistia Internacional Brasil e organizações como Oxfam, Inesc, Idec, Abrasco, Terra de Direitos, ONG Criola, MNDH, Observatório das Metrópoles e Justiça Global estão reunindo assinaturas para que o PGR dê prosseguimento às investigações iniciadas pela CPI da Covid. O pedido será encaminhado tanto a Augusto Aras quanto ao Ministério Público Federal. Daniel Sarmento, ex-MPF, hoje professor de Direito Constitucional da Uerj, critica a centralização: “É deficitário um desenho institucional em que todo o resultado da CPI para fins de responsabilização do presidente da República depende do PGR. Sobretudo numa investigação parlamentar, deveria haver possibilidade de revisão pelo Conselho Superior do Ministério Público”.

Terça-feira que vem, o Movimento Alerta (SBPC, CSDDH e Instituto Ethos, além de Anistia, Idec, Inesc e Oxfam) se reúne para traçar a estratégia pós-CPI. É do grupo o relatório Mortes Evitáveis, que a médica Jurema Werneck, diretora executiva da Anistia Brasil, apresentou aos senadores. Pesquisadores de UFRJ, Uerj e USP estimaram que, no primeiro ano da pandemia, 120 mil brasileiros vítimas da Covid-19 estariam vivos se o presidente e seu governo não tivessem sabotado medidas não farmacológicas, como uso de máscaras, distanciamento social e restrição de atividades. O epidemiologista Pedro Hallal, da Universidade Federal de Pelotas, também na CPI, calculou que três de quatro mortes seriam evitadas com ações adequadas e vacinação acelerada.

Há um conjunto de atos e omissões, de motivação político-ideológica ou interesse financeiro, que não pode ficar impune. Daí a necessária pressão para responsabilizar e punir os culpados. O relatório da CPI não alcança autoridades estaduais e municipais que, a exemplo do presidente da República, boicotaram recomendações da ciência e puseram em risco a população que deveriam proteger. Não faltaram no Brasil da pandemia governadores, prefeitos e parlamentares igualmente negacionistas e irresponsáveis. As conclusões do Senado podem — e devem — servir de inspiração para investigações por assembleias legislativas, câmaras de vereadores e ministérios públicos locais. Para que o país não precise repetir o calvário que foi a pandemia da Covid-19.

+ sobre o tema

“O racismo não é uma doença incurável”, afirma Thuram

Campeão do mundo e criador de fundação que combate...

No audiovisual capixaba, 80% dos recursos públicos vão para homens e brancos

Foto: Getty Imagens Um levantamento feito pela produtora cultural Maria Grijó aponta...

Universitário diz sentir tratamento desigual

  Estudante do terceiro ano de administração da...

STJD suspende goleiro do Oeste por cinco jogos por suposto racismo

Rodolfo foi acusado pelo zagueiro Messias, do América, de...

para lembrar

Turista é presa após cometer injúria racial contra gerente de bar em Aracaju

Segundo delegado, ela também agrediu fisicamente e ameaçou um...

UFRJ investiga apologia ao nazismo dentro da universidade

De acordo com Diretório Central Estudantil, casal tentou colocar...

O que a intolerância religiosa tem a ver com racismo?

Brasil registra uma denúncia de intolerância religiosa a cada...
spot_imgspot_img

O amor com o sol da manhã

Eu gosto do amor, eu gosto de amar. Inclusive, já escrevi muito sobre o amor nestas páginas, algumas vezes de forma explícita, outras vezes...

Se o Estado perder o controle, o que vai restar?

Cinco pessoas foram mortas durante a 16ª operação policial do ano no Conjunto de Favelas da Maré, nesta terça-feira, 11 de junho. Uma das...

Após ‘discriminação racial’, Lewis Hamilton compartilha postagem em defesa a Bukayo Saka

O heptacampeão mundial de Fórmula 1, Lewis Hamilton, utilizou suas redes sociais para compartilhar um texto em em defesa do jogador Bukayo Saka, da...
-+=