Bruno Gissoni : ‘Um pouco de machismo faz bem, porque senão vira muita bagunça’

‘Um pouco de machismo faz bem, porque senão vira muita bagunça’. O comentário de Bruno Gissoni, em entrevista à Revista da TV, gerou polêmica nas redes sociais. No ar em “Em família”, como André, o namorado de Luiza (Bruna Marquezine), o ator afirmou que, na vida real, não aceitaria algumas das situações vividas por seu personagem.

— Essa história de beijinho na boca do amigo não rola. Cria uma situação com o casal e até com o amigo — analisa ele, referindo-se à situação em que Luiza dá um selinho em Murilo (Sasha Bali) durante a viagem do grupo à Áustria. — Sou mais conservador quando se trata de relacionamento.

Nas redes sociais, a declaração de Gissoni caiu como uma bomba.

“Primeiro o Caio Castro, agora esse aí que não sei nem de onde vem!! Tá dificil homem inteligente na TV!”, reclamou Danielle Santos

“Ele é um idiota que aparece todo dia em rede nacional e fala que um pouco de machismo faz bem”, completou @helenapalm

“Na verdade, ele não sabe se expressar. É meio tapadinho”, escreveu @tamarutaco

Já @anopheles_andre disse “vomitando em 3, 2, 1…”

A internauta Babi Vanzela defendeu o ator na internet: “O menino claramente usou a palavra machista querendo dizer conservador. Menos ódio no coração, Brasil”

Gabriela Bernadi disse: “Essa história de beijinho na boca de amigo não rola. Entenda antes de criticá-lo”.

Na vida real, Bruno é namorado da atriz Yanna Lavigne, a Fátima de “Além do horizonte” há cerca de um ano. Ele conta que odeia as famosas DRs (abreviação para “discutir o relacionamento”) e que seu jeitão tranquilo e calado às vezes incomoda a moça.

— As pessoas mais próximas reclamam por eu ser tão tranquilo. A coisa que mais odeio é briga e discussão, ainda mais por coisas pequenas. Então, quando algo me incomoda, eu não falo. Yanna tem reclamado por eu não reclamar. Não curto DR nem um pouco, acho um saco — avisa o ator contando que só fica irritado quando perde a confiança em alguém. — Eu dou total confiança para a pessoa, mas quando ela se quebra, é impossível recuperar. É um problema meu porque, afinal, todo mundo merece uma segunda chance.

Fonte: O Globo

+ sobre o tema

Projeto de escolas cívico-militares é aprovado na Alesp após estudantes serem agredidos por policiais

O projeto de lei que prevê a implementação das escolas...

Educação domiciliar e seus impactos para a convivência democrática

A educação domiciliar, também conhecida internacionalmente como homeschooling, tem...

Candidatos do Rio Grande do Sul terão isenção no Enem

O ministro da Educação, Camilo Santana, anunciou que todos...

Liberdade para Ensinar e Aprender: Pesquisa Nacional Analisa Violências Sofridas por Educadores/as no Brasil

O Observatório Nacional da Violência contra Educadoras/es (ONVE), sediado...

para lembrar

Precisamos levantar a bandeira do protagonista da educação

Quando defendemos grupos de interesse, colocamos de lado o...

Prorrogado: Cursos do Inglês sem Fronteiras recebe inscrições até 8 de julho

Aulas são gratuitas e destinadas a alunos do ensino...

Estão abertas as inscrições do Enem para pessoas privadas de liberdade

Estão abertas as inscrições para o Exame Nacional do...
spot_imgspot_img

FGV e Fundação Itaú oferecem bolsas de mestrado em comunicação digital e cultura de dados

A FGV-ECMI (Escola de Comunicação, Mídia e Informação da Fundação Getúlio Vargas) vai oferecer 30 bolsas integrais para o mestrado em comunicação digital e...

Projeto de escolas cívico-militares é aprovado na Alesp após estudantes serem agredidos por policiais

O projeto de lei que prevê a implementação das escolas cívico-militares na rede estadual e municipal de ensino foi aprovada na noite desta terça-feira (21) na...

Educação domiciliar e seus impactos para a convivência democrática

A educação domiciliar, também conhecida internacionalmente como homeschooling, tem sido objeto de debate em diversos contextos nacionais e internacionais, mobilizando famílias, a sociedade e...
-+=