Caçadas de Pedrinho no Brasil e a Exposição na Alemanha dedicada a Adolf Hitler * – Por: Roseli Rocha

Esforços foram realizados pelos organizadores para que fosse evitada a glorificação de Hitler

“A exposição não apresenta nenhum dos discursos de Hitler, os visitantes podem ver as imagens do ditador, mas não vão conseguir ouvi-lo. Também foi retirado da exposição um retrato de 1939, que o mostra como herói visionário”.

Os discursos de Hitler também fazem parte de um contexto político histórico datado. Por que a preocupação de omiti-lo numa exposição que retrata uma parte da memória da Alemanha? Por que será?!

Aqui, no Brasil, certamente, em nome da pseudo-liberdade de expressão intelectual e cultural, numa exposição dessas, os discursos de Hitler poderão ser ouvidos.

DUVIDO-DE-O-DÓ !!!

O povo judeu jamais permitiria!!!

E no Brasil os judeus não chegam a 200 mil. Mas, nem por isso deixam de exigir respeito.

Mas, como no nosso caso se trata da população negra sendo chamada de “macaca” pelo Senhor Monteiro Lobato, grande intelectual da literatura clássica infantil, a gente aceita (embora, a população negra represente, hoje, mais da metade da população brasileira).

É isso aí, eu “negra macaca” ainda tenho que pagar com os meus impostos a compra desse livro clássico da literatura infantil para ser distribuído na escola onde o meu filho ainda vai ter que ouvir que a única personagem parecida com ele na inocente historinha é chamada de macaca e carvão. Só no BRASIL!!! A gente paga para ser discriminado e ser alvo de chacota.

Penso que se querem comprar e terem a coleção do livro de Monteiro Lobato que comprem com os recursos próprios. O livro pode ser vendido na livraria, compra quem quiser. Viu, não há censura! Qualquer um pode ir à loja e comprá-lo. Mas, agora, obrigar o povo negro a pagar (com os seus impostos) por essa literatura que ao invés de criticar, reproduz discurso racista, é um atentado a dignidade humana!

Nós, brasileiros (as), ainda estamos impregnados (as) de uma consciência colonizada, eurocêntrica e limitada acerca da diversidade étnico-racial e das desigualdades raciais reproduzidas em todas as esferas da vida social, especialmente nos espaços de socialização do conhecimento e de comunicação. Quer dizer que em nome da liberdade intelectual e de expressão eu posso humilhar o outro, reproduzir discursos anti-semitas, práticas racistas, homofóbicas e sexistas?!

Sabemos que a escola, nem os docentes estão preparados para trabalhar a questão do preconceito racial com os seus alunos, então Por que o MEC acredita que não há problema em distribuir essa obra que reforça estereótipos racistas para o seu alunado?!

Quer a reposta?

Porque, nós, negros, nesse país podemos continuar sendo tratados como cidadãos de 2 ª classe e ponto!

Se, nós, os negros e negras, NÃO GRITARMOS, estamos perdid@s, porque a intelectualidade eurocêntrica ainda é capaz de nos transformar de “vitimas” a algozes. Lamentável!

Penso que o livro “Caçadas de Pedrinho” poderia ser fornecido pelo MEC (comprado com o meu dinheiro) exclusivamente para formação de professores como mais uma ferramenta para a construção de uma educação anti-racista. Esse, sim, é o papel do MEC: investir na formação de professores contra o RACISMO e sua reprodução através da educação eurocêntrica. Essa poderia ser, inclusive, uma recomendação do CNE/MEC.

eu_no_carro_de_som_-_brasilia

Talvez, quem sabe um dia, quando tod@s professores (as) estiverem “capacitados (as)” para a consolidação de uma escola que defenda a Dignidade Humana e atue contra qualquer tipo de preconceito, o livro seja apenas mais uma obra do seu tempo (retratando uma realidade nacional datada e superada).

Enquanto não chegarmos lá, sou contra que eu seja obrigada a comprá-lo (pagando com os meus impostos) para o meu filho negro ler junto com @s amiguinh@s na escola.

PS: Como já dizia minha velha preta vó: “pimenta nos olhos dos outros é refresco!”

PS: Parabéns Eliane Cavalleiro e Olívia Santana! Parabéns Geledés por proporcionar esse importante espaço de informação/comunicação onde nós, negras e negros, também temos VOZ!

Comentário de Roseli para o texto

+ sobre o tema

para lembrar

Representações sociais de bullying por professores

por: Cristina Helena Bernadini  Fonte: Dominio Público - ...

Espaço na web para reclamação de estudante abre na quarta, diz Inep

Presidente do Inep não descartou realização de novo...

Resultado da segunda chamada do ProUni sai nesta segunda-feira

Brasília – Os estudantes que se inscreveram no Programa...

Pré-selecionados no Fies devem finalizar inscrição até amanhã

Os candidatos pré-selecionados na chamada única de 2023 do...
spot_imgspot_img

Geledés publica boletins sobre a Primeira Infância nos estados brasileiros

Geledés Instituto da Mulher Negra está realizando as ações da segunda etapa do projeto “Primeira Infância no Centro: garantindo o pleno desenvolvimento infantil, uma...

PL do novo PNE apresenta avanços em equidade e dá primeiro passo em financiamento, mas precisa de melhorias estruturais e traz também retrocessos

O Projeto de Lei (PL) nº 2.614/2024, que prevê um Plano Nacional de Educação (PNE) para o período de 2024-2034, apresenta avanços relacionados à...

Jovens cientistas receberão apoio de mais de R$ 21 milhões para pesquisas   

O Instituto Serrapilheira anunciou, nesta quarta-feira (26), os 33 pesquisadores selecionados em dois editais que vão injetar mais de R$ 21 milhões em ciência no Brasil. Uma...
-+=