Banqueiros, talebans e o Haiti

Fundamentalistas da banca ameaçam sucesso da gestão Barack Obama mais do que a guerra no Afeganistão

Clovis Rossi
A GUERRA que verdadeiramente poderá arruinar a administração Barack Obama não é a do Afeganistão, mas aquela que Vinicius Torres Freire batizou, com a habitual competência, de “guerra contra a banca”, em sua coluna de ontem nesta Folha.

O Afeganistão é remoto demais. Qualquer desfecho acabará sendo absorvido, salvo um improvável desenlace tipo Vietnã.
Já na guerra contra a banca, Obama enfrenta um grupo de talebans muito mais fundamentalista e muito mais bem armado para afetar a parte mais sensível do corpo humano (o bolso) e para fazê-lo cotidianamente.

Do extremismo dos gatos gordos da banca e de sua insuperável desfaçatez, diz tudo a tentativa em curso de convencer o mundo de que o tsunami financeiro que varreu o planeta a partir de 2007 é igual ao terremoto do Haiti: nada mais que um fenômeno natural.
É o que fez, entre outros, Lloyd Blankfein (Goldman Sachs), em depoimento ao Congresso dos EUA, durante o qual comparou a crise financeira a um furacão que ninguém poderia ter previsto.

De fato, não foi prevista por nenhum dos economistas-chefes das grandes instituições financeiras, inclusive as brasileiras, incapazes de enxergar um milímetro à frente enquanto se armava a crise. Agora que ela amainou, voltam à arrogância habitual, arrotando caviar depois de comer apenas mortadela.
A estes, vale o conselho de Paul Krugman na sua mais recente coluna, ele que é Nobel de Economia, ao contrário de seus arrogantes colegas do sistema financeiro: “Agora que o Congresso e o governo estão tratando de reformar o sistema financeiro, deveriam ignorar os conselhos provenientes dos supostos sábios de Wall Street, que não tem nenhuma sabedoria a oferecer”. Acrescento eu: nem de Wall Street nem da avenida Paulista.
Aos banqueiros, vale a observação de Phil Angelides, presidente da comissão do Congresso que os ouvia: “A crise financeira não foi um ato divino; foi consequência de atos de homens e mulheres”.

Tais atos levaram até os executivos-chefes de 50 países, em pesquisa a que a Folha teve acesso, a afirmar que foi a indústria financeira a que sofreu a maior erosão em credibilidade junto ao público, seguida pelo ramo de seguros, parente próximo.
Mas é justo culpar também os bancos centrais, que deixaram um imenso buraco negro na regulação do sistema, o que permitiu aos gatos gordos da banca fazer uma farra de dimensões épicas que só poderia mesmo terminar em uma crise avassaladora.
Volto a Krugman: “Antes ou depois, esse sistema sem freios estava destinado a estourar. E, se não fizermos mudanças fundamentais, voltará a repetir-se”.

O que Obama está tentando fazer agora é uma parte das “mudanças fundamentais” a que se refere Krugman. Os gatos gordos reagirão, já estão reagindo, aliás, como mostram os movimentos nas bolsas e no câmbio. É uma reação silenciosa, ao contrário do ruído dos atentados fundamentalistas, mas o perigo é muito maior para Obama -e para todos, como ficou evidente na crise de 2007/2009.

Fonte: Folha de São Paulo

+ sobre o tema

Lewandowski apresentará normas para uso de câmeras corporais por policiais

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Ricardo...

Defensoria Pública de SP recorre ao STF contra flexibilização nas câmeras corporais na PM

A Defensoria Pública do estado de São Paulo entrou...

Imposto de renda: como apoiar projetos sociais na sua declaração

Pouca gente sabe, mas parte do seu imposto de renda devido...

Brasil investe pouco em prevenção de desastres

Separada por duas ruas da margem do rio dos...

para lembrar

Pré-sal terá cota nacional de mão de obra

Por: SAMANTHA LIMA   Não bastassem a distância, a profundidade e...

“Rolezinho”: diálogo com ideias de Antonio Candido – Por: Max Gimenes

Direito à fantasia, acumulação sem limites e desigualdade. Como...

Venício Lima: Stuart Hall e os estudos de mídia

Seu enorme legado intelectual deve ser celebrado embora, nos...

Massacre que marcou a luta contra o Apartheid faz 50 anos

Hoje com 69 anos, o aposentado Nehemiah Tsoane era...

Ações para a cidadania

Testemunhamos casos de guerras, violências, feminicídios e racismo diariamente. Em quase todos eles, inúmeras vozes nas redes sociais prontamente assumem posicionamentos com verdades absolutas...

Entidades de segurança pública e direitos humanos dizem que novo edital precariza programa de câmeras da PM em SP

Entidades da sociedade civil ligadas à segurança pública manifestaram preocupação com o novo edital para contratação de 12 mil câmeras corporais para a Polícia...

Convenção da extrema direita espanhola é alerta para o Brasil

"Manter o ideal racial de um continente branco de famílias cristãs e heterossexuais" foi marca de destaque da convenção do Vox - Viva 24,...
-+=