Campanha de Vacinação contra a poliomielite e o sarampo começa dia 8 de novembro

A meta é que a cobertura das vacinas atinja os 95%, o que representa mais de 10 milhões de crianças imunizadas contra o sarampo e mais de 12 milhões contra a poliomielite

Por Naíma Saleh

A partir do dia 8 de novembro (sábado) começa a  Campanha Nacional de Vacinação contra a poliomelite e o sarampo. O objetivo será manter a erradicação da poliomielite no país e controlar os casos de sarampo, que têm aparecido sobretudo no nordeste. O anúncio da ação foi feito nesta quinta (30) pelo Ministério da Saúde.

“Estamos já há 25 anos sem casos de poliomielite no Brasil”, destacou o Secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa. No entanto, apesar de a maioria dos países desenvolvidos estar livre da doença, ainda há casos em regiões da África e da Ásia, por isso, é necessário manter em dia a cobertura da vacinação. “Não há outra alternativa para nós que não seja a mobilização nacional e a intensificação da cobertura”, explicou o ministro da Saúde, Arhur Chioro.

A campanha contra a poliomielite espera vacinar 12,7 milhões de crianças por todo o país, tendo como alvo desde bebês de 6 meses até crianças menores de 5 anos. Serão 17,8 milhões de doses da vacina oral poliomielite (VOP), a “gotinha”. Vale lembrar que a primeira imunização das crianças contra a pólio deve ser feita aos 2 meses, com a vacina inativada poliomielite (VIP). Os bebês maiores de 6 meses que não receberam essa primeira picada, devem tomar a VIP.

Sarampo

Essa doença ainda se manifesta em regiões da Europa, Ásia e África. Por isso, a campanha terá como foco crianças de 1 a 5 anos, visando evitar a contaminação por meio de casos importados – espera-se que 10,9 milhões de crianças sejam vacinadas. No estado do Ceará, que teve 224 casos no período de março de 2013 a março deste ano, e também em algumas cidades de Pernambuco, a campanha teve que ser adiantada para interromper a cadeia de transmissão da doença. Não por acaso, Fortaleza foi escolhida como sede de lançamento da campanha. A vacina que protege contra o sarampo é a tríplice viral, que também imuniza contra a caxumba e rubéola.

Serão duas semanas intensas de campanha: do dia 8 ao dia 28 de novembro. Porém, tanto a vacina contra a poliomielite quanto a vacina contra o sarampo, a caxumba e a rubéola ficam disponíveis o ano todo no Sistema Único de Saúde (SUS).

“Os pais, mães e responsáveis hoje têm muita clareza sobre a importância de manter em dia o calendário vacinal das crianças”, disse Chioro. Mas para dar uma forcinha às famílias nesse quesito, o Ministério da Saúde lançou um aplicativo gratuito que funciona como uma carteira de vacinação eletrônica: a partir da idade e do registro das imunizações já realizadas, o programa emite alertas sobre as próximas vacinações. Todas as vacinas oferecidas pelos SUS estão cadastradas e é possível registrar até 10 carteiras de vacinação diferentes. Quem tem Android já pode baixar o aplicativo, que, em breve, estará disponível na versão iOS.

Sobre as doenças

Também conhecida como paralisia infantil, a poliomelite é causada pelo poliovírus, que pode ser transmitido por meio do contato com fezes ou secreções expelidas pela boca. A paralisia dos membros inferiores acontece quando o vírus atinge o cérebro atacando os neurônios motores. Se o vírus chegar às células nervosas que controlam a musculatura envolvida no sistema respiratório e de deglutição, a doença pode ser fatal. Em junho deste ano, o vírus foi encontrado em amostras recolhidas no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP), mas não houve casos de contaminação humana.

Já o sarampo é provocado pelo Morbili vírus, que pode ser transmitido por secreções produzidas nas vias respiratórias, eliminadas pela tosse e espirro. O principal sintoma da doença são  manchas avermelhadas pela pele, além de febre, tosse, conjuntivite, moleza, coriza, falta de apetite e manchas brancas na parte interna das bochechas. Em gestantes, a doença é especialmente grave, pois pode provocar parto prematuro e até mesmo aborto. O Brasil não tem transmissão autóctone do sarampo (dentro do país), apenas casos importados que, às vezes, podem gerar uma contaminação secundária.  A única forma de prevenção da doença é por meio da vacina.

 

 

Fonte: Revista Crescer 

+ sobre o tema

Uso de algoritmos em processo seletivo de emprego pode prejudicar candidatos

As máquinas tomam mais decisões sobre as nossas vidas...

Aprovação do aborto na Argentina pode pressionar STF em votação no Brasil

Na disputa pelo direito ao aborto legal, seguro e...

Chacina em favela da Chatuba no Rio não pode ficar impune, diz ministra

A ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria...

Mauro Santayana: Telefônica recebe R$ 3 bilhões do BNDES e demite 1,5 mil no Brasil

por Mauro Santayana, no seu blog A desfaçatez das...

para lembrar

Porcentagem de trabalhadores domésticos diminui; formalização aumenta

A participação de trabalhadores domésticos no total de ocupados...

Piauí: Lei estadual garante 5% das vagas em obras públicas para mulheres

Cresce o número de mulheres trabalhando na construção civil. Mulheres...

Data Popular avalia que empreendedorismo é próximo motor da economia

Presidente de instituto de pesquisa acredita que micro e pequenos negócios...
spot_imgspot_img

Desenrola para MEI e micro e pequenas empresas começa nesta segunda

Os bancos começam a oferecer, a partir desta segunda-feira (13), uma alternativa para renegociação de dívidas bancárias de Microempreendedores Individuais (MEI) e micro e...

“Geledés é uma entidade comprometida com a transformação social”, diz embaixador do Brasil no Quênia

Em parceria com a Embaixada do Brasil no Quênia, Geledés - Instituto da Mulher Negra promoveu nesta sexta-feira 10, o evento “Emancipação Econômica da...

Caso Sônia é desastroso para combater trabalho escravo, alerta auditor

A história de Sônia Maria de Jesus, de 50 anos – que foi resgatada em uma operação contra o trabalho análogo à escravidão da...
-+=