Autoritarismo verde e amarelo

“Sobre o autoritarismo brasileiro” é um livro de Lilia Schwarcz a respeito da história de nosso país, bem como de alguns maus odores que persistem no ar que respiramos. Antropóloga, professora titular da Universidade de São Paulo, e visitante na Universidade Princeton, nos EUA, Schwarcz mostra nesse volume – publicado em 2019 – como práticas e ideias que remontam à formação brasileira mantêm-se grudadas aos dias de hoje: racismo, mandonismo, patrimonialismo, corrupção, desigualdade social, violência, intolerância.

Por FERNANDO BANDINI, do Jornal de Jundiaí 

 

KEINY ANDRADE/LATINCONTENT/GETTY IMAGES)

Com o conhecimento de quem escreveu, juntamente com Heloísa Starling, “Brasil, uma biografia” – catatau acerca de nossa história – e para o qual pesquisou vasta bibliografia, a professora Lilia discorre de maneira didática, em texto claro e acessível, a respeito de um país que insiste em negar a dignidade a tantos de seus cidadãos, e para o qual persiste o mito de uma “democracia racial”, lugar paradisíaco, de gente cordata e avessa a conflitos.

Um território gigante para o qual veio quase a metade dos africanos escravizados roubados de seu continente, um país dominado por castas intransigentes para as quais o Estado só existe para legitimar seu poder e seu arbítrio. E no qual sobrevivem narrativas de um “passado edênico”, de uma “escravidão menos cruel”, de ditaduras “menos agressivas porque necessárias”. Uau! Nada como fantasiar a respeito do sofrimento do outro.

Alicerçado em fatos, pesquisas e números, o trabalho de Schwarcz mostra como a contemporaneidade brasileira passa longe da cantilena de tranquilidade e harmonia. Mostra também como o mais longo e contínuo período democrático – os últimos 30 anos – corre riscos com os discursos e práticas de ódio e intolerância que atormentam nosso dia a dia. Em meio a ceticismo generalizado, agravado por tantos escândalos de corrupção e de crimes, cresce o risco de aceitação de “salvadores da pátria” – à esquerda e à direita – de gente rasteira, autoritária e populista.

A autora debruça-se sobre o presente, trata das manifestações de 2013 e de fatos e personagens recentes, do governo que caiu, do que o sucedeu e do atual. O capítulo “Intolerância”, bem como o que fecha o volume, sintetizam nosso momento. Trechos para reler, comentar e discutir. “O Brasil tem um enorme passado pela frente”, como definiu Millôr Fernandes: usada como epígrafe num capítulo do livro, a sentença é certeira.

FERNANDO BANDINI é professor de Literatura do Ensino Médio.

+ sobre o tema

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram...

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

para lembrar

A cultura gastronômica expressa vivências, saberes e memórias

No Maranhão, aprecio a comida do litoral e a...

Você é contra a desigualdade social e toma suco de caixinha?

Cansado de ter que explicar a algumas pessoas que...

A crise no Senado é uma síntese de como as elites tratam a coisa pública

Fonte: Brasil de Fato - Punir alguns senadores, é...

Juíza acende debate sobre latinos nos EUA

Fonte: Uol Por SÉRGIO DÁVILA Falas de Sonia...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança e ganham menos que os homens ao desempenhar a mesma função, apesar destes indicadores registrarem...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...
-+=