Capital branca do apartheid presta homenagem a Nelson Mandela

Pretoria – O cortejo fúnebre de Nelson Mandela, primeiro presidente negro da África do Sul, percorreu nesta quarta-feira (11/12) as ruas de Pretória, a capital branca do regime do apartheid, para receber uma homenagem. Precedido por uma escolta de motoristas, o caixão, coberto com a bandeira sul-africana, saiu do hospital militar pouco depois das 7H00 e percorreu seis quilômetros até o Union Buildings, onde fica a sede do governo e onde foi instalada a capela mortuária.

Personalidades e autoridades comparecerão ao local para homenagear Mandela, que faleceu na quinta-feira passada aos 95 anos. Depois, a capela será aberta ao público. Os sul-africanos formaram nas ruas de Pretória uma longa fila em homenagem ao falecido líder. Pretória uma das três capitais da África do Sul e abriga a sede do Poder Executivo (Cidade do Cabo é sede do Legislativo e Bloemfontein do Judiciário).

Mas não se livrou da associação com o apartheid, já que a cidade de 740.000 habitantes é a localidade africâner e branca por excelência do país, com ruas ainda dedicadas a algumas das figuras mais sórdidas do regime racista. O governo do Congresso Nacional Africano (ANC, partido de Mandela) trava uma batalha discreta para que o mundo utilize o nome de Tshwane, que envolve uma extensão mais ampla.

Deste modo, o cortejo fúnebre do primeiro presidente negro do país tem um valor simbólico e solene. O caixão passou pelo Freedom Park, o parque que Mandela inaugurou em 1999 em homenagem à democracia, que chegou ao país em 1994 com sua eleição. Ainda mais simbólica foi a passagem pelo Palácio de Justiça, onde em 1963 Mandela compareceu ao famoso julgamento de Rivonia e no qual pronunciou seu discurso mais famoso.

“Lutei contra a dominação branca e a dominação negra. Tenho o ideal de uma sociedade livre e democrática, na qual todas as pessoas vivam juntas em harmonia. É um ideal pelo qual espero viver e que espero alcançar. Mas, se for necessário, é um ideal pelo qual estou preparado para morrer”. Mandela foi condenado à prisão perpétua e passou 27 anos detido após o processo de 1963. Finalmente, o Union Building é o local onde Mandela tomou posse como presidente em 10 de maio de 1994.

 

+ sobre o tema

Projeto de lei pretende legalizar a perseguição religiosa

Uma Comissão Especial criada pelo Presidente afastado da Câmara...

‘Ato racista deve ser combatido’, diz Coletivo Negro do Mackenzie

Banheiro da Faculdade de Direito foi pichado com frase...

Muito além de uma medalha: conheça os refugiados que irão competir nas Olimpíadas do Rio

Tradicionalmente, a primeira delegação a desfilar na cerimônia de...

12 Anos de Escravidão é o melhor filme do Critic’s Choice Awards

12 Anos de Escravidão é o melhor filme do...

para lembrar

A violência sexual como arma de guerra

Fonte: Radiocaicara-Por: Oman CarneiroA violência sexual é uma arma...

SP: Marcha denuncia tentativa de criminalizar cultos de matriz africana

Milhares de pessoas se concentraram em frente ao MASP,...

54 países lançam mercado comum no continente africano

Os países da União Africana (UA) lançaram neste domingo...

Morre o Maestro Estevão Maya-Maya aos 78 anos

O maestro, cantor, compositor, escritor e professor Estevão Maya-Maya morreu na...
spot_imgspot_img

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...
-+=