Camareira que acusou Strauss-Kahn foi estuprada, diz relatório médico

Revista francesa publica diagnóstico de médicos que examinaram Nafisatou Diallo

 

A camareira do hotel Sofitel de Nova York que acusou de abuso sexual o ex-diretor do FMI (Fundo Monetário Internacional) Dominique Strauss-Kahn foi vítima de estupro, apontam os médicos que a atenderam naquele dia, revela nesta terça-feira (16) a revista francesa L’Express.

Médicos do hospital St. Luke’s Roosevelt de Manhattan examinaram Nafisatou Diallo no dia 14 de maio, dia da suposta agressão, e conforme relatório elaborado a mulher sofria de diversos ferimentos causados pelo estupro.

“Diagnóstico: agressão. Causa dos ferimentos: agressão e estupro”, indicam as conclusões do relatório divulgadas pelo L’Express, no qual acrescenta que Diallo chegou ao hospital de ambulância, embora fosse capaz de caminhar sozinha. Ela estava acompanhada de um policial.

O relatório aponta para a declaração dos profissionais de saúde que a atenderam, segundo o qual a camareira do hotel dizia ter sido vítima de abuso sexual. Chorando, Diallo contou aos médicos detalhes da agressão.

Na última página do relatório, o médico descreve a área vaginal da paciente, onde aponta traumatismo na parte posterior, além de indicar que a região estava avermelhada.

O advogado de Diallo, Kenneth Thompson, expressa em entrevista concedida a L’Express sua convicção de que sua cliente sofreu abuso sexual, e sua surpresa pelo fato da Promotoria, embora tenha abordado esses dados no início da investigação, não concedeu maior peso.

Segundo o advogado, “não existe” a conversa publicada na imprensa na qual supostamente a mulher falou com um amigo preso por tráfico de maconha e lhe disse sobre os benefícios que poderia tirar do julgamento contra Strauss-Kahn.

A conversa teria dado a entender que ela conhecia a identidade do então dirigente do FMI, fato que negou em depoimento.

Relembre o caso

Strauss-Kahn renunciou ao cargo de diretor-gerente do FMI em maio, após o escândalo provocado pela denúncia de agressão sexual por parte da mulher guineana de 32 anos. O caso comprometeu sua carreira política na França, onde era considerado um candidato potencial à Presidência em 2012.

Libertado sem pagamento de fiança no dia 1º de julho, após passar um período detido e em prisão domiciliar, o ex-diretor do FMI recebeu sete acusações, incluindo de tentativa de estupro, que podem resultar em dez anos de prisão. Ele se declarou inocente das acusações.

O caso teve uma guinada espetacular após a descoberta de falhas e contradições no depoimento da funcionária do hotel, o que deixou a Promotoria em situação complicada. A investigação, no entanto, prossegue.

“Copyright Efe – Todos os direitos de reprodução e representação são reservados para a Agência Efe.”

 

Fonte: R7

+ sobre o tema

Mulheres estão sendo convocadas para agir em defesa de seus direitos na ONU!

Na semana seguinte ao Dia Internacional da Mulher, em...

Hoje na História, 25 de julho é o Dia da Mulher Negra Latina e Caribenha

O dia 25 de Julho desde 1992 é marcado...

O poder do amor próprio

Minha história se inicia no dia 30/01/1993, em uma...

As Ganhadeiras de Itapuã comemoram título da Viradouro no Carnaval carioca

Dezenas de pessoas se reuniram em Itapuã para celebrar...

para lembrar

Pai deixou o preconceito no passado e resolveu ir no casamento de sua filha com uma mulher! É muito lindo!

Muitos pais heterossexuais, contam que no início do relacionamento...

Sou cineasta negra e quero falar do racismo no audiovisual brasileiro

Há tempos, estamos na luta por outras narrativas possíveis...

Garota é espancada em SP por ser lésbica: ‘Vai apanhar igual menino’

Criminosos colocaram a vítima dentro de um carro e...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=