Bancada feminina comemora sanção de lei que institucionaliza Ligue 180

Serviço que atende e orienta brasileiras em situação de violência passará a ser operado diretamente pelo Executivo e, em consequência, à Secretaria de Políticas para as Mulheres.

A institucionalização do Ligue 180 como um serviço operado pelo governo federal foi comemorada pela bancada feminina no Congresso e por defensores dos direitos das mulheres. A demanda foi aprovada pela Câmara e o Senado a partir de projeto de lei da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito de Combate à Violência contra a Mulher e sancionada, nesta quarta-feira (3), pela presidente Dilma Rousseff (Lei 13.025/14).

O Ligue 180 funciona desde 2005, mas antes era vinculado às Delegacias de Atendimento Especializado às Mulheres (Deams) ou às Delegacias da Polícia Civil. Ao passar a operação do serviço ao Executivo e, em consequência, à Secretaria de Políticas para as Mulheres, a nova lei garante mais estabilidade ao 180, na avaliação da presidente da CPMI e coordenadora da bancada feminina, deputada Jô Moraes (PCdoB-MG).

“O importante neste processo de construção de políticas públicas para as mulheres foi, após a aprovação da Lei 11.340/06, conhecida como Lei Maria da Penha, ter se estabelecido definições de iniciativas que ajudam as mulheres a fazer sua denúncia, a buscar autoridades, tomar iniciativas que a tirem da situação de violência”, destaca.

Para a assessora técnica Centro Feminista de Estudos e Assessoria (Cfemea), Leila Rebouças, a institucionalização do 180 é mais uma garantia de efetivação das denúncias. “O 180 garante um atendimento imediato às mulheres. Por ele, elas podem saber onde recorrer, onde estão os serviços mais próximos à sua residência. Agora também, com a sanção da lei, a própria Secretaria de Políticas para as Mulheres pode fazer o encaminhamento, a solicitação do atendimento dessas mulheres nas secretarias de segurança pública e justiça.”

Dados
Segundo Leila Rebouças, a importância do Ligue 180 também está nos dados reunidos pela central. Ainda assim, a técnica defende a necessidade de um sistema nacional de informações sobre violência contra a mulher, que possa dar um suporte mais abrangente às políticas públicas voltadas ao setor.

Em 2013, o Ligue 180 recebeu mais de 530 mil registros, totalizando quase 3,6 milhões de ligações desde a criação do serviço, em 2005. De acordo com a Secretaria de Políticas para as Mulheres, a violência física representa 54% dos casos e a psicológica, 30%.

Fonte: Camara

+ sobre o tema

Cinco artistas negras e indígenas pensam o amanhã em residência artística

Para pensar em um amanhã possível nas artes a Refazenda...

As Vênus negras

Em livro, pesquisadora da Universidade Federal da Paraíba disseca...

Obama responde carta de menina que sofre bullying na escola por ter pais gays

Filha de um casal gay, Sophia Bailey Klugh escreveu...

para lembrar

A desigualdade e o racismo em degradê

    “Operários”, de Tarsila do Amaral: proposta de sociólogo de...

Bahia lidera ranking de assassinatos de homossexuais

Campeã de crimes homofóbicos por seis anos consecutivos, a...

Empresária é morta na frente do filho de 7 anos, cunhado acusa ex-marido

Ela chegou a ser levada ao Hospital Getúlio Vargas,...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=