BENTO GONÇALVES: Câmara celebra Dia da Consciência Negra com entrega do Troféu Zumbi dos Palmares

Fonte: Bete Gonçalves

 

A Câmara Municipal realizou, na noite desta quinta-feira (12), sessão solene em celebração ao Dia da Consciência Negra. A solenidade foi marcada pela presença de representantes de terreiros de candomblé em Vitória da Conquista e grupos de capoeira, que fizeram uma apresentação especial no hall do plenário Vereadora Carmem Lúcia.

O vereador Beto Gonçalves (PV) fez um resgate histórico do movimento negro em Vitória da Conquista, citando pessoas como Graça e Azul, coordenadores do bloco afro conquistense ogum xorokê. O parlamentar comemorou a presença de mães e filhos de santo na sessão solene e agradeceu a todos qu ajudaram a organizar a sessão que celebrou o Dia da Consciência Negra.

 

João Borges, que representou o Conselho das Associações Quilombolas de Conquista, cobrou a execução de projetos que prestem assistência às comunidades quilombolas e condenou toda e qualquer discriminação racial. Borges afirmou que o poder público não pode ser omisso diante do desrespeito aos direitos de descendentes quilombolas. “Tem gente que diz que em Vitória da Conquista não existem negros. Infelizmente isto é fruto de uma segregação racial”, disse.

 

Discriminação racial – Já o Pe. José Carlos Conceição, assessor da Pastoral Afro da diocese de Conquista, salientou que a celebração do Dia da Consciência Negra na Câmara é fruto da luta do movimento negro no município. O Pe. José Carlos lamentou episódios de discriminação na própria Câmara, em legislaturas passadas. “O negro, desde a chegada ao Brasil, enfrenta situações de discriminação”, declarou. O padre salientou a importância de Zumbi dos Palmares no processo do fim da escravidão no Brasil. “Viemos aqui celebrar a história do nosso rei Zumbi”, disse.

 

A professora doutora Graziela Novato, também lamentou episódios racistas presenciados na Câmara em legislaturas passadas. Ressaltou que a luta pela igualdade social não é recente, pois grupos negros há muito tempo discutem a importância do negro em Vitória da Conquista. “Os negros no Brasil sempre foram motivo de polêmica no Brasil”, declarou.

 

Novato lamentou o número reduzido de negros nas universidades brasileiras e a ausência de políticas públicas que recuperem aquilo que foi tirado dos negros durante séculos de escravidão. “Perdemos os nossos nomes e sobrenomes africanos, que precisam ser recuperados, como parte de nossa história”, disse.

 

A Mameto de Inkissi Val Teixeira, que veio de Salvador para participar da sessão solene, afirmou que mais importante do que celebrar o Dia da Consciência Negra, é entender que os direitos dos negros devem ser observados durante todo o ano. Teixeira cobrou uma postura coerente dos vereadores em defender os direitos dos negros no âmbito municipal.

 

“Ter consciência negra não é fazer sessões especiais, mas respeitar o negro, oferecendo emprego, saúde, educação e moradia digna”, declarou.

A Mameto de Inkissi também destacou o direito dos negros exercerem a religião candomblecista sem medo de sofrerem algum tipo de discriminação.

 

Cultura yorubá – Presença ilustre na sessão solene, o nigeriano Olúségun Akínrúlí, professor de cultura e lingua yorubá, ressaltou a necessidade de reconhecer e respeitar a cultura dos negros, expressa através da dança e religião. Akínrúlí destacou que a cultura africana faz parte da formação do povo brasileiro.

 

As influências yorubá e bantu no Brasil foram destaque no discurso do professor, que, falando especialmente aos negros, ressaltou a importância do resgate da história dos negros no Brasil. A preservação histórica do povo negro, segundo Akínrúlí, tem no candomblé sua preservação e consolidação. “As informações sobre as origens do povo negro estão no candomblé. Precisamos conhecer nossas origens”, disse.

O secretário Municipal de Governo, Edwaldo Alves, que representou o prefeito Guilherme Menezes, afirmou que o Dia da Consciência Negra é a data mais importante comemorada no Brasil, pois celebra o assassinato de Zumbi dos Palmares, mártir da libertação dos negros brasileiros.

 

Alves fez um resgate histórico do movimento negro no Brasil e defendeu a igualdade social e racial no país. “Me envergonho porque o Brasil foi o último país a se livrar da escravidão. É preciso fazer uma reforma agrária justa, que venha reparar erros históricos cometidos contra os negros”, afirmou.

