Baiano brilha na Cedar Lake Contemporary Ballet

Criado no negro e populoso bairro da Liberdade, o adolescente Joaquim de Santana, na época com 14 anos, tomou uma decisão que mudaria completamente a sua vida.

Ele pediu ao coreógrafo e dançarino José Carlos Santos Arandiba, o Zebrinha, então diretor artístico do já conceituado Balé Folclórico da Bahia, a oportunidade de fazer uma audição para poder participar da única companhia de dança folclórica profissional do país.

“Tenho oito irmãos e a minha irmã mais velha, Ana Beatriz, que hoje é professora, dançava no Balé Folclórico. Então, eu que via as apresentações e já gostava de dança, resolvi tentar ingressar no Balé. Era um sonho e mal acreditei quando passei na audição para a segunda companhia do Balé”, conta em entrevista durante as férias em Salvador.

Aprendizagem

A partir daí tudo deslanchou na vida do garoto, hoje com 29 anos e integrante da Cedar Lake Contemporary Ballet, de Nova Iorque, conhecida e respeitada mundialmente pelo seu trabalho inovador em arte contemporânea.

Não demorou para Joaquim, filho da camareira aposentada do Teatro Castro Alves, Elizete Sofia e do jornalista Agnaldo de Santana (falecido), fazer parte da primeira companhia do Balé Folclórico da Bahia.

Foi lá que, durante três anos, teve acesso a técnicas de dança do balé clássico, moderno, contemporâneo e afro-brasileiro e a oportunidade de participar de turnês nacionais e internacionais, fonte de grande aprendizado.

Aos 17 anos, aceitando os conselhos de Zebrinha, procurou sair do Brasil. Graças ao seu talento e à interferência de seu mestre, foi aceito pela Hogeschool voor de Kunsten Arnhem (ARTEZ), um dos mais respeitados conservatórios de arte e dança da Holanda, onde Zebrinha estudou.

Grandes coreógrafos

Ainda na instituição, Joaquim faz estágio na Introdanz, tendo contato com grandes coreógrafos como Williams Forsythe e Hans van Manner. “Foi uma época de grande aprendizado”, lembra o bailarino, que treina oito horas por dia para manter a forma.

Recém-formado, em 2005 muda para o Scapino Ballet Rotter, também na Holanda, onde trabalha intensamente, até que em 2008 resolve encarar mais um desafio e acaba integrando o Cullberg Ballet, uma das mais respeitadas companhias de dança contemporânea do mundo, localizada em Estocolmo, na Suécia.

Joaquim diz que desde que começou a dançar tinha o sonho de morar em Nova Iorque. Mas só em 2011 ele se realizou, quando foi convidado para trabalhar na Cedar Lake Contemporaray Ballet, fundada em 2003. “Adoro a cidade. Não existe outro lugar que eu gostaria de viver a não ser lá. Nunca criei raízes, mas agora não penso em mudar. Mas tinha que passar por algumas experiências antes de chegar a Nova Iorque”, complementa.

Outro olhar

Nos 12 anos que ficou fora do Brasil, Joaquim, que fala quatro línguas (inglês, holandês, espanhol e francês) não esqueceu de suas raízes. Mas quando voltou, se assustou com a disseminação das drogas.

“Me assustei ao ver alguns amigos se acabando. Na Holanda, por exemplo, a maconha é liberada, mas o índice de criminalidade é baixíssimo”, diz. Também opina que, se a educação formal melhorou, com a abertura de maior número de universidades e cotas para negros, a educação doméstica piorou. “Sinto falta de mais respeito as mais velhos. Aliás, mais respeito com as pessoas”, afirma.

Trato com o “diabo” Zebrinha

O bailarino, que viveu sempre no meio de muitas mulheres – dos oito irmãos, cinco são do sexo feminino: mãe, avó e tias -, acredita que ” a convivência com mulheres faz com que as pessoas tenham mais humanidade, mais respeito (palavra que está constantemente em seu discurso), mais o senso de proteção, mais dignidade”, diz .

Não é à toa que carrega uma corrente no peito com a divindade Ayrá, da família de Xangô, orixá do culto afro, que aprendeu a respeitar com a sua família. Gratidão e amor ao mestre Zebrinha e ao Balé Folclórico, ele carrega para toda a vida. “No início tinha medo dele (Zebrinha), com aqueles olhos vermelhos, mas ele me ajudou e me orienta muito”, afirma.

Zebrinha diz que, quando Joaquim chegou no balé, era um menino magro. “Mas logo percebi o talento e perguntei três vezes: Você quer mesmo dançar? Ele concordou e eu disse: Então você está fazendo um trato com o diabo (alusão a ele mesmo, que, no mundo da dança é reconhecido por exigir muito, ‘tirar’ a alma do bailarino, como Satã). A partir daí, fiz o projeto para ele estudar fora. Ele foi para a Holanda, nunca recebi uma crítica negativa. É hoje é a grande estrela da dança”, finaliza.

Fonte: Atarde

+ sobre o tema

Itália: Documentário angolano em destaque no festival de cinema de Florençe

Florence - A obra cinematográfica angolana "Hereros de Angola",...

Cantor Wyclef Jean oficializa candidatura à Presidência do Haiti

O cantor de hip hop Wyclef Jean, ex-membro da...

Spielberg produzirá filme sobre Martin Luther King

LOS ANGELES - O estúdio DreamWorks, de Steven Spielberg,...

para lembrar

Morre o primeiro técnico negro a ganhar um título de basquete na Liga Universitária dos EUA

John Thompson foi uma figura lendária no basquete universitário...

Lellêzinha diz pedir as bênçãos de Michael para encarnar Jackson Five com Dream Team do Passinho

É “rabiscando no passinho e quebrando de ladinho” que...

Tutancâmon morreu de malária combinada com infecção óssea

O jovem e lendário faraó Tutancâmon, que teria morrido...

Contra a ditadura da chapinha, modelos aderem ao cabelo afro

Contra a ditadura da chapinha, modelos aderem ao cabelo...
spot_imgspot_img

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Estou aposentada, diz Rihanna em frase estampada na camiseta

"Estou aposentada", é a frase estampada na camiseta azul que Rihanna, 36, vestia na última quinta-feira (6), em Nova York. Pode ter sido uma brincadeira, mas...
-+=