Barry Jenkins relembra caso de racismo que sofreu durante a divulgação de Moonlight

O próximo filme de Barry Jenkins, If Beale Street Could Talk, estreou no Toronto International Film Festival na noite de domingo (9). Durante uma sessão de perguntas e respostas após a exibição, Jenkins relembrou quando um motorista racista o chamou de nigger (crioulo/nego).

Por Ana Reis Do Papel Pop

Foto: Reprodução/papel pop

De acordo com Vulture, alguém na multidão perguntou ao diretor se havia um momento durante a produção de seu novo filme, em que tudo fez sentido para ele. Ele respondeu com uma afirmação positiva e apontou uma cena em que o personagem de Brian Tyree Henry sai da prisão por um crime que não cometeu e, enquanto conversa com seu amigo, fala sobre como a polícia o incriminou por um roubo de carro sendo que ele nem sabe dirigir e o modo como os homens brancos tratam os homens negros na prisão. “Senti profundamente que este filme, embora tenha sido ambientado em 1973/74, seria relevante hoje”, disse ele.

Para sustentar seu ponto, ele contou uma história pessoal sobre o racismo que experimentou ao promover Moonlight. Ele estava deixando o Governor Awards para a festa da Academia uma noite e esperando por seu carro. Como era difícil entrar e sair do hotel onde tava acontecendo o evento, seu motorista foi forçado a circular. De acordo com a revista, Jenkins continuou:

“Eu saio e um manobrista [que estava lá] fica chocado. Eu digo: ‘O que está acontecendo?’ Ele diz: ‘Ah, você não deveria entrar no carro com aquele cara’. Eu fico tipo ‘Por quê?’ Ele responde: “Ah, porque quando eu estava aqui antes, ele parecia todo agitado, e eu perguntei a ele ‘O que há de errado?’. Ele disse que ‘Ah, você sabe, nada, eu só estou sentado aqui esperando para pegar esse crioulo.’ E então ele sorriu e disse: ‘Ah, e ele provavelmente será indicado para Melhor Diretor’”

Jenkins disse que, se um incidente racista como esse pode acontecer com ele, enquanto vestindo um terno de US$ 5.000, isso pode acontecer com qualquer um. “Então, quando chegamos a essa cena [de racismo em If Beale Street Could Talk] eu estava tipo, isso é foda. É isso. Tudo o que estamos fazendo. Sim”, ele diz, concluindo com: “Temos que contar essas malditas histórias”.

+ sobre o tema

RS: homem pega 13 anos de prisão por matar outro por racismo

Fonte: Terra Notícias -   O trabalhador...

Taís Araújo agradece apoio após ofensas racistas: ‘Vocês me emocionaram’

Taís Araújo agradeceu o apoio de amigos e fãs,...

Prendam esta mulher, por Juca Kfouri

Esta figura, com a mão na boca,  xingou o...

para lembrar

Diálogo: O Estereótipo do Suspeito

WAPI Brasil Convida à todas e todos à participarem  ...

Negros e os direitos humanos

Consequências da escravidão Refletir sobre o racismo no Brasil é...
spot_imgspot_img

Família de João Pedro protesta contra decisão que absolveu policiais

Os parentes do adolescente João Pedro, morto por policiais civis durante uma operação na comunidade do Salgueiro, em São Gonçalo, no Grande Rio, em...

Não há extrema direita moderada

O que faz de nós brasileiros é a implacável capacidade de banalizar barbaridades. O esporte nacional neste país é justificar com voz mansa e...

Ronilso Pacheco: Ninguém está seguro no Rio de Janeiro se é negro

A fala do governador Cláudio Castro (PL) em defesa de policiais que apontaram uma arma para três jovens filhos de diplomatas em Ipanema, região...
-+=