sexta-feira, janeiro 14, 2022
InícioÁfrica e sua diásporaAfricanosAssumir legado de Mandela é estar ao lado dos jovens negros da...

Assumir legado de Mandela é estar ao lado dos jovens negros da periferia, diz ministra em fórum

Fonte: da ONU

Para assumir o legado do ex-presidente sul-africano Nelson Mandela é preciso estar ao lado dos jovens negros das periferias do Brasil, afirmou a ministra Maria do Rosário, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. A declaração foi feita durante a abertura do Fórum Mundial de Direitos Humanos, nesta terça-feira (10), em Brasília, marcada com um minuto de silêncio pela morte do líder da luta contra o apartheid.

O evento é dedicado ao prêmio Nobel da Paz que faleceu no dia 5 de novembro, aos 95 anos.

Embaixador da África do Sul no Brasil, Mphakama Mbete recebeu uma buquê de rosas brancas como homenagem ao ex-presidente. “Mandela contribuiu imensamente para a promoção da paz na África do Sul. Ele é lembrado pela proteção e promoção dos direitos humanos e pela equidade entre todos.”

Mbete lembrou o Dia Internacional Nelson Mandela, 18 de julho, instituído pela Assembleia Geral da ONU.

Anualmente, voluntários do mundo inteiro doam parte de seu tempo nessa data para honrar a luta pela liberdade, justiça e democracia.

Para o presidente em exercício, Michel Temer, o que Mandela fez “foi unir os contrários para criar uma democracia.

“Não podemos falar de Mandela sem lembrar que no Brasil um jovem negro morre a cada 30 minutos”, disse o diretor da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais, Pablo Gentili.

Violações de direitos humanos

Diversas formas de preconceito e violações de direitos humanos foram lembradas durante a abertura do evento, que acontece no mesmo dia em que a Declaração Universal de Direitos Humanos completa 65 anos.

Povos indígenas, pessoas com deficiência, população LGBT e vítimas das ditaduras militares da América Latina foram destacados, além do sindicalista Chico Mendes e da religiosa norte-americana Dorothy Stang, assassinados na Amazônia.

“Este Fórum é para ouvir as vozes daquelas pessoas cujos direitos humanos têm sido desrespeitados”, disse o representante para América do Sul do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), Amerigo Incalcaterra.

Para ele, a comunidade internacional tem sido muitas vezes lenta demais para dar as respostas necessárias aos defensores de direitos humanos.

Incalcaterra participa do Fórum representando a alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay, como forma de comemorar os 20 anos do ACNUDH.

 

Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!
RELATED ARTICLES