Inclusão não é favor

Ações de promoção da equidade racial devem ser respeitadas e fomentadas num país racista como o Brasil

Inclusão não é favor. Inclusão é direito! Essa é a principal razão pela qual ações voltadas à promoção da equidade racial devem ser respeitadas, defendidas e fomentadas num país racista como o Brasil.

Nos últimos anos, temos presenciado o aumento de iniciativas para ampliar a inserção social de pretos, pardos e indígenas. O cenário, fruto da ação de movimentos sociais, ainda é tímido se comparado ao nível das desigualdades raciais vigentes. No entanto, tem se mostrado suficiente para provocar irresignação entre quem não convive bem com a ideia de compartilhar direitos que, na prática, sempre constituíram privilégios de uns poucos.

O presidente Lula (PT) participa, ao lado de vários ministros, da cerimônia de sanção da Nova Lei de Cotas, no Palácio do Planalto – Pedro Ladeira – 13.nov.23/Folhapress

Nesse sentido, ações afirmativas que têm surtido resultados efetivos —caso das cotas raciais— têm sido atacadas, tratadas como injustiça ou até favor.

Sob a perspectiva histórica e o contexto socioeconômico contemporâneo, trata-se de um contrassenso numa nação que ao longo de séculos optou por dar as costas aos descendentes de escravizados.

Contudo, em nome de um imaginário “prejuízo aos pobres”, há quem ignore tanto o passado quanto o presente para vislumbrar um cenário alheio à realidade nacional. Não só porque a maioria da população que está na linha da pobreza —ou abaixo dela— é negra. Mas sobretudo por desconsiderar que uma sociedade racista impõe um ônus a pretos e pardos.

Ações afirmativas precisam ser analisadas pelo ganho social que representam. Por incrível que pareça, os percalços suportados por um negro pobre e um branco pobre não são os mesmos.

Com as cotas raciais, pela primeira vez uma política pública voltada à população afrodescendente vem apresentando resultados efetivos e mensuráveis. A presença notável de pretos e pardos em bancos acadêmicos serve de exemplo e prova que essas cotas têm potencial para frear o processo de exclusão institucionalizado contra negros ao longo da nossa história. Ainda assim, há quem trate a solução como problema.

+ sobre o tema

Concurso unificado: saiba o que o candidato pode e não pode levar

A 20 dias da realização do Concurso Público Nacional...

Estudo mostra que escolas com mais alunos negros têm piores estruturas

As escolas públicas de educação básica com alunos majoritariamente...

Show de Ludmilla no Coachella tem anúncio de Beyoncé e beijo em Brunna Gonçalves; veja como foi

Os fãs de Ludmilla já estavam em polvorosa nas redes sociais...

Geledés faz em Santiago evento paralelo para discutir enfrentamento ao racismo nos ODS

Geledés - Instituto da Mulher Negra realiza, de forma...

para lembrar

Estudantes protestam contra exigência do Enem para Ciência sem Fronteiras

Nova regra para concorrer a bolsas de estudo no...

USP assina acordo experimental para participar do Enade

Além da prova, a universidade estadual paulista participará das...

A campanha dos professores para denunciar Paes e Cabral

Charge do Vitor Teixeira, via Facebook do site do SEPE,...
spot_imgspot_img

Estudo mostra que escolas com mais alunos negros têm piores estruturas

As escolas públicas de educação básica com alunos majoritariamente negros têm piores infraestruturas de ensino comparadas a unidades educacionais com maioria de estudantes brancos....

Educação antirracista é fundamental

A inclusão da história e da cultura afro-brasileira nos currículos das escolas públicas e privadas do país é obrigatória (Lei 10.639) há 21 anos. Uma...

O Brasil branco é um produto de cotas

Quem observa a oposição às cotas raciais nas universidades e no serviço público é capaz de pensar que o Brasil nunca adotou cotas anteriormente. Errado. O...
-+=