Bank of America vai indenizar 200 mil negros e hispânicos por racismo

O acordo obedece às acusações de que a Countrywide, uma divisão do Bank of America, teria discriminado mais de 200 mil clientes por serem negros e hispânicos no momento de conceder empréstimos

O Bank of America, um dos principais bancos dos Estados Unidos, concordou em estabelecer um fundo de US$ 335 milhões para indenizar vítimas de práticas “discriminatórias” na concessão de empréstimos hipotecários, informou nesta quarta-feira o Departamento de Justiça americano.

Durante uma entrevista coletiva, os secretários Eric Holder (Justiça) e Shaun Donovan (Habitação) dos EUA, indicaram que este é o maior acordo da história na área de empréstimos hipotecários residenciais.

O acordo obedece às acusações de que a Countrywide, uma divisão do Bank of America, teria discriminado mais de 200 mil clientes por serem negros e hispânicos no momento de conceder empréstimos.

“O acordo fornece US$ 355 milhões para ressarcir as vítimas da discriminação por parte da Countrywide durante o período em que a Countrywide era uma das principais instituições de empréstimos hipotecários da nação e gerou mais de 4 milhões de empréstimos hipotecários residenciais”, disse Holder.

As autoridades acusam o banco de ter praticado, entre 2004 e 2008, um “amplo padrão ou prática de discriminação” de clientes negros e hispânicos que solicitavam empréstimos hipotecários, aos quais cobrava mais juros devido a sua origem racial ou étnica.

Holder assinalou que, durante uma investigação realizada antes de o Bank of America adquirir Countrywide em 2008, o Departamento de Justiça descobriu práticas de discriminação em mais de 180 áreas geográficas em 41 estados e no Distrito de Columbia, sede da capital americana.

Essas práticas de discriminação também incluíram extensas violações das leis federais que regem os setores imobiliário e de concessão de crédito.

Segundo as autoridades, mesmo em alguns casos quando os clientes cumpriam os requisitos para receber os empréstimos com as condições mais favoráveis, o banco lhes outorgava créditos de juros elevados.

O Bank of America comprou a Countrywide em 2008, durante a crise financeira. A empresa é especializada em hipotecas com juros altos para clientes com histórico de crédito ruim. 

Fonte: Epoca

+ sobre o tema

Brancos, vamos falar de cotas no serviço público?

Em junho expira o prazo da lei de cotas nos...

Em junho, Djavan fará sua estreia na Praia de Copacabana em show gratuito

O projeto TIM Music Rio, um dos mais conhecidos...

O precário e o próspero nas políticas sociais que alcançam a população negra

Começo a escrever enquanto espero o início do quarto...

Estado Brasileiro implementa políticas raciais há muito tempo

Neste momento, está em tramitação no Senado Federal o...

para lembrar

Carta de repúdio ao racismo praticado na formatura de História e Geografia da PUC

Durante a tradicional cerimônia de formatura da PUC, onde...

PARANÁ: Caso de racismo leva treinador a pedir demissão no estadual

  O treinador Agenor Picinin pediu demissão do...

‘Prefiro que a loira me atenda’, diz cliente a atendente negra em restaurante

Após ser atendida pela funcionária branca e de cabelos...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=