segunda-feira, setembro 26, 2022
InícioQuestão RacialCotas RaciaisAprovados por cotas podem ter que comprovar origem racial em SP

Aprovados por cotas podem ter que comprovar origem racial em SP

Servidor que notar discrepância pode pedir consulta à Comissão.
Portaria publicada no Diário Oficial entrou em vigor nesta terça-feira (26).

no G1

Candidatos aprovados em concursos públicos da Prefeitura de São Paulo que concorrem a vagas reservadas às cotas raciais poderão ter de comprovar sua origem. Uma portaria que estabelece os procedimentos nas situações em que houver dúvidas sobre o pertencimento racial dos aprovados foi publicada no Diário Oficial do Município nesta terça-feira (26) e já está em vigor. A intenção é evitar que aconteçam fraudes na “autodeclaração etnicorracial”.

Segundo a Secretaria Municipal de Promoção e Igualdade Racial, o novo procedimento propõe que os servidores das unidades de Recursos Humanos –  que dão continuidade ao processo de contratação após o concurso – fiquem atentos para observar discrepâncias entre a declaração de pertencimento racial e a aparência do candidato aprovado em cota. Se o servidor notar uma contradição, ele deve informar à Comissão de Monitoramento e Avaliação da execução da Lei nº 15.939, de 2013, que prevê a reserva de cotas.

Essa comissão, responsável por constatar a veracidade da declaração racial dos candidatos, é formada por membros da Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial, da Secretaria Municipal dos Negócios Jurídicos e da Secretaria Municipal de Gestão.

Por recomendação da Prefeitura, o servidor deve avisar ao candidato que vai comunicar à Comissão. E mesmo durante a investigação, os procedimentos para a nomeação do candidato seguirão normalmente até que haja uma resposta definitiva.

O candidato investigado pode ter de comparecer diante da Comissão ou ainda apresentar documentos que comprovem sua origem. Segundo a Secretaria, o candidato que passar pelo procedimento terá assegurado o direito à defesa. Membros do Ministério Público e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) poderão ser acionados na consulta do caso ou no aval para a exclusão do candidato.

No entanto, a portaria não será aplicada retroativamente, valendo para os casos futuros, nos quais se identifique possível dissonância entre o conteúdo da declaração que deu acesso ao candidato do concurso à vaga de cotista e a realidade.  Apesar do novo procedimento, denúncias de fraudes podem ser feitas à comissão em qualquer momento, por qualquer cidadão ou servidor. Os cidadãos podem telefonar ou enviar e-mail para a Secretaria de Promoção e Igualdade Racial.

Sistema de cotas
A Lei 15.939, de 2013, trata sobre a questão de cotas raciais para o ingresso de negros e negras no serviço público municipal em cargos efetivos e comissionados. O texto prevê que, conforme estabelecido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é considerada a autodeclaração. Existe ainda o decreto nº 54.949, de 2014, que prevê a eliminação do candidato em caso de declaração falsa.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench