Brasil e EUA retomam plano contra discriminação étnico-racial

Primeira reunião bilateral de trabalho será em 23 de maio, em Brasília

Brasil e Estados Unidos (EUA) retomaram, nesta quarta-feira (3), o acordo de cooperação bilateral para Eliminar a Discriminação Racial e Étnica e Promover a Igualdade (Japer), nos dois países. 

O anúncio foi feito pela ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, e pela representante dos Estados Unidos na Organização das Nações Unidas (ONU), a embaixadora Linda Thomas-Greenfield, em entrevista coletiva, na Casa do Carnaval, em Salvador (BA).

A cidade foi escolhida por ser a capital do estado com a maior população negra do país. “Tem toda a representatividade. É um estado que merece respeito”, disse a ministra brasileira. A embaixadora norte-americana Thomas-Greenfield concordou.

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, em Salvador (BA). Foto: Emanuel Bulos photography

“Estamos aqui, em Salvador, o coração do Brasil negro, porque essa cidade representa tanto o passado de racismo, quanto o futuro otimista que queremos”, declarou a representante dos EUA na ONU, a embaixadora Thomas-Greenfield.  

A primeira reunião de trabalho do Japer está agendada para 23 de maio, em Brasília, com a previsão de ter a presença da representante especial dos EUA para Equidade Racial e Justiça, Desirée Cormier Smith. 

Japer  

O plano de ação conjunta Japer foi assinado pelos EUA e pelo Brasil, pela primeira vez, em 2008, sob coordenação da então Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) e do Ministério das Relações Exteriores, no segundo governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Contudo, as ações foram descontinuadas em 2011, de acordo com o Ministério da Igualdade Racial. 

“É muito histórico o que a gente já tem feito um acordo que foi assinado em 2008, que fica parado, mas que tem muita potência para crescer e para transformar vidas de muitas pessoas negras”, disse a ministra da Igualdade Racial.  

Com a retomada do plano Japer, o programa prevê a articulação de políticas de ações afirmativas, além de intercâmbios e trocas de experiências e boas práticas entre os dois países, em diversas áreas do conhecimento como educação, saúde, memória e cultura e combate à violência letal. “Em relação ao genocídio da população negra, teremos o [programa] Juventude Negra Viva, que vai ser o nosso estágio, vai ser o nosso pontapé inicial aqui, para que a gente possa estabelecer metas, porque esse é um dos temas mais difíceis e envolve o Ministério da Justiça e Cidadania e a Secretaria Geral da Presidência”, planeja Anielle Franco. 

A ministra da Igualdade Racial destacou a importância da volta do trabalho conjunto, com a troca de ações afirmativas com o objetivo de fortalecer as políticas públicas das duas nações. “Nós temos problemas muito similares, desde o genocídio da população negra até caso de racismo que estão gritantes e, evidentemente, acontecem quase diariamente e ambos os países. Então, acho que o Japer pode fortalecer para além da parceria, fortalecer também um entendimento tanto aqui, quanto lá”. 

O plano prevê apoio a talentos negros brasileiros e norte-americanos, conectando faculdades e universidades historicamente ligadas à causa negra, nos dois países. As sedes do programa no Brasil e nos Estados Unidos ainda serão escolhidas. 

Cooperação internacional  

O novo Ministério da Igualdade Racial tem trabalhado em agendas de articulação internacional para fortalecer o enfrentamento ao racismo e a equidade racial, no Brasil.  

Em fevereiro, a ministra Anielle Franco esteve na comitiva presidencial brasileira que visitou os EUA para iniciar a retomada do Japer. 

No mês passado, Anielle Franco viajou a Portugal e à Espanha, como parte do grupo que acompanhou o presidente Lula, e firmou com os dois países acordos de cooperação e investimentos em políticas públicas de combate ao racismo e promoção da igualdade racial no Brasil.  

+ sobre o tema

Salário menor na advocacia é mais frequente entre mulheres e negros

A proporção de advogados na menor faixa salarial da...

Lei que implantou escola cívico-militar em SP fere modelo educacional previsto na Constituição, diz PFDC

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão...

Ação enviada ao STF pede inconstitucionalidade de escolas cívico-militares em SP

Promotores e defensores públicos encaminharam ao Supremo Tribunal Federal...

para lembrar

Os ausentes & os invisíveis – Júlio Ribeiro Xavier

Por Júlio Ribeiro Xavier A última fase do processo...

Mais de 1,2 mil pessoas foram resgatadas de trabalho escravo em 2023

Somente neste ano, 1.201 pessoas foram resgatadas de situações...

Como chegamos a esse ponto?

Acusado de deliberadamente "causar pandemia, mediante a propagação de...

Nova identidade tem CPF como número principal, QR code e abriga dados de outros documentos

O governo federal quer acelerar a corrida para digitalizar a identidade dos brasileiros. A nova CIN (Carteira de Identidade Nacional) representa o fim do RG e da impressão...

ONU pede que Brasil legalize aborto e denuncia ‘fundamentalismo religioso’

Alertando sobre o avanço do que chamou de "fundamentalismo religioso" no Brasil, um dos principais órgãos da ONU que lida com a situação da...

Trump se torna 1º ex-presidente condenado em ação criminal na história dos EUA

Donald Trump se tornou o primeiro ex-presidente considerado culpado pela Justiça em uma ação criminal na história dos Estados Unidos. O veredicto, divulgado nesta quinta-feira (30),...
-+=