As mulheres marroquinas por trás dos tecidos e cerâmicas da Dior

Entre no universo da Sumano, as mulheres do interior do Marrocos com quem a Dior colaborou para desenvolver tecidos para a coleção cruise 2020

Da MARIE CLAIRE

Reprodução/Youtube 

Com uma das coleções mais bem sucedidas da temporada de cruise 2020, a Dior marcou pontos positivos não apenas com as belas roupas que apresentou mas com a integração do savoir-faire africano em sua produção. Maria Grazia Chiuri quis homenagear (e com todo o cuidado para não cair do delicado terreno da apropriação cultural) o conhecimento têxtil e de confecção de países como Costa do Marfim — de onde vieram as estampas feitas em cera, com processo típico do local — e do Marrocos, onde a marca se uniu com um grupo de mulheres para trabalhar nos tecidos e décor do desfile.

Com ajuda da Sumano, uma organização social marroquina que tem como objetivo resgatar e perpetuar o trabalho artesanal feminino, a maison firmou uma parceria com um grupo de mulheres que tingem tecidos em processos artesanais, usando matérias-primas locais. Detalhe: as mulheres da comunidade com a qual a Dior colaborou — que fica no Anti-Atlas marroquino, a 5 horas de carro de Agadir — nunca haviam trabalhado antes ou produzido peças que saíssem do pequeno vilarejo onde vivem. Até pouco tempo atrás, o acesso ao local era feito apenas de burro ou a pé.

A grife também trabalhou com quatro tribos diferentes para produzir 250 peças de cerâmica que fizeram parte da decoração do desfile (apresentado no antigo palácio El Badi, em Marrakech). Nos vídeos a seguir, conheça mais sobre as comunidades, seu cotidiano e a delicadez de um tipo de trabalho artesanal raríssimo de se encontrar.

+ sobre o tema

I Seminário Biopolíticas e Mulheres Negras” acontece amanhã em Salvador

Será realizado amanhã (20), às 9h, na sede do...

A Força das Mães Negras

Levantando-se contra a escravidão, o machismo e o preconceito,...

Por que resistir à feminilidade deveria fazer parte de nossas lutas?

A gente, mulheres, quer acabar com o patriarcado e...

Rede Globo responde à sugestão da Ministra Iriny Lopes

"Entendemos que o seu ofício não representa uma tentativa...

para lembrar

A dançarina americana que ajudou a criar 1ª lei contra racismo do Brasil

Quando a dançarina e coreógrafa americana Katherine Dunham (1909-2006) chegou para...

Mês da Visibilidade Lésbica tem duas datas de comemoração em agosto; entenda diferença

Agosto é considerado o mês da Visibilidade Lésbica e...

Alguém pode me ouvir?

Oi, tudo bem? Tem alguém aí? Por favor, alguém...

Lei obriga reabilitação para agressores: como isso pode ajudar as mulheres?

Embora a Lei Maria da Penha determine, desde 2006,...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=