Brasil: um país com racismo, mas sem racistas, por Zuenir Ventura

Zuenir Ventura

Episódios como o das babás discriminadas em clubes sociais e o da criança negra que foi destratada e quase expulsa de uma concessionária da BMW no Rio demonstram que o racismo, apesar de resolvido legalmente, já que é crime, ainda constitui um problema no dia a dia das relações interpessoais, onde às vezes se manifesta explicitamente.

O sociólogo Florestan Fernandes dizia que o brasileiro tem preconceito de ter preconceito. Em outras palavras, o Brasil seria um país com racismo, mas sem racistas, como revela uma pesquisa em que 87% das pessoas entrevistadas afirmaram haver racismo, mas só 4% se confessaram racistas.

Muitos alegam que se trata de “racismo cordial”, bem diferente do que existe nos EUA, por exemplo. Seria mesmo cordial ou, ao contrário, é velado, camuflado, que quando flagrado se disfarça, alegando engano ou má interpretação?

Na tal loja da Barra, o gerente de vendas viu o menino de 7 anos assistindo a televisão enquanto os pais adotivos, brancos, escolhiam um carro. Sem saber que pertenciam à mesma família, não teve dúvida. Na certa era um moleque de rua que ia pedir dinheiro, incomodar os clientes.

“Aqui não é o lugar para você, saia”, ordenou. Na nota em que tenta se justificar, a empresa diz que não foi bem assim, que houve por parte do casal “um mal-entendido”.

Porém, a mãe Priscilla garante que não, que foi um bem entendido gesto de racismo: “Se fosse uma criança branca, ele mandaria sair da loja?”

No facebook, para onde o casal levou seu protesto e lançou a campanha “Preconceito racial não é mal-entendido”, a reação foi imediata. Cerca de 16 mil internautas se manifestaram com mensagens de apoio.

Tomara que a proporção seja essa: que para uma loja que pratica o racismo haja milhares de pessoas contra.

Porém, pior ainda do que essas atitudes explícitas, que pelo menos despertam repulsa, é a situação social, econômica e cultural da população não branca no país. Tratadas com naturalidade, as desigualdades raciais no campo da saúde, da educação e do mercado de trabalho são tão iníquas que em alguns casos parecem saídas da novela “Lado a lado”, um retrato fiel e competente da luta contra a intolerância racial e religiosa após a abolição da escravatura e no começo da República.

Apenas um exemplo: o risco de morte por doenças infecciosas é hoje 43% maior entre as crianças negras com menos de um ano de idade do que entre as brancas. Isso equivale a expulsar da cidadania, senão da vida, toda uma geração de negros.

Materias relacionadas

Denúncia de racismo em loja da BMW tem repercussão internacional

‘Aqui não é lugar para você. Saia’! Criança de 7 anos sofre racismo em concessionária BMW

 

Fonte: O Globo

+ sobre o tema

SP enquadrou 31 mil negros como traficantes em situações similares às de brancos usuários

Para a polícia de São Paulo, a diferença entre um traficante e...

STF retoma julgamento sobre descriminalização do porte de drogas

O Supremo Tribunal Federal (STF) retoma nesta quinta-feira (20)...

STF começa a julgar nesta terça (18) supostos mandantes da morte de Marielle

O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia, na tarde desta...

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

para lembrar

Nove bairros estão alagados há 12 dias na Grande São Paulo

Maioria das áreas está concentrada na zona leste da...

Apoio a Obama sobe 11 pontos após morte de Bin Laden, diz pesquisa

Sondagem foi feita pelo 'New York Times' e pela...

I Encontro Internacional da Coalizão Negra Por Direitos: Brasil, Estados Unidos, Equador, Colômbia e África do Sul

O Encontro Internacional da Coalizão Negra Por Direitos: Brasil,...

Reveillon da crise

por, Mauricio Pestana enviado pra o Portal Geledes Diz um velho...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu a obra Mulheres Sonhadoras, Mulheres Cientistas, composta por dois livros, das escolas e bibliotecas do município. Escritos por...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e constranger o governo, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, facilitou a aprovação de...

Janja defende direito ao aborto legal, diz que projeto é ‘absurdo’ e afirma que Congresso deve garantir acesso ao SUS

A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, afirmou que do projeto de lei (PL) 1904, que quer colocar um teto de 22 semanas no acesso ao...
-+=