Brasil cai 9 posições em ranking de igualdade de gênero

O país aparece na 71ª colocação; a Islândia ocupa o topo do ranking

O Brasil caiu nove posições em um ranking de igualdade de gênero divulgado pelo “Fórum Econômico Mundial”, grupo conhecido pelas reuniões que realiza em Davos.

O país aparece agora na 71ª colocação na lista. Em 2013, ocupava a 62ª posição.

A organização avaliou as diferenças entre homens e mulheres na saúde, educação, economia e indicadores políticos em 142 países.

A Islândia ocupa o topo do ranking, seguida por outros países nórdicos.

Apesar de ter mantido a igualdade entre homens e mulheres nas áreas de saúde e educação, o Brasil perdeu posições nos índices que medem participação feminina na economia e na política.

A maior queda ocorreu na avaliação que considera salários, participação e liderança feminina no mercado de trabalho.

Neste índice, a pontuação do Brasil caiu de 0,656 para 0,649 – quanto maior perto de 1, maior a igualdade entre os gêneros. A nota zero indica desigualdade total.

O Brasil foi da 74ª para a 81ª posição nesta lista. Segundo o relatório, houve uma “ligeira queda na igualdade salarial e renda média estimada” para mulheres no Brasil.

Apesar de estar em uma colocação pior, a nota individual do Brasil evoluiu desde que o índice começou a ser divulgado. Em 2006, a nota do país era 0,604.

Política
Outro índice que fez o Brasil perdeu posições no ranking foi o de “empoderamento” político das mulheres. O quesito contabiliza mulheres no Congresso, em posições ministeriais e na chefia de Estado.

Neste índice, o Brasil perdeu colocações na comparação com outros países, apesar de ter melhorado sua nota individual.

A nota brasileira foi de 0,144 para 0,148. Porém, como outros países evoluíram mais, o país passou da 68ª para 74ª posição no ranking.

A curva de participação feminina na política brasileira mostra uma nítida ascensão desde a chegada da presidente Dilma Rousseff à Presidência, em 2011. Ela foi a primeira mulher a governar o país.

Em educação o Brasil atingiu a nota 1, o que significa que não há desigualdade entre homens e mulheres. A eliminação nas desigualdades na educação vem desde 2012. Na saúde, o país pontua 0,98 – o que o coloca em 1º lugar, empatado com outros países- desde o início da divulgação do ranking, em 2006.

O relatório destaca que o Brasil conseguiu fechar 70% da lacuna entre os gêneros.

“A queda do Brasil em nove colocações, ficando em 71º, aconteceu mesmo tendo fechado com sucesso ambas as lacunas entre gêneros no nível educacional e de saúde e sobrevivência. Sua prioridade agora deve ser de garantir retornos em seus investimentos através do aumento da participação feminina na área de trabalho”, diz o relatório.

Poucos avanços
As cinco primeiras posições do ranking são ocupadas por países nórdicos.

Em 6º lugar, aparece a Nicarágua, o país mais bem colocado da América Latina há três anos. Logo depois, em 7º, aparece Ruanda. Segundo o relatório, o país tem “grande pontuação em termos de participação econômica e política”.

Entre os países dos BRICS, a África do Sul é a mais bem colocada (18º), “devido à forte participação política”. Depois do Brasil aparecem Rússia (75º), China (87º) e Índia (114º).

O documento do Fórum Econômico Mundial destaca que os avanços em todo o mundo foram pequenos. A brecha entre homens e mulheres ainda está em 60%, e em 2006 era de 56%. Nesse ritmo, levará 81 anos para o mundo fechar essa brecha completamente.

Entre os dias 27 e 29 de outubro, a BBC promove o debate “100 Women”, que reúne 100 mulheres que tiveram destaque em suas áreas. O projeto traz uma séries de reportagens mostrando a vida de diferentes mulheres pelo mundo. Participe do debate no Facebook e no Twitter usando a hashtag #100Women.

Fonte: BBC Brasil

+ sobre o tema

“A USP é responsável pelas violações que ocorrem no campus”

Por Douglas Belchior no Negro Belchior As denúncias de abusos e violências ocorridos...

Mulheres pretas e pardas são as mais afetadas pela dengue no Brasil

Mulheres pretas e pardas são o grupo populacional com...

‘Preta, pobre e periférica, não imaginei estar numa galeria de arte’, diz artista

Jennifer Borges, 28, ou simplesmente J. Lo, nasceu e...

para lembrar

Cesárea forçada no Rio Grande do Sul gera discussão sobre direito das mulheres

Grupos denunciaram caso na Comissão de Direitos Humanos e...

União entre pessoas do mesmo sexo, tem nexo?

o casamento de negros com brancos já foi proibido...

Revoluções sexuais e novos desafios

Quem busca parceiros sexuais em aplicativos de celular tem...

Super-heróis trazem racismo e feminismo em suas HQs

Chegam às livrarias HQs que discutem temas como racismo,...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=