Câmara dos Deputados analisa projeto sobre equidade de gênero no serviço público

Pesquisa da Organização Internacional do Trabalho aponta que mulheres recebem 79% dos rendimentos dos homens

Por: Livia Francez

A Câmara dos Deputados vai analisar o Projeto de Lei 7.086/2014, de autoria da deputada Iriny Lopes (PT-ES), que dispõe sobre normas de equidade de gênero e raça, de igualdade das condições de trabalho, de oportunidade e de remuneração no serviço público. A proposta visa a combater qualquer forma de preconceito para evitar distorções e consolidar a igualdade de oportunidade e de remunerações entre homens e mulheres.
Para justificar a proposição da matéria, a parlamentar utiliza a pesquisa “Desigualdades de gênero e raça no mercado de trabalho brasileiro e suas implicações para as políticas de emprego”, realizada por Lia Abramo para a Organização Internacional do Trabalho (OIT) que aponta que mulheres recebiam 79% do rendimento dos homens; negros recebiam 50% do rendimento dos brancos; e mulheres negras recebiam 39% dos rendimentos dos homens brancos.
Já o Relatório Anual das Desigualdades Raciais no Brasil 2007-2008, elaborado pelo Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) mostra que 20,6 milhões de pessoas ingressaram no mercado de trabalho de 1995 a 2006. “Desse número, apenas 7,7 milhões eram brancos. O restante – 12,6 milhões de pessoas – eram pardas e pretas. Entretanto, ao se observar o rendimento mensal real do trabalho, a desigualdade de raça e a de gênero prevalecem. O vencimento médio dos homens brancos em todo país era 53% maior do que a remuneração obtida pelas mulheres brancas. O rendimento dos homens brancos era ainda 98,5% superior ao dos homens negros e pardos e 200% superior ao rendimento das mulheres negras”, diz a justificativa da matéria.
A deputada salienta, no texto do projeto de lei que há de se criar mecanismos que transponham a barreira cultural que submete mulheres, negros e negras, mesmo quando exercem funções idênticas a de homens brancos, a uma inferioridade que não mais se sustenta na atualidade e contraria os preceitos constitucionais os tratados internacionais que versam sobre o tema e que contam com adesão do Brasil.
O projeto será analisado conclusivamente pelas comissões de Direitos Humanos e Minorias; de Trabalho, de Administração e Serviço Público; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

+ sobre o tema

A respeito da satanização da política no Dia do Voto Feminino

Hoje, 24 de fevereiro de 2015, no Brasil, celebramos...

Exposição feminista em formato lambe-lambe vai até 30 de junho e tem entrada gratuita

O projeto “Identidade que não cabe no RG”, realizado...

8 de março: Brasil dá três passos para trás

Em fevereiro a Espanha aprovou uma ampla legislação que...

para lembrar

Subsídio a contraceptivos opõe Igreja e Parlamento nas Filipinas

Uma lei que subsidia o controle de natalidade entrou...

Machismo e racismo são cerne da violência cotidiana contra mulheres negras

No mar de violência contra a mulher, nos deparamos...

Homem diz que matou a esposa PM após ver fotos de traição em celular

Suspeito de 27 anos confessou o crime na sexta-feira...

Primeira cantora transgênero indicada ao Oscar decide boicotar cerimônia

Anohni concorre na categoria de melhor canção original e...
spot_imgspot_img

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...

1ª Parada Negra LGBT de BH acontece no próximo sábado (25/5)

No próximo sábado (25/5), data que marca o Dia da África, acontece em Belo Horizonte, a 1ª edição da Parada Negra LGBT. O evento acontece...

Em ano olímpico, Rebeca Andrade ganha homenagem da Barbie e quer inspirar outros sonhos

Rebeca Andrade, 25, possui uma longa lista de conquistas. A ginasta é medalhista olímpica, vencedora de ouro e prata, bicampeã mundial, medalhas nos jogos Pan-Americanos...
-+=