As denúncias de violações de direitos humanos na Terra Indígena Yanomami

Enviado por / FonteEcoa, por Anielle Franco

Semana passada foi lançado o relatório “Yanomami Sob Ataque: Garimpo Ilegal na Terra Indígena Yanomami e propostas para combatê-lo”. Alguns de nós já conhecemos os principais danos ao meio ambiente que o garimpo causa, como o desmatamento e a poluição de rios. Mas hoje resolvi trazer esse tema aqui porque é primordial viabilizar o terror imposto a comunidades indígenas, prestar nossa solidariedade e também lembrar desta questão na hora de apertar os números na urna em outubro, é claro!

Ao ler os relatos, foi impossível não ser atravessada por profunda indignação e revolta. O levantamento mencionado descortina uma situação esterrecedora, descrevendo a evolução do garimpo ilegal na Terra Indígena Yanomami (TIY) em 2021. O cenário de aumento de mais de 3.350% do garimpo nos últimos anos na região é gravíssimo, e, para além disso, a presença do garimpo vem atrelada a diversas violações de direitos humanos contra este povo, segundo a Hutukara Associação Yanomami, organização que realizou o relatório.

Garimpo ilegal nas terras indígenas Yanomami, em Roraima (Imagem: Chico Batata / Greenpeace)

Os depoimentos trazem denúncias de crianças e jovens yanomamis, mencionam estupros, assédios sexuais, explosão de casos de doenças infectocontagiosas, como a malária, outros tipos de violência e até mesmo mortes. Um contexto de trajetórias interrompidas, de crise sanitária, de comunidades sendo submetidas a múltiplas dimensões de violência, como, por exemplo, garimpeiros embebedarem mulheres indígenas e, após isso, violentá-las. Penso na saúde dessas crianças e jovens. Penso quantas dessas crianças devem ter a idade das minhas filhas, Mariah e Eloah, e não precisariam passar por isso se o Estado cumprisse seu papel.

O Estado brasileiro deveria ser guardião das terras indígenas. Este desgoverno vem, na verdade, como todos os jornais noticiam todo dia, estimulando o garimpo para atender aos interesses dos empresários, que financiam esta atividade ilegal na Floresta Amazônica. As medidas adotadas pelo governo federal representam um ataque ao meio ambiente, aprofundamento das condições de trabalho análogas à escravidão e um desrespeito aos povos tradicionais que desde antes do pretenso “descobrimento” do Brasil já viviam nesses territórios da América Latina. A própria ONU denuncia ataques de Bolsonaro aos indígenas e aponta violação de tratados internacionais.

O fato é que é necessário ter vontade política para mudar essa triste realidade! Precisamos manter acesas as chamas da esperança e lutar! Lutar sabendo que não aceitar esses modelos de exploração de morte impostos é ter esperança de que é possível mudar o Brasil. A justiça para tantos povos indígenas que sofrem diversas formas de violação de direitos humanos, que lutam pelo direito à Terra, pelo direito de existir, de viver e viver bem é urgente! Que ecoemos os seus brados pela demarcação de suas terras e pelo fim da violência contra os povos da floresta!

+ sobre o tema

O racismo se mantém no espaço midiático

O contexto ´é de baixa representação e estigmatização da...

OAB e ONG gaúchas abrem inscrições para prêmio Direitos Humanos de Jornalismo

Jornalistas e estudantes de todo o Brasil têm até...

A nova cara da sífilis

O Ministério da Saúde adverte: a DST mais traiçoeira...

‘O Abutre’ e a regulação da mídia: onde travar o debate?

O novo ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, não perdeu...

para lembrar

Enfrentamento ao racismo é abordado de forma limitada

Considerando a relevância do racismo, pode-se dizer, que o...

A nudez por trás do jaleco – por Eliane Brum

O que as agressões contra os médicos cubanos revelam...

Um tema tratado com tanto desrespeito e de forma covarde: O aborto

Descriminalização do aborto *Por Samantha Buglione   Descriminalizar o aborto não significa...

“Vida Longa com Saúde e Sem Racismo”

Saúde da população negra e racismo são temas de...
spot_imgspot_img

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...

Impacto do clima nas religiões de matriz africana é tema de evento de Geledés em Bonn  

Um importante debate foi instaurado no evento “Comunidades afrodescendentes: caminhos possíveis para enfrentar a crise climática”, promovido por Geledés -Instituto da Mulher Negra em...

Comissão da Saúde aprova PL de garantia de direitos à pacientes falciformes

A Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira (5), o Projeto de Lei nº 1.301/2023, que reconhece a doença falciforme como...
-+=