Audiência discute cotas para negros no serviço público

No mês da Consciência Negra, a Assembléia Legislativa de Mato Grosso do Sul realiza a audiência pública sobre o projeto de lei que institui cotas para negros no serviço público estadual, de autoria do deputado Amarildo Cruz (PT). O evento está marcado para o dia 18 de novembro (terça-feira), às 14h, no plenário deputado Júlio Maia. A proposta prevê cota mínima de 10% para negros aprovados em concursos públicos estaduais. Nesta semana, o projeto de lei foi aprovado em 1°, e deve seguir para 2° discussão ainda em novembro. A lei de cotas já existe na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS).

 

Sobre o evento – Além do autor do projeto, o advogado Humberto Adami, referência em ações afirmativas na defesa do negro, participa da audiência que pretende discutir a política de cotas com a sociedade e lideranças do movimento negro estadual. O evento tem apoio da Seppir – Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial – do governo federal, da Coordenadoria de Políticas para a Promoção da Igualdade Racial de MS, do Conselho Estadual dos Direitos e Defesa do Negro – Cedine/MS e do Fórum das Entidades do Movimento Negro.

 

+ sobre o tema

Bradesco obrigado a indenizar ex-funcionário discriminado por racismo

    O TST (Tribunal Superior do Trabalho) diminuiu de R$...

Brancos e Negros fazem jogo contra o racismo e pela solidariedade

  Umuarama – A exemplos de celebridades do...

Racismo e injúria racial no ordenamento jurídico brasileiro

Thaís Coelho Ávila∗ Sumário: 1 Introdução; 2 Conceitos fundamentais; 2.1...

para lembrar

Nota de apoio da RBJA às comunidades quilombolas do Maranhão

A Rede Brasileira de Justiça Ambiental (RBJA) manifesta sua...

Twitter: Giácomo Mancini destilou críticas ao trabalho de Glória Maria

Por: Miguel Arcanjo Prado Giácomo Mancini, repórter do Jornal Nacional,...

Vasco emite nota em repúdio a racismo sofrido por atletas da base

A equipe sub-16 do Vasco, que disputa o...

Condenado por corte internacional, Brasil terá de reabrir investigação e indenizar vítimas de chacinas

A Corte Interamericana de Direitos Humanos da OEA (Organização...
spot_imgspot_img

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...
-+=