Campinas: Justiça confirma que candidato defende trabalho infantil

Donizette tentou impedir programa em que Pochmann o acusa de estimular o trabalho infantil, mas justiça eleitoral indeferiu

Por Cezar Xavier

Depois de se indignar com a denúncia de que estaria estimulando o trabalho infantil, o candidato a prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB) entrou na justiça para impedir a veiculação do teor da lei aprovada em seu mandato de vereador, veiculado no programa de tevê de Marcio Pochmann (PT). Nesta quarta (24), o juiz Mauro Iuji Fukumoto emitiu sentença em que indefere o pedido e confirma que Donizette propôs trabalho para crianças a partir de sete anos de idade.
 “A idade inicial para o trabalho é inegavelmente fixada
 em sete anos”, diz a setença.

O juiz ainda acrescenta que não há na lei qualquer estímulo à frequência à escola, ou qualquer
 perspectiva de retirar a criança da situação de rua. “Tanto que as
 entrevistas, reuniões e visitas familiares previstas no parágrafo 
único do artigo 2º culminam em ‘definição de tarefas, 
responsabilidades e estabelecimento de ponto de trabalho nas feiras'”.

Agressividade e mentira

Na última segunda-feira (22), o candidato a prefeito de Campinas, Marcio Pochmann (PT), cobrou explicações sobre uma Lei Municipal de autoria do seu adversário Jonas Donizette (PSB) que propõe a “organização dos meninos (as) maiores de 07 (sete) anos, formando grupos de: carregadores de sacolas, ajudante nas barracas dos feirantes e guardadores de carros”.

Diante da divulgação do programa de Donizette, denominado “Menores na Feira”, o candidato emitiu nota em que voltou a defender seu projeto, desmentindo o próprio texto da Lei, sem expressar qualquer arrependimento pela proposta inconstitucional. Em vez disso, afirmou que Pochmann é despreparado em não entender o caráter social de sua proposta, distorcendo-a. Segundo Donizette, a lei foi “uma iniciativa sua de caráter social, que teve como objetivo permitir que jovens a partir dos 14 anos, dessem início a suas vidas profissionais como aprendiz”, mesmo o texto da lei tendo sido explícito sobre a idade dos “profissionais” em questão.

“É absurdo imaginar que a Câmara Municipal de Campinas pudesse aprovar a Lei 9236, caso o documento não estivesse em consonância com a Constituição do Brasil, ou seja, que houvesse qualquer iniciativa no sentido de promover o trabalho de crianças menores de catorze anos”, insiste o candidato a prefeito, mesmo a lei tendo sido vetada pelo prefeito à época, Chico Amaral, por ferir o Estatuto da Criança e do Adolescente. Diante da indignação dos campineiros, Donizette ainda apelou e recrutou líderes de entidades que se dedicam ao cuidado de crianças e adolescentes para que testemunhassem em seu favor.

Leia a íntegra da decisão judicial:

Decisão interlocutória em 24/10/2012 – RP Nº 38271

Juiz MAURO IUJI FUKUMOTO

Processo nº 382-71.2012.6.26.0379

Pelo teor da lei municipal de autoria do ora candidato Jonas
 Donizette, verifica-se que não são inverídicas as afirmações de 
tratar-se de “lei de incentivo ao trabalho infantil para crianças a 
partir dos sete anos trabalharem como carregadores e flanelinhas em 
feiras livres”.

Para os maiores de quatorze anos, o artigo 1º prevê alternativas de 
iniciação profissional com o objetivo de integrá-los ao mercado de 
trabalho; mas a idade inicial para o trabalho é inegavelmente fixada
 em sete anos.

O artigo 2º da lei deixa claro que a terceira e última etapa do
 programa – ou seja, seu objetivo final – é “organização dos meninos
 maiores de 07 (sete) anos formando grupos de: carregadores de sacolas,
ajudante nas barracas dos feirantes e guardadores de carros”.

Não há na lei qualquer estímulo à frequência à escola, ou qualquer
 perspectiva de retirar a criança da situação de rua. Tanto que as
 entrevistas, reuniões e visitas familiares previstas no parágrafo 
único do artigo 2º culminam em “definição de tarefas, 
responsabilidades e estabelecimento de ponto de trabalho nas feiras”.

Não se vislumbra, portanto, afirmação inverídica no programa dos representados.

Isto posto, indefiro a liminar.

Notifiquem-se os representados para responder em vinte e quatro horas.

Int.

Cps, 24/10/2012

MAURO IUJI FUKUMOTO

Juiz Eleitoral

 

 

Fonte: SPressosp 

+ sobre o tema

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste...

‘Criança não é mãe’: manifestantes em todo o Brasil protestam contra PL da Gravidez Infantil

Diversas cidades do país receberam na noite desta quinta-feira...

É sórdido condenar vítima de estupro por aborto

É sórdido e apequena a política o Projeto de...

Geledés repudia decisão da Câmara sobre aborto

Geledés – Instituto da Mulher Negra vem a público...

para lembrar

Ação orienta pais sobre combate à violência digital contra crianças

Em ação realizada nesta terça-feira (13) no Terminal do...

“Eu morrerei de pé como as árvores”

Leia poesia de dom Pedro Casaldáliga que antecipa sua...

Comissão da Câmara aprova redução da Maioridade Penal

Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) aprovou nesta...

Barbara Gancia reage ao ódio dos ‘Conservadossauros’

Jornalista critica 'esse ódio crescente e tão palpável ao...

Mulheres vão às ruas contra PL que equipara aborto a homicídio; confira locais dos atos

Mulheres vão às ruas de diversas partes do país em protesto contra o avanço, na Câmara dos Deputados, do projeto de lei que equipara...

Taxação dos super-ricos tem que ser encarada de frente, diz Neca Setubal

Maria Alice Setubal diz que não saiu ilesa daquele 2014. O ano era de eleição presidencial, e Neca, como é conhecida, integrava o núcleo duro...

Salário menor na advocacia é mais frequente entre mulheres e negros

A proporção de advogados na menor faixa salarial da categoria é maior entre negros e mulheres, segundo levantamento da OAB (Ordem de Advogados do Brasil) que...
-+=