Após sofrer preconceito na faculdade, merendeira do DF faz mestrado na UnB

Ela fez faculdade e pós graduação e quer ajudar a melhorar a merenda escolar

Ela começou a cozinhar com oito anos de idade, se tornou merendeira escolar, fez faculdade de gastronomia e atualmente faz mestrado voltado à gastronomia regional. Assim é parte da trajetória de Magna Pereira da Silva.  Mas nem tudo foram flores no caminho da cozinheira Magna Pereira da Silva. Ela enfrentou preconceito por parte de colegas quando entrou para a faculdade.

— Sofri preconceito porque eu era merendeira.

Magna foi aprovada para o concurso de público de merendeira da rede pública de ensino do Distrito Federal em 2010 e por meio de uma bolsa conseguiu fazer o curso de Gastronomia em uma faculdade particular. Ela já havia feito cursos práticos de cozinha, teve o talento reconhecido por parentes e amigos, mas, incentivada pelas filhas, começou a fazer curso superior.

Após concluir a faculdade, ela fez uma pós graduação em docência. Neste ano, Magna foi aprovada para o mestrado em turismo, com objeto de estudo em gastronomia regional, na UnB (Universidade de Brasília). Mesmo com a trajetória acadêmica, a cozinheira afirma que não quer se afastar da cozinha.

— Não quero sair da área, quero é cozinhar sempre.

O mestrado deve ser concluído em 2016 e, depois de concluir, a cozinheira tem planos de um projeto para melhorar a qualidade da merenda escolar, que deve apresentar à Secretaria de Educação.

— Percebi que as escolas podem fazer melhor a merenda escolar e quero ajudar nisso. Longe de querer ser uma chef de alta gastronomia, Magna quer mesmo é se dedicar à cozinha popular.

Tanto que os pratos que mais gosta de cozinhar são bobó de camarão e galinhada. Ela diz que não é muito ligada aos chefs de cozinha que se tornaram celebridades, mas admira o brasileiro Alex Atala, pela ligação dele com os ingredientes brasileiros e do Cerrado.

Fonte: R7

+ sobre o tema

Da dificuldade nasce a força da mulher negra

Em 1989, com 14 anos, entrei no mercado de...

Melhor do mundo, Serena Williams só não consegue derrotar o racismo

Serena Williams tinha 6 anos de idade quando a...

Filme Kbela é homenagem a todas as mulheres negras

Idealizado por Yasmin Thayná e realizado coletivamente, Kbela nasceu...

para lembrar

Lei institui o Dia de Luta contra Genocídio da Muher Negra no Rio

A lei estabelece que instituições públicas e privadas promovam...

Igualdade parcial

Documentário mostra negros divididos sobre casamento gay nos EUA...

Sede do Neab homenageia Ya Mukumbi

Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros funcionará em casa de madeira...

A influência de Danilo Gentili no caso de racismo contra Maju Coutinho

Sabe por que fanáticos se atreveram a publicar insultos...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=