Campanha acende alerta para luta contra feminicídio e violência contra a mulher em MG

A ideia do vídeo, produzido em Poços de Caldas, é dar voz às mulheres que não tem, como forma de conscientização e alerta para relacionamentos abusivos.

Por Beatriz Mendes, do G1

Foto: Red Records

Um estúdio de Poços de Caldas (MG) lançou a campanha “Nenhuma a Menos” contra o feminicídio. O projeto produziu um vídeo, no qual o tema é retratado com música autoral e ainda uma encenação. O Brasil é o quinto país em taxas de feminicídio no ranking mundial, segundo levantamento usado no material.

A ideia do projeto surgiu a partir da insatisfação com o aumento de casos de feminicídio no país e na cidade de Poços de Caldas (MG). Em uma conversa, um grupo de artistas teve a ideia de expor a temática de forma didática e que pudesse ser facilmente repercutida.

“Nós pensamos no formato de vídeo por conta da forma como as pessoas têm assimilado a informação via internet. Além da música, há o impacto visual, que é importante. E fizemos em um minuto para que a atenção fosse total, no tempo em que geralmente as pessoas param para assistir algo no celular ”, conta Gilson Ghigiarelli, produtor musical e também um dos cocriadores.

Gilson Ghigiarelli, um dos criadores da campanha “Nenhuma a Menos”, em Poços de Caldas (MG) — Foto: Red Records

O projeto levou mais de dois meses para ser produzido e contou com uma equipe de 25 pessoas envolvidas, entre músicos, atrizes, produtores, maquiadores, editores e organizadores.

“Todas as pessoas convidadas foram pensadas com muito carinho, todos abraçaram o projeto e se doaram de verdade. Eu acho que é por isso que o vídeo teve um resultado tão bonito, por conta da união e entrega desses artistas”, relembrou Letícia de Jesus Rossi, diretora de casting e cocriadora.

Letícia de Jesus Rossi, diretora de casting da Campanha “Nenhuma a Menos”, de Poços de Caldas(MG) — Foto: Red Records

A ideia do vídeo é dar voz às mulheres que não têm, como forma de conscientização e alerta para relacionamentos abusivos. Todos os dados citados no vídeo estão atualizados e refletem através dos números a difícil realidade de muitas mulheres no Brasil.

“Foi um desafio grande fazer uma música de forma que fosse poética e ao mesmo tempo fosse direta. Além disso é uma música curta, precisei sintetizar todo assunto em um minuto, falando sobre o empoderamento e a resistência da mulher na sociedade”, explicou Rodrigo Augusto, o compositor da música.

Assista ao vídeo:

Feminicídio

Em Poços de Caldas, casos recentes de feminicídio acenderam um alerta sobre a importância da discussão do tema. Em janeiro de 2020, o inquérito a Polícia Civil concluiu que a maquiadora Daniele Aparecida Capelari Plachi, de 33 anos, foi morta pelo então noivo, Cássio Ribeiro, em uma cachoeira de Bandeira do Sul (MG), em 2016.

Cássio e Daniele, que eram de Poços de Caldas (MG), estavam a passeio na cidade quando ela se afogou. Na época, o noivo chegou a dizer que ele escorregou primeiro e que quando conseguiu sair de dentro da água, a noiva já havia desaparecido na cachoeira.

Segundo a polícia, a investigação mostrou que o relacionamento dos dois “era conturbado e que o investigado seria ciumento e possessivo”.

No mês de fevereiro, a jovem Ágatha Soares de Brito, de 13 anos, foi morta a facadas. O corpo dela foi encontrado em uma tapeçaria, dias após desaparecer. Segundo a Polícia Civil, o homem de 61 anos deixou uma carta confessando o crime. O motivo seria ciúmes.

Os casos mais recentes motivaram um manifesto nas ruas da cidade, pedindo o fim da violência contra a mulher. Dezenas de pessoas foram às ruas com cartazes e reforçando a frase “Nenhuma mulher a menos”.

Tais casos também motivaram a produção do vídeo e de um documentário sobre a produção dele, com relatos de toda equipe colaboradora. “É importante que esse vídeo cumpra com o nosso objetivo que é levar um pouco de informação . Despertar uma mudança de atitude nas pessoas e promover a reflexão daqueles que desconhecem o assunto”, detalhou Gilson.

Manifestantes saíram às ruas pedido o fim da violência contra mulher em Poços de Caldas — Foto: Reprodução EPTV

+ sobre o tema

Pandemia amplia canais para denunciar violência doméstica e buscar ajuda

Entre as consequências mais graves do isolamento social, medida...

para lembrar

Intervir em briga de casal pode salvar vida, diz juíza

A advogada Tatiane Spitzner, 29, foi encontrada morta no...

Uma vida inteira pelo fim da violência contra a mulher: A luta de Jacira Melo

Diretora do Instituto Patrícia Galvão defende acesso à informação...

Projeto de hip-hop aborda violência contra mulher indígena

 Com a proposta de estimular discussão sobre temáticas socioculturais...
spot_imgspot_img

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula Oliveira esperou para testemunhar o julgamento sobre o assassinato de seu filho, o jovem Johnatha...

Dois terços das mulheres assassinadas com armas de fogo são negras

São negras 68,3% das mulheres assassinadas com armas de fogo no Brasil, segundo a pesquisa O Papel da Arma de Fogo na Violência Contra...
-+=