Biblioteca Leonel Brizola abriga exposição sobre Cultura Africana

Será aberta hoje, na Biblioteca Pública Governador Leonel Brizola, em Duque de Caxias, a exposição “África-Brasil, Ancestralidade e Expressões Contemporâneas”, promovida pelo IPEAFRO-Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros em parceria com a Secretaria de Cultura e Turismo.

Com fotografias, pinturas, cartazes, esculturas, livros e revistas, a mostra retrata a cultura africana e também homenageia o pintor, escritor, poeta e um dos mais destacados defensores da defesa da cultura e igualdade para as populações afrodescendentes no Brasil, Abdias Nascimento, que faleceu em maio aos 97 anos. Fundador do Teatro Experimental do Negro em 1944 e detentor de vários prêmios, ele foi Professor Emérito da Universidade do Estado de Nova York e Doutor Honoris Causa pelas Universidades de Brasília, Federal e Estadual da Bahia, Estado do Rio de Janeiro, e Obafemi Awolowo da Nigéria. A exposição tem como curadora Elisa Larkin Nacimento, presidente do IPEAFRO, entidade fundada por Abdias em 1981. A exposição ficará em cartaz até 9 de dezembro, de segunda a sexta-feira, das 9h à 17h, com entrada franca. Grupos ou escolas que desejarem, poderão fazer agendamento no IPEAFRO, através do telefone 2509-2176.

Antes de ser aberta ao público, a exposição recebeu no dia 27, os participantes do Fórum de Educação Afirmativa Sankofa, realizada pelo IPEAFRO em parceria com as Secretarias de Cultura e Turismo (SMCT) e de Educação (SME), entre os dias 24 e 27, com oficinas, exibição de vídeo e atividades no auditório da SME. A apresentação foi feita pelo Secretário de Cultura e Turismo Gutemberg Cardoso, que representou o prefeito José Camilo Zito, e pela presidente do IPEAFRO, Elisa Larkin Nascimento, e contou coma participação do músico Hélio Ventura. A solenidade serviu também como encerramento oficial do Fórum.

Em seu discurso, Gutemberg Cardoso enalteceu Abdias Nascimento, “a quem podemos chamar de herói brasileiro, assim como Zumbi dos Palmares e Solano Trindade, que se destacaram por suas lutas contra a segregação e a opressão, enfrentando as elites dominantes”. Elisa Larkin presenteou a Biblioteca Leonel Brizola com alguns títulos de Abdias Nascimento, além de um kit do IPEAFRO ao prefeito Zito, recebido por Gutemberg. Elisa recebeu das mãos do presidente do Conselho Municipal de Defesa dos Direitos do Negro (COMDEDINEPIR), José Zumba da Silva, uma Moção “in memoriam” a Abdias Nacimento, concedido pela entidade e a Secretaria de Cultura e Turismo, além um buquê de flores entregue por Maria Chocolate, também representante da comunidade negra do município.

Estiveram presentes ainda o vice-presidente do Conselho Municipal de Defesa dos Direitos do Negro (COMDEDINEPIR), Jairo Célio da Cruz; o membro do Conselho de Defesa dos Direitos do Negro do município do Rio deJaneiro, Mário Leopoldo; os designers Afonso Drumond e Luiz Carlos Gá; o ceramista Agenor Nune; além de membros da Secretaria de Cultura, intelectuais e representantes de várias entidades.

 

 

 

Fonte: Diário Democratico

+ sobre o tema

Maternidade obrigatória, paternidade facultativa

Ainda hoje, muita gente insiste que não precisamos do...

Janine dá aula de ética a Lobão Filho

"A corrupção, como insistimos alguns há muitos anos,...

Médicos estrangeiros começam a trabalhar no Brasil em setembro

Em setembro médicos estrangeiros começam a trabalhar nas cidades...

Letra machista de Emicida levanta polêmica

Trepadeira, do novo álbum do rapper, diz que mulher...

para lembrar

‘1,17 milhão de quilombolas vivem no limite da miserabilidade’

A ministra da Secretaria Nacional de Políticas de...

Mês da Consciência Negra agita Embu das Artes

Em Embu das Artes, o Mês da Consciência...

Luiza Bairros diz que evangélicos querem acabar com religiões africanas

A ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=