Apoio a Obama sobe 11 pontos após morte de Bin Laden, diz pesquisa

Sondagem foi feita pelo ‘New York Times’ e pela rede CBS.

Apesar da euforia militar, pessimismo de americanos com a economia segue.

 

O apoio popular ao presidente dos EUA, Barack Obama, subiu agudamente após a morte do terrorista Osama bin Laden por forças americanas no Paquistão, confirmou pesquisa publicada nesta quarta-feira (4) pelo “New York Times” em parceria com a rede CBS.

A aprovação subiu entre eleitores democratas, republicanos e independentes, segundo o jornal. No total, 57% disseram aprovar o desempenho de Obama, contra 46% no mês passado.

Obama teve seus melhores resultados em matéria de luta contra o terrorismo: 72% dos entrevistados disseram concordar com sua atuação neste tema, enquanto 61% aprovaram sua gestão da situação no Afeganistão, uma alta de 17 pontos em relação a janeiro.

Apesar do otimismo, mais de 60% dos americanos concordam que a morte do líder da al-Qaeda provavelmente vai aumentar o risco de ataques aos EUA no curto prazo. Só 16% dos pesquisados afirmaram que se sentem mais seguros.

Mais de 60% dos pesquisados disseram que, apesar da morte de Bin Laden, a missão americana no Afeganistão ainda não terminou.

Para comparar, o jornal cita que, após a captura de Saddam Hussein em dezembro de 2003, a popularidade de George W. Bush subiu oito pontos, mas logo voltou ao patamar anterior no mês segunte.

Mas, mesmo com a euforia na política externa, mais da metade dos eleitores seguem dizendo que desaprovam o desempenho do democrata na condução da política econômica, em um resultado semelhante ao do mês anterior.

A pesquisa foi conduzida em todo o território americano, pelo telefone, em 2 e 3 de maio, com 532 pessoas, e tem margem de erro de 4 pontos percentuais para cima e para baixo.

Gallup

Uma outra pesquisa, do “USA Today/Gallup”, realizada com 645 adultos, indicou que 62% dos norte-americanos acreditam que um ato de terrorismo é “muito provável” ou “relativamente provável” no território dos EUA nas próximas semanas.

“Os atuais resultados indicam que os americanos estão com uma tendência um pouco maior de estarem preocupados com um incidente terrorista do que estavam logo após as explosões no ônibus e no metrô de Londres, em julho de 2005, mas estão menos preocupados do que no início da guerra no Iraque e imediatamente após 11 de Setembro”, disse o instituto Gallup.

Apesar de temerem um ataque de retaliação iminente, 54% dos entrevistados na pesquisa USA Today/Gallup acreditam que o país estará mais seguro no longo prazo das ameaças terroristas.

Cerca de 40% dos entrevistados também disseram estar mais confiantes de que os Estados Unidos poderiam ter sucesso na ‘guerra contra o terrorismo islâmico’, enquanto 34% afirmaram estar apenas um pouco mais confiantes.

Na véspera, pesquisa divulgada pelo “Washington Post” mostrou aumento semelhante, com Obama sendo aprovado por 56% dos eleitores pesquisados.

 

Fonte: G1

+ sobre o tema

Em Ceilândia, Anielle Franco anuncia R$ 1,6 milhão para organizações

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, anunciou, nesta...

OABRJ levará absolvição dos policiais no caso João Pedro ao STF

A Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de...

O grande bazar de direitos

Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, declarou nesta semana estar "muito...

para lembrar

‘Não existem dois Brasis’; leia íntegra comentada do discurso de Lula após a vitória

No primeiro discurso após ser eleito presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva,...

Salário mínimo de R$ 724 entra em vigor a partir de 1º de janeiro de 2014

A presidenta Dilma Rousseff confirmou hoje (23) o...

Já amanheci e caí em prantos, de cara. Sobrevoar uma comunidade atirando contra ela?

Já amanheci e caí em prantos, de cara. Coisa...

Distanciamento social virou pobre morrendo lá longe

A relação é direta: conforme naufragam as quarentenas Brasil...

Saiba o que muda no ensino médio com novo texto aprovado no Congresso

Após sucessivos ajustes, com idas e vindas entre as duas casas do Congresso e nove meses de tramitação, a reforma do novo ensino médio...

É mito pensar que todos os pobres são empreendedores, diz ganhadora do Nobel de Economia

Uma das mais respeitadas economistas do mundo quando o assunto é pobreza, a francesa Esther Duflo tem gastado muito do seu tempo falando sobre os...

Brasileiras reunidas para enfrentar a extrema direita

Muito se diz que organização de base e ocupação das ruas são os caminhos mais efetivos para enfrentar a extrema direita. Difícil é encontrar quem...
-+=