Assim caminha a humanidade – Por: Maurício Pestana

Há mais de uma década, a indústria farmacêutica abandonou investimentos nas áreas de pesquisas de antibióticos. Motivo: o baixo retorno financeiro e a necessidade de direcionar seus investimentos em medicamentos de consumidor mais fiel e contínuo como, por exemplo, antidepressivos.

O resultado foi evolução de bactérias mais resistentes e o retorno mássico de males como tuberculose e pneumonia, doenças de forte dissimilação nas populações menos favorecidas economicamente, aonde problemas de saneamento, habitação e consequentemente higiene são uma constante. Ou seja: investir em remédios para doenças de pobre e preto não era lucrativo.

Essa discriminação pode ser observada tanto do ponto de vista local como global, se as doenças de pobre encontram um habitat ideal para sua proliferação nas periferias e áreas desassistidas das grandes cidades.

É também no continente africano que encontraremos um maior número de doenças já extintas − do ponto de vista estatístico − em países desenvolvidos, como é o caso da meningite, do sarampo e da disenteria, entre outras.

Mas numa era tão globalizada como a atual, por mais que o apartheid econômico intensifique o fosso entre ricos e pobres, o trânsito cada vez maior entre as pessoas tem demonstrado que não há barreiras para vírus e bactérias, e o mundo se assusta com a notícia de um vírus existente há mais de três décadas e que estava confinado a um pobre país da África aparece agora sem controle e rompendo barreiras.

O ebola é altamente infeccioso podendo matar mais de 90% dos infectados. O irônico dessa história é que no mesmo momento em que fomos bombardeados pela notícia de que o mortal vírus fugiu do controle e se espalha por vários países africanos, também nos surpreendemos com outra notícia na área de saúde: o Brasil ultrapassou os Estados Unidos em números absolutos e se tornou o maior país do planeta a realizar cirurgias plásticas. Ou seja: temos agora os mais belos rostos, bumbuns e seios do mundo, para assistir de perto a evolução do ebola.

+ sobre o tema

Nova identidade tem CPF como número principal, QR code e abriga dados de outros documentos

O governo federal quer acelerar a corrida para digitalizar...

ONU pede que Brasil legalize aborto e denuncia ‘fundamentalismo religioso’

Alertando sobre o avanço do que chamou de "fundamentalismo...

Trump se torna 1º ex-presidente condenado em ação criminal na história dos EUA

Donald Trump se tornou o primeiro ex-presidente considerado culpado pela...

Um compromisso nacional

Alfabetizar todas as crianças foi colocado desde o início...

para lembrar

Machismo e racismo continuam desequilibrando a disputa eleitoral

Levantamento do Inesc feito a partir do cruzamento de...

Cozinheira promete salmão e x-tudo de filé mignon a Obama no Rio

Tássia Thum Moradora do Vidigal, favela na Zona Sul do...

‘Me sinto feliz dançando’, diz baiano de 11 anos aprovado no Bolshoi de SC

Cozinheira, mãe já pediu demissão do trabalho e se...

De onde vêm os temas – Por: Fernanda Pompeu

Todo ofício, ocupação, profissão têm seus mistérios. É maravilhoso que...

Mapa aponta que quase meio milhão de cariocas passam fome

A insegurança alimentar grave é realidade em 7,9% das casas na capital fluminense. Em números absolutos, são 489 mil pessoas que passam fome. Cerca de 2 milhões de cariocas convivem...

STF intima governo de SP a se manifestar em ação sobre edital de câmeras

O presidente do STF, Luís Roberto Barroso, intimou o governo de São Paulo a se manifestar em até 72 horas sobre ação que questiona edital que...

Alfabetização de crianças retoma nível pré-pandemia, mas quase metade de alunos no 2º ano ainda não sabe ler e escrever

O governo federal afirmou nesta terça-feira que 56% das crianças alcançaram em 2023 o patamar de alfabetização registrado no período pré-pandemia, em 2019. Com...
-+=