Ativista indiano contra a corrupção encerra greve de fome

O ativista indiano Anna Hazare encerrou neste domingo uma greve de fome que já durava 13 dias. O Parlamento da Índia aceitou no sábado apoiar as exigências do ativista, que pede uma legislação mais severa contra casos de corrupção. Hazare, que chegou a ser preso, marcou o fim da greve de fome aceitando um copo de água de coco de duas crianças, uma muçulmana e outra hindu.

Em frente a milhares de manifestantes em um parque de Nova Déli, Hazare descreveu o protesto como uma lição para o mundo e uma vitória para o povo indiano. A campanha do ativista anticorrupção angariou amplo apoio na Índia e foi comparada à greve de fome de Mahatma Gandhi antes da independência do país.

No entanto, alguns críticos afirmam que os métodos de Hazare podem prejudicar a democracia parlamentar da Índia. Ele iniciou o protesto exigindo a aprovação de medidas que permitam a investigação do premiê e de parlamentares quando acusados de corrupção.

O ativista, de 74 anos, perdeu sete quilos e rejeitou a recomendação médica de receber soro intravenoso para combater a desidratação.

Constituição

Em abril, o ativista cancelou uma outra greve de fome depois de quatro dias quando o governo disse que ele poderia a ajudar a redigir uma proposta de lei para criar um lokpal, ou seja, um órgão independente com o poder de investigar políticos e servidores públicos suspeitos de corrupção. A versão final do projeto foi apresentada no início de agosto, mas Hazare e outros ativistas a rejeitaram, porque o premiê e juízes mais experientes ficariam livres da abrangência da nova lei.

Abrindo a sessão parlamentar deste domingo, o ministro da Economia indiano, Pranab Mukherjee, disse ao Parlamento em Nova Déli que a Índia estava “em uma encruzilhada”. O ministro afirmou que, se por um lado há apoio para as propostas de Hazare, a solução para o problema da corrupção tem que ser encontrada na Constituição da Índia.

O líder do partido do governo, Rahul Gandhi, afirmou que duvida que uma única lei vai acabar com a corrupção no país e agradeceu a Hazare por “ajudar as pessoas a articular este sentimento”.

– Não há uma solução simples para erradicar a corrupção. Tenho grandes dúvidas de que uma única lei vai acabar com a corrupção. O que precisamos é de uma série de leis eficazes – disse.

Fonte: Correio do Brasil

+ sobre o tema

Taxação dos super-ricos tem que ser encarada de frente, diz Neca Setubal

Maria Alice Setubal diz que não saiu ilesa daquele 2014....

Salário menor na advocacia é mais frequente entre mulheres e negros

A proporção de advogados na menor faixa salarial da...

Lei que implantou escola cívico-militar em SP fere modelo educacional previsto na Constituição, diz PFDC

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão...

para lembrar

Suprema Corte rejeita primeiro recurso contra reforma da saúde de Obama

A Suprema Corte dos Estados Unidos se recusou nesta...

Corrigindo o diagnóstico de Aécio Neves sobre o resultado eleitoral

Análise: José Roberto de Toledo Os prefeitos eleitos do...

‘Trolls’ russos tentaram dissuadir eleitores negros nos EUA, diz informe

Segundo dados apresentados para Senado, objetivo era aprofundar as...

Blogueiros com Lula: uma entrevista para história política brasileira

Por Renato Rovai   Alguns bastidores da entrevista com Lula. Ao final...

Ação enviada ao STF pede inconstitucionalidade de escolas cívico-militares em SP

Promotores e defensores públicos encaminharam ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quarta-feira (5) um pedido para tornar inconstitucional a lei estadual que criou as...

Nova identidade tem CPF como número principal, QR code e abriga dados de outros documentos

O governo federal quer acelerar a corrida para digitalizar a identidade dos brasileiros. A nova CIN (Carteira de Identidade Nacional) representa o fim do RG e da impressão...

ONU pede que Brasil legalize aborto e denuncia ‘fundamentalismo religioso’

Alertando sobre o avanço do que chamou de "fundamentalismo religioso" no Brasil, um dos principais órgãos da ONU que lida com a situação da...
-+=