Levantamento revela aumento da desigualdade entre rendimentos dos mais ricos e mais pobres

Pesquisa da Oxfam mostra aumento de salários de CEOs e dividendos de acionistas e queda nos ganhos de trabalhadores

Levantamento divulgado pela organização internacional Oxfam no contexto deste 1º de maio, Dia do Trabalhador e da Trabalhadora, revela aumento na desigualdade entre os rendimentos de pessoas ricas e pobres em diversas partes do mundo, com especial crescimento dessa diferença no Brasil.

Segundo a pesquisa, os diretores gerais (cargo muitas vezes chamado pela sigla em inglês CEO) de empresas pelo mundo tiveram crescimento salarial de 9% em 2022, enquanto as pessoas da base da pirâmide tiveram queda de 3% em seus rendimentos.

Para medir a desigualdade no Brasil, a Oxfam levou em conta os valores distribuídos a grandes acionistas como dividendos, já que não há informações oficiais sobre os salários dos altos executivos.

A organização identificou um aumento de cerca de 24% entre 2021 e 2022 nos pagamentos a acionistas do país. No mesmo período, a queda salarial da força de trabalho no país foi de 6,9% – mais que o dobro da média mundial.

Em entrevista ao Brasil de Fato, o coordenador de Justiça Econômica da Oxfam no Brasil, Jefferson Nascimento, destacou os valores exorbitantes dos dividendos pagos no país em 2022: cerca de US$ 34 trilhões (foram US$ 27,3 bilhões em 2021), e alertou para a necessidade de uma reforma tributária que preveja pagamento de impostos sobre esses valores, algo que não acontece desde 1996.

Nascimento pontuou ainda a importância de políticas de valorização do salário mínimo, já que há vários indicadores diretamente atrelados a ele. O governo de Luiz Inácio Lula da Silva anunciou o retorno da regra de valorização do mínimo.

“A gente tem estudos apontando como a valorização real do salário mínimo foi importante para redução da desigualdade de renda, ao longo dos anos 2000 até meio de 2010”, destacou o especialista.

Pandemia e reforma trabalhista

A pandemia ainda causa efeitos importantes no nível de renda das pessoas mais pobres em diversas partes do mundo. A maior parte dos trabalhadores ainda não conseguiu recuperar os níveis de renda que tinham antes da chegada da covid-19.

No caso do Brasil, a Oxfam apontou outros fatores relevantes, como a precarização do trabalho em decorrência da reforma trabalhista aprovada ainda no governo de Michel Temer (MDB), em 2017. 

“Mesmo com a recuperação do [nível de] emprego, a gente tem esse movimento que são empregos com menor remuneração, mais precarizados, e isso impacta de alguma maneira nesse número da renda média. Na verdade, a gente tem recuperado a taxa de emprego, mas a renda continua menor que era antes da pandemia”, pontuou.

Leia também:

Maiores CEOs do mundo tiveram 9% de aumento de salários em 2022 enquanto trabalhadores tiveram corte de 3%

Mundo ganhou 573 ultrarricos durante a pandemia, diz Oxfam no dia da abertura do Fórum Econômico Mundial em Davos

Oxfam apresenta relatório sobre desigualdade social em fórum mundial

+ sobre o tema

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram...

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

para lembrar

A decisão absurda de mudar o horário do metrô paulista em dias de jogo para atender a Globo

por : Kiko Nogueira A decisão de manter o metrô funcionando...

Racismo no mercado de trabalho – Por: Aida Feitosa

  Ao afirmar que a presença de pessoas negras na...

20 cidades do Brasil terão projetação em edifícios contra a violência sexual de crianças e adolescentes

Esta quarta-feira (18/05) é o Dia Nacional de Enfrentamento...

Perdas de direitos

Perdas de direitos Do Facebook

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança e ganham menos que os homens ao desempenhar a mesma função, apesar destes indicadores registrarem...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...
-+=