“As pessoas não aceitam se olhar no espelho”: Luiz Ruffato fala das reações a seu discurso

O dia seguinte à noite de abertura já passou, mas continuam os comentários sobre o discurso do escritor mineiro Luiz Ruffato como porta-voz do convidado de honra da Feira do Livro de Frankfurt, o Brasil. Ele usou expressões duras ao falar das desigualdades sociais em seu país, o que, para muitos, foi um exagero.

Neste quinta-feira (10/10), segundo dia da maior feira literária do mundo, Ruffato falou à DW sobre a intenção de suas palavras e a surpresa causada pelas reações agressivas, grande parte chegada do Brasil através das redes sociais.

DW: Que tipo de reação você esperava para o seu discurso de abertura?

Luiz Ruffato: Eu esperava que as pessoas compreendessem o que eu estava falando, que eu não fiz nenhuma crítica ao governo ou a ninguém. Eu só tracei um retrato da sociedade brasileira. Eu vivo nesse país e sei o quanto esse retrato é desagradável, mas é uma declaração de quem ama profundamente o Brasil e quer que ele melhore.

Acho perfeitas as reações de discordância, mas fiquei espantado com as agressões. Há muitas na internet, e aqui mesmo, na feira, quase fui agredido fisicamente por brasileiros.

Mas aqui na feira, grande parte das reações foi positiva. Agora mesmo alguém acabou de passar e te elogiar. De onde vêm as críticas negativas, então?

Um pouco daqui, mas a maioria vem do Brasil, infelizmente. Principalmente das redes sociais. Há críticas muito pesadas.

O que as pessoas argumentam quando te criticam dessa maneira?

Que eu estou falando mal do Brasil para os alemães e para o mundo. Não estou falando mal, estou apenas mostrando um retrato que me parece ser realista. As pessoas não aceitam esse retrato, não aceitam se olhar no espelho.

Você mesmo reconheceu no discurso que houve melhoras no Brasil…

Não há dúvidas. Eu votei no PT e não tenho nenhuma duvida de que o país é hoje muito melhor do que há 40, 50 anos. Mas estar melhor do que antes não significa estar bom. Minhas críticas são exatamente no sentido de propor uma reflexão para que melhoremos ainda mais.

Quando você recebeu a missão de ser um dos oradores brasileiros na cerimônia de abertura, por que decidiu focar mais na realidade do país do que na literatura?

Eu não acho que eu tenha focado menos na literatura. Para mim a literatura é um espelho da sociedade, uma representação da sociedade, portanto, ela é política. Não me foi feita nenhuma recomendação para o discurso, me deixaram absolutamente à vontade para falar o que eu quisesse. E, em momento algum, tive qualquer intenção de desagradar, ofender ou causar um desconforto para quem quer que seja. O desconforto era todo meu, porque eu tinha que falar do meu país que amo, mas tinha que mostrar como ele é.

Você acredita que toda essa polemica terá algum impacto em sua carreira de escritor?

Eu não sei. E não disse que o que eu falei está certo ou errado, mas queria que as pessoas pensassem a respeito e que houvesse uma discussão, porém, uma discussão civilizada.

Esse tipo de provocação política e a realidade brasileira estão presentes em seus livros também, certo?

Não somente nos meus livros. Em todos os lugares que falei dentro e fora do Brasil, eu disse a mesma coisa. Nunca falei nada de diferente, só que nunca fui ouvido. E vou repetir, até que o país melhore. O dia em que o Brasil melhorar, não falarei mais nada disso.

 

“Machistas”, “hipócritas”, “intolerantes”: o discurso sobre o Brasil de Luiz Rufatto, o easter egg da Feira de Frankfurt – por : Kiko Nogueira

 

Fonte: DW

+ sobre o tema

Obama afirma que reanimar a economia é sua tarefa mais urgente

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, considera que...

Tribunais são enviesados contra mulheres e negros e não fazem justiça, diz advogada da OAB

Os Tribunais de Justiça são enviesados e, por isso,...

O tal “panelaço” tem cara, grife, cor e endereço, nobre, diga-se de passagem

O tal "panelaço", importado da Argentina, de que  grande...

O silêncio da mídia diante da denúncia de golpe do fotógrafo brasileiro ganhador do Pulitzer

Dez dias atrás, o fotógrafo Mauricio Lima foi festejado pelos grandes meios...

para lembrar

Escravidão e discriminação

Por Margareth Menezes     Neste momento, em...

Presidente Lula anuncia investimento em catadores de materiais recicláveis

Fonte: G1- Trabalhadores terão carros elétricos para coleta de...

Geração Z: antes mentíamos aos pais para sair, agora mentem aos amigos para ficar em casa

Saídas para bares, festas e encontros mudam de acordo...

Lula para Gaviões: ‘esta é uma das maiores homenagens que recebo em toda minha vida’

Presidente Lula, internado no Hospital Sírio Libanês, grava uma...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=