 

Último a discursar na sessão, o deputado federal Luiz Alberto (PT) parabenizou a Câmara pela realização de uma sessão solene em celebração à consciência negra. O parlamentar ressaltou a importância do Estatuto da Igualdade Racial e da luta contra a discriminação racial. “O fim da escravidão no Brasil não correspondeu àquilo que Zumbi sonhou para o povo negro”, destacou.

 

“Não somos nem 5% dos universitários do Brasil”, lamentou, sugerindo que o Poder Legislativo conquistense aprove leis que assegurem direitos e conquistas dos negros no âmbito municipal. Alberto condenou a perseguição religiosa contra os adeptos ao candomblé. “Isto é um crime e precisa ser combatido”, disse.

Homenageados com Troféu Zumbi dos Palmares agradecem honraria

 

Na sessão solene desta quinta-feira (12), que celebrou o Dia da Consciência Negra, a Câmara concedeu o Troféu Zumbi dos Palmares a três personalidades que se destacaram na luta pela igualdade racial. O Troféu foi instituído pela Câmara por meio da Resolução 02/2008, de autoria do vereador Jean Fabrício (PCdoB) e entregue pela primeira vez na solenidade desta noite.

 

O primeiro homenageado foi o engenheiro agrônomo Marinaldo Carvalho dos Santos, que mora na Comunidade Quilombola do Velame. Santos milita no movimento negro desde 1999, participando ativamente da organização de Agentes de Pastoral Negros (APNs) e presta assessoria a comunidades remanescentes de quilombos. Diante da impossibilidade em comparecer na sessão, Santos foi representado por Robério Santos, que recebeu das mãos do vereador Arlindo Rebouças a homenagem.

“Este prêmio é de todas as comunidades quilombolas”, disse Robério.

 

 

A segunda homenageada da noite foi Neonília Soares Dias, mais conhecida como Dona Dezinha. Reconhecida líder espiritual no candomblé em Vitória da Conquista, a yalorixá veio para o município na década de 1970 e tem lutado contra a discriminação racial e intolerância religiosa. Dona Dezinha, que recebeu das mãos do vereador Jean Fabrício a homenagem, cantou uma música em homenagem a Ogum e agradeceu a honraria.

 

O último homenageado da noite, o deputado federal Luiz Alberto, também tem destacada luta na defesa dos direitos dos negros no Brasil. Desde 2000, é um dos representantes da Bahia na Câmara dos Deputados, onde criou o Núcleo de Parlamentares Negros do PT. O deputado recebeu a honraria das mãos do vereador Fernando Jacaré, líder do prefeito na Câmara.

 

“Agradeço à Câmara pela lembrança importante na luta pelo nosso povo”, disse Alberto.

 

Matéria Original:

+ sobre o tema

FEIRA PRETA

Encontro de cultura, cidadania, educação e economia solidária, a...

CEARÁ: IX Semana Paulo Freire

  A Semana Paulo Freire chega a sua nona edição...

ONU lança Ano Internacional para Afro-Descendentes

Em mensagem à Assembleia-Geral, Ban Ki-moon diz que o...

para lembrar

17 Inverdades Cruéis sobre o Candomblé

Crédito pela imagem: Roger Cipó 17 INVERDADES CRUÉIS disseminadas sobre o...

Estatuto da Igualdade Racial

COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A PROFERIR PARECER AO PROJETO...

CARTA ABERTA por Profa. Silvany Euclênio

Aos / às profissionais da Rede Municipal de Educação...

Petrônio Domingues – Movimento Negro Brasileiro:alguns apontamentos históricos

Petrônio Domingues∗∗A finalidade deste artigo é fazer alguns apontamentos...
spot_imgspot_img

Câmara aprova projeto que torna Dia da Consciência Negra feriado nacional; texto vai à sanção

Por 286 votos a favor e 121 contrários, a Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (29) um projeto de lei que declara o dia 20 de...

Profissionais negros reinventam suas carreiras na TV e avaliam a importância da discussão racial

No Dia da Consciência Negra, o gshow conversou com artistas que compartilham a jornada que é ser um profissional preto na teledramaturgia. Entre eles, atores, atrizes e...

“Quanto mais diversos formos, melhores seremos”

Uma das mais destacadas intelectuais em atividade no país, a historiadora e antropóloga Lilia Schwarcz, docente da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas...
-+=