Brasil recebe 3 milhões de dólares do Fundo para a Igualdade de Gênero

Projeto “Mais Direitos e Mais Poder para as Mulheres Brasileiras” foi apresentado pela SPM (Secretaria de Políticas para as Mulheres) e por consórcio de organizações feministas e de mulheres. Visa a igualdade de gênero e racial, proteção social e acesso das mulheres ao mercado de trabalho

 

O Brasil acaba de receber um investimento de 3 milhões de dólares (cerca de R$ 5,3 milhões) do Fundo para a Igualdade de Gênero, administrado pelo UNIFEM (Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher, parte da ONU Mulheres), para investir no empoderamento econômica das mulheres, especialmente mulheres negras e trabalhadoras domésticas. O projeto “Mais Direitos e Mais Poder para as Mulheres Brasileiras” foi apresentado pela SPM (Secretaria de Políticas para as Mulheres) e pelo consórcio de organizações feministas e de mulheres, composto por sete entidades: SOS Corpo Instituto feminista para a Democracia, Centro Feminista de Estudos e Assessoria (CFEMEA), Instituto Patrícia Galvão, Rede de Desenvolvimento Humano (REDEH), Coletivo Leila Diniz, Geledés – Instituto da Mulher Negra e Cunhã Coletivo Feminista.

 

O projeto visa a igualdade de gênero e racial, proteção social e acesso das mulheres ao mercado de trabalho e tem o objetivo de atuar para a inclusão das prioridades das trabalhadoras domésticas nos processos governamentais, aumentar o investimento público na participação política das mulheres e estabelecer mecanismos de monitoramento do orçamento público com impacto da vida das mulheres brasileiras.

 

A seleção recebeu 1.239 propostas enviadas por 127 países. O projeto brasileiro é um dos 13 projetos que serão desenvolvidos nos seguintes países: Ruanda, Libéria, Zimbábue, Egito, China, Camboja, Índia, Bósnia e Herzegovina, Quirquistão, México, Bolívia e Jamaica. Ao todo, serão investidos 27,5 milhões de dólares em projetos que fortaleçam o empoderamento social e econômico de mulheres em todo o mundo e atendam a diversas estratégias para a promoção da igualdade de gênero, de acordo com contextos nacionais e regionais. As iniciativas vão envolver mulheres em situação de vulnerabilidade, tais como trabalhadoras rurais e domésticas, mulheres indígenas, mulheres desalojadas, mulheres vivendo com HIV/AIDS e mulheres que trabalham em mercados livres.

 

“Estes investimentos são um passo importante para visibilizar o que já é reconhecido: apesar dos compromissos com a promoção da igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres, os investimentos são insuficientes”, afirmou Inés Alberdi, diretora executiva do UNIFEM (agora parte da ONU Mulher).

 

Os investimentos dão início ao primeiro ciclo de doações que destinará mais de 37,5 milhões de dólares para 40 projetos inovadores. O Fundo para a Igualdade de Gênero, que recebe doações mais volumosas da Espanha e Noruega, visa aumentar significativamente o apoio financeiro para países e comunidades comprometidas com o avanço da igualdade de gênero e o empoderamento econômico e político das mulheres.

 

O Fundo para a Igualdade de Gênero é uma iniciativa para promover o alcance dos ODM (Objetivos de Desenvolvimento do Milênio) e reforçar o compromisso da igualdade de gênero como objetivo central para o desenvolvimento. Os recursos são repassados ao Fundo por governos e organizações da sociedade civil para transformar as leis de igualdade de gênero e das políticas a nível local e nacional em avanços concretos para os direitos das mulheres.

 

 

 

Assessoria de Comunicação

Isabel Clavelin e Mara Silva

(61) 3038.9287 / 8175.6315

 

0E478312_copy

UNIFEM Brasil e Cone Sul

(parte da ONU Mulheres)

[email protected]

www.unifem.org.br

http://twitter.com/unifemconesul

+ sobre o tema

Violência e Cidadania: Aspectos Relacionados às Mulheres Negras

RESUMO: Frente às discussões atuais acerca do racismo, em...

Sociedade indiana pede que condenados por estupro de menina de 8 anos sejam executados

Índia vive em estado de tensão pelas contínuas acusações...

‘Minha história é de superação’, diz quilombola que é 1º lugar em Medicina

"Sou a primeira da minha descendência quilombola a entrar...

para lembrar

Aonde mora a violência contra a mulher?

No dia 23 de julho de 2019, a jornalista...

Grupo de estudos Atinúké aprofunda a pesquisa sobre o pensamento da mulher

Iniciativa aborda perspectivas que foram negligenciadas pela academia Traduzido do...

ONU aprova resolução histórica sobre direitos LGBT

Reunido em Genebra, o Conselho dos Direitos Humanos das...
spot_imgspot_img

IBGE: mulheres assalariadas recebem 17% menos que os homens

Dados divulgados nesta quinta-feira (20/06) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que a disparidade salarial entre os gêneros no Brasil se mantém em...

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...
-+=