Com lei de cotas, sobe de dois para 19 número de procuradores negros na cidade de SP

Atualmente, 25% do quadro de servidores da prefeitura é formado por negros. São pelo menos mil professores, 27 assistentes sociais, 24 auditores fiscais e cinco analistas

Por  Sarah Fernandes, da RBA

Após quase três anos de aprovação da lei de cotas para o funcionalismo público municipal de São Paulo, o número de procuradores negros na cidade saltou de dois para 19, evolução considerada “substancial” pela Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial. A lei determina que 20% das vagas de todos os cargos do serviço público (estagiários, concursados e comissionados livres) sejam destinados a pessoas negras.

Do último concurso, realizado em 2014 – o primeiro para o cargo a se enquadrar na lei de cotas – foram chamados 71 procuradores, 17 deles negros. O concurso anterior para o cargo havia sido realizado em 2008.

O cargo de procurador é considerado um dos mais estratégicos da prefeitura. Os profissionais estão em diversos órgãos da administração municipal, como as próprias secretarias, e respondem à Procuradoria-Geral do município.

“É dever do poder público trabalhar e dar exemplos de como construir uma sociedade mais justa e igualitária, e a presença negra deveria ir muito além do futebol e do samba, onde somos sempre lembrados e protagonistas”, disse o secretário de Promoção da Igualdade Racial, Maurício Pestana.

De acordo com a secretaria, atualmente, 25% do quadro de servidores é formado por pessoas negras. São pelo menos mil professores, 27 assistentes sociais, 24 auditores fiscais e cinco analistas.

“Temos também de estar nos laboratórios de ciência, nas universidades, nas grandes corporações, nos meios de comunicação e também no setor público, contribuindo para a diversidade, representatividade da população negra e um desenvolvimento socioeconômico e cultural mais equitativo na capital paulista. E nesse propósito, as ações afirmativas, como as cotas, se tornam um recurso importante de avanço social”, afirmou Pestana.

+ sobre o tema

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe...

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da...

Caixa lança edital de concurso com 3,2 mil vagas para técnicos

A Caixa Econômica Federal publicou nesta quinta-feira (22), no...

Depois de um carnaval quente, é hora de pensar em adaptação climática

Escrevo esta coluna, atrasada, em uma terça-feira de carnaval. A...

para lembrar

Ana Maria Gonçalves: A mídia, as cotas e o sempre bom e necessário exercício da dúvida

Fonte http://www.interney.net/blogs/lll Tenho escrito alguns artigos sobre racismo e, em todos,...

Aborto, maconha, gays, cotas: cadê as polêmicas na campanha?

 A propaganda eleitoral gratuita na TV deveria servir para...

Nem pós-moderno ou governista. Apenas Prounista

O PROUNI (Programa Universidade para Todos) foi criado pelo...
spot_imgspot_img

Não entraria em avião pilotado por cotista?

"Responda com sinceridade, leitor. Você entraria confortavelmente num avião conduzido por alguém que, pelo fato de pertencer à minoria desfavorecida, recebeu um empurrãozinho na...

“Enem dos Concursos” reserva 20% das vagas para negros

O governo federal reservou 20% das 6,6 mil vagas do Concurso Nacional Unificado para candidatos negros. A totalidade das vagas está dividida entre nível...

Somente 7 estados e o DF têm cotas para negros em concursos públicos. Veja quais

Adotadas no Executivo federal, as cotas raciais nos concursos para entrada no serviço público avançam em ritmo bem lento nos outros níveis de governo,...
-+=