Camila Pitanga diz que o racismo no Brasil ainda é velado

Aos 32 anos, Camila Pitanga está rindo à toa. Feliz na vida pessoal, com a filha Antônia de 1 ano e 6 meses e o maridão Cláudio Amaral Peixoto, a atriz também comemora o sucesso de sua personagem Rose na novela Cama de Gato, da Globo.

DO O Fuxico 

Camila Pitanga diz que o racismo no Brasil ainda é velado – Christian Gaul/Divulgação

Em entrevista à revista Raça de novembro, da qual é capa, Camila falou da carreira e da questão do afro-descendente na sociedade e na dramaturgia:

“Em um país onde o racismo, ainda que de maneira velada, existe, me considero uma pessoa privilegiada. (…)Será uma conquista plena e histórica quando um negro ocupar o posto de protagonista e o fato não gerar mais discussão”, disse a atriz.

Sobre sua personagem na trama das seis, Camila contou que as comparações com o pai famoso são inevitáveis:

“Me identifico com a Rose justamente porque é uma mulher batalhadora e eu tenho essa referência na minha família. Meu pai é um homem de origem muito humilde da Bahia, foi carteiro, e a arte criou a identidade dele. A Rose não vai virar artista, mas ela tem uma dignidade que eu me identifico”, explicou.

 

+ sobre o tema

Prisão de professor negro testa nova mentalidade “pós-racial” americana

Fonte: New York Times - CHICAGO - Ralph Medley, negro,...

Evaldo Lima quer discutir o racismo no futebol

  Em pronunciamento na manhã desta terça-feira, 19, o vereador...

Sou preto e não disputo migalhas com os pardos

E a miscigenação, tema polêmico no gueto, Relação do branco,...

“Fui tratado como criminoso”, diz jogador punido após ser alvo de racismo

Foto: Fabio Murru/Ansa/AP Sulley Muntari, do Pescara, é advertido com...

para lembrar

Livro mostra dores e lutas da juventude negra no Brasil

Jovens negros estão em situação de vulnerabilidade e enfrentam...

Eu e a Outra: experiências de racismo, sexismo e xenofobia

apesar do sol das palmeiras do sabiá, tudo aqui é um exílio. (Lubi Prates,...

6 imagens do Carnaval do Apartheid

1- Carnaval do Apartheid Pesquisa divulgada recentemente no A Tarde...
spot_imgspot_img

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...
-+=