‘Barreiras ainda regem o mercado’ , diz autor de livro de fala sobre trajetória de alunos negros da PUC

Reinaldo da Silva Guimarães, autor do livro “Afrocidadanização: ações afirmativas e trajetórias de vida no Rio”, afirma que as barreiras do preconceito ainda regem o mercado de trabalho. Em entrevista ao GLOBO, ele contou que seu o livro, que conta a história de 14 jovens estudantes negros da PUC-Rio para se formar e ingressar no mercado de trabalho, fala de sua própria realidade.

Seu livro também é parte da sua trajetória de vida?

Sim. Nasci na comunidade de Palmeiras, uma área muito pobre de Niterói. Morávamos num barraco, em situação muito precária. Quando o meu pai morreu, eu tinha apenas 13 anos. Comecei a trabalhar muito cedo para ajudar nas despesas da minha casa. Trabalhei um bom tempo como catador de resistência de aparelhos de TV, numa loja que vendia e consertava televisão. Fui ainda boy, auxiliar de escritório e exerci outras atividades, até conseguir, em 1993, emprego como auxiliar de biblioteca na PUC. Nunca deixei de estudar, e sempre em escola pública. É a trajetória de um negro de origem pobre que conseguiu fazer pós-graduação numa universidade importante do Rio, a PUC.

O que seria afrocidadanização que você defende no livro?

Lçto-afrocidadanização-1

A afrocidadanização é uma concepção de cidadania plena, um conjunto de medidas que ajuda a inserir o negro na sociedade de maneira plena. Ou seja, ele vai para a universidade, vai para o mercado de trabalho, tem capacidade e oportunidade de ocupar posições superiores como qualquer cidadão. A afrocidadanização é a inexistência de barreiras para que esse negro historicamente subalterno deixe de sê-lo. Vivemos esse momento no Brasil, mas barreiras ainda regem o mercado de trabalho. Por exemplo, eu fiz a graduação e o mestrado, mas continuei como funcionário da biblioteca da PUC. Só após o doutorado consegui ser professor universitário

 

Cotas para negros

Cotas: 62% dos brasileiros aprovam

Elio Gaspari: As cotas desmentiram as urucubacas

Por que as cotas raciais deram certo no Brasil

Valmir Assunção: Adoção de cotas não provocou apocalipse

 

Fonte: Paraiba

 

+ sobre o tema

Programa “Maus Médicos”: em São Paulo, eles entram, batem o ponto e vão embora

  O repórter Fábio Brilhante, do SBT, e sua...

Maternidade obrigatória, paternidade facultativa

Ainda hoje, muita gente insiste que não precisamos do...

Janine dá aula de ética a Lobão Filho

"A corrupção, como insistimos alguns há muitos anos,...

Médicos estrangeiros começam a trabalhar no Brasil em setembro

Em setembro médicos estrangeiros começam a trabalhar nas cidades...

para lembrar

Projetos de promoção da igualdade racial nos estados terão apoio da SEPPIR

Nessa etapa, serão priorizados os estados que ainda não...

Das 3.782 terras quilombolas do país, só 193 foram tituladas

Das 3.782 terras quilombolas do país, só 193...

Dia 20 de novembro é o Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra

Algumas cidades brasileiras decretaram feriado nesta data O...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=