BNegão: “O preconceito é fruto do primitivismo, da não-evolução humana”

Bernardo Santos, o BNegão, tem história. Ele foi do underground com JulieteMissed in Action e The Funk Fuckers ao mainstream com Planet Hemp. Hoje, à frente do projeto BNegão e os Seletores de Frequência, ele é inspiração para novos artistas como o grupo baiana BaianaSystem, que vem se consolidando como fenômeno de 2016, apesar de ter uma longa estrada.

Por Fabiano Alcântara do Vírgula

O ícone da nova música brasileira volta a São Paulo para dois shows da turnê do seu terceiro álbum, a pedrada TransmutAção, lançado em 2015 e presente em várias listas de melhores do ano. Nós trocamos ideia com o MC de 43 anos sobre a cena da nova música brasileira, racismo, preconceito, entre outros assuntos. O MC lançou dicas quentíssimas: o já citado BaianaSystem, que vale mesmo a audição e o hype, e ainda Sacal & Pumpkilla, A.MA.SSA, o coletivo Moustrack, Ogi, ÀTTØØXXÁ.

Uma série de novos artistas negros tem surgido: Aláfia, Liniker, BaianaSystem, Negro Léo, Rico Dalasam, Tássia Reis, sente que abriu espaço para a galera que chegou depois e que a temática da negritude voltou a estar “na moda”?
BNegão – Na minha opinião, artistas negros estão nas cabeças desde que eu me entendo por gente; não me lembro de uma época na música moderna, desde que eu estou nesse mundo, que não tenha sido assim. Eu sou segmento dessa galera que veio antes de mim, e os novos são o nosso segmento… isso é um movimento natural.

Pra mim, o “xis” da questão, o que se busca, é que os destaques e caminhadas vencedoras em sua maioria não fiquem apenas restritos aos clássicos terrenos da música e do futebol, como é de praxe.

Que acha que esteja acontecendo de mais novo na música hoje?
BNegão – A cena musical da Bahia, com o próprio BaianaSystem, a Orquestra Rumpillez e a galera do Bahia Bass, entre outros. Criatividade absoluta e talento à serviço da música popular.

Fora desse circuito, mas completamente respeitado por ele, tem o Metá Metá, que parece coisa de outro mundo, mas é desse.

Que artistas novos mais gosta e indica?
BNegão – Os supracitados BaianaSystem, Sacal & Pumpkilla, A.MA.SSA, o coletivo Moustrack, Ogi, ÀTTØØXXÁ. Tem muita gente boa, mesmo. Na minha opinião, aliás, vivemos um dos melhores momentos das últimas décadas, musicalmente falando. Só não vê/ouve quem não quer e/ou aceita ser um zumbi das rádios FMS por aí…

Recentemente, Spike Lee e outras personalidades negras anunciaram boicote ao Oscar. Crê que se o cinema, a TV e a publicidade tivessem maior presença negra, o preconceito diminuiria?
BNegão – Não sei… o preconceito, pra mim, é uma questão bem mais profunda que isso. Acho que ele representa a total incapacidade de conviver com as diferenças. O sujeito é tão egocêntrico, tão apegado ao ego dele, que simplesmente não suporta a existência de algo diferente dele. Isso serve pra tudo, para todas as raças e em todas as áreas da vida. O preconceito é fruto do primitivismo, da não-evolução humana.

Qual considera sua missão musical?
BNegão – Minha missão é realizar alquimias sonoras que façam alguma diferença mínima no panorama geral, somado com a realização de encontros que fujam do comum e do óbvio. Junto à isso, a vontade eterna de provocar reflexão e mudança nos seres que tomam contato com as músicas que faço. Tenho muitas coisas à realizar e concretizar, nesses campos, mas também muita coisa à aprender. Aprendizado, sempre. A vida é uma troca.

SERVIÇO

BNegão & Seletores de Frequência: 12 e 13 de fevereiro – São Paulo
SESC Pompeia
Local: choperia
Endereço: Rua Clélia, 93 – Barra Funda
Horário: 21h30
Ingressos: Entre R$ 9 e R$ 30
Classificação: 18 anos.
Site: www.bnsf.com.br
Youtube: https://www.youtube.com/user/bnegaoeseletores
Facebook: https://www.facebook.com/bnegaoseletores
Twitter: https://twitter.com/BNegaoOficial
Instagram: @bnegaoeseletoresdefrequencia

+ sobre o tema

Emblemático, caso Rafael Braga não choca o Brasil

Desde junho de 2013, época em que eclodiram manifestações...

Exclusão social do negro não pode ser ignorada no Brasil

Nesta edição do “Diversidade em Ciência”, Rosângela Malachias fala...

MP investiga servidora suspeita de fraudar o sistema de cotas em concurso

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) investiga o...

Federação Israelita vai pedir que MP investigue casos de racismo e anti-semitismo no RS

Supostos crimes ocorreram durante o conflito na Faixa de...

para lembrar

Professora acusa homem de estupro dentro de cinema de shopping em SP

Mulher de 35 anos alega que agressor tocou 'suas...

ONU e a luta contra a discriminação racial

Movimentos extremistas racistas baseados em ideologias que buscam promover...

Jacarezinho: MP decide arquivar 4 inquéritos sobre 5 das 28 mortes

O Ministério Público pediu nesta quinta-feira (10) o arquivamento de...

Rebele-se contra o racismo

Para o artista visual Yosh José  o Carnaval de...
spot_imgspot_img

Como é a vida para as mulheres no último país da África sob colonização

Ainda hoje há um país africano colonizado. O Saara Ocidental está ocupado pelo Marrocos desde 1976, depois de quase 90 anos de invasão espanhola, e esteve em guerra...

Revolucionário, mas não é para todos

Passei os últimos dias pensando no significado e na profundidade de uma postagem que li numa rede social contendo a afirmação: "Descansar é revolucionário!"....

‘Nossa missão é racializar as políticas públicas em todo país’

Nomeado recentemente  como novo secretário de gestão do Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), o jornalista baiano Yuri Silva tem uma tarefa...
-+=