Até quando agressões contra mulheres serão perdoadas em novelas globais?

O jornalista Maurício Stycer, do UOL, apresentou uma perspectiva intrigante sobre algo que vem se tornando hábito nas novelas de Rede Globo. A violência contra a mulher.

no Hypeness

foto divulgação - Globo / Hypeness
foto divulgação – Globo / Hypeness

Infelizmente, os folhetins da principal emissora do país não estão debatendo o assunto de uma perspectiva feminina. Ao contrário, autores e roteiristas parecem insistir em um método sistêmico onde a vítima, no caso mulheres, perdoam os agressores.

A última foi O Sétimo Guardião. A novela escrita por Aguinaldo Silva teve a cara de pau de, três dias depois do Dia Internacional da Mulher, mostrar a personagem Afrodite não só desculpando o agressor Nicolau, como acolhendo-o em sua cama.

A cena possui todos os elementos de um enredo desconexo com pautas defendidas por movimentos feministas nos dias de hoje. Os dois se beijam efusivamente. “Isso não tá certo”, diz a personagem de Carolina Dieckmann. Nicolau (Marcelo Serrado), machista de marca maior, passa um aspecto de leveza. É com se brutalidade de quem deu um tapa na cara da mulher fosse uma versão ‘bronco’ do personagem.

Em Segundo Sol, polêmica novela de João Emanuel Carneiro, a violência contra a mulher foi perdoada num estalar de dedos. A cena é forte. Durante o casamento, Cacau (Fabiula Nascimento) é agredida por Roberval (Fabrício Boliveira) com tapas na cara.

O crime de agressão aconteceu depois dele saber que a noiva estava tendo um caso. Além do tapa, ele chamou a noiva de vagabunda. Ao final da trama, ela perdoou o agressor e correu arrependida atrás dele em um aeroporto. Em seguida, os dois se beijam apaixonados.

Para terminar, em O Outro Lado do Paraíso, de Walcyr Carrasco, Gael (Sergio Guizé) pintou o sete. Agrediu a então namorada fisicamente e psicologicamente. Chegou a ser detido, mas saiu regenerado. Mudou da água para o vinho. Embora não tenha ficado com Clara (Bianca Bin), se apaixonou e recomeçou a vida.

De fato, a impunidade reina quando o assunto é feminicídio e outros tipos de violência contra a mulher. Mas, como bem disse Maurício, será que a TV não deveria apresentar uma realidade diferente, até mesmo para pressionar a mudança do cenário.

Leia também:

https://www.geledes.org.br/uma-a-cada-quatro-mulheres-vitimas-de-tiro-morrem-em-casa/

Juntas, aplicativo de Enfrentamento a Violência contra Mulher - Clique na imagem e acesse o aplicativo JUNTAS
Juntas, aplicativo de Enfrentamento a Violência contra Mulher – Clique na imagem e acesse o aplicativo JUNTAS

+ sobre o tema

Meninas no Ceará são mortas por decretos de facções nas redes sociais

O feminicídio atinge jovens do sexo feminino de 12...

Conheça a vereadora que desbancou políticos tradicionais e bateu recorde de votação em BH

Pela primeira vez na história de Belo Horizonte, uma...

#MeuExAbusivo: Relatos de quem já viveu relacionamentos tóxicos viralizam

O assunto viraliza um dia depois de Belo Horizonte...

Bares gay britânicos boicotam vodca russa

Vários bares gay do Reino Unido convocaram um boicote...

para lembrar

Desigualdade de gênero no trabalho doméstico aumenta com casamento

Mulheres são as principais responsáveis por lavar e passar...

‘Marielle fez de mim um feminista’, diz pai de vereadora

Aos 66 anos, Antonio Francisco da Silva sabe cozinhar...

Quatro meses após execução, sigilo policial preocupa família de Marielle

Quatro meses após a execução da vereadora carioca Marielle Franco...
spot_imgspot_img

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...

Julho das Pretas: celebração e resistência

As mulheres negras brasileiras têm mais avanços a celebrar ou desafios para travar? 25 de julho é o Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-americana e...
-+=