Canção para o homem branco, por Cley Medeiros

 

“Quando isso tudo vai acabar? Quando vão nos deixar em paz?”. As palavras, da anciã Maria Tenharim Cururuí, considerada a biblioteca viva da etnia Tenharim Marmelo, representam a angústia de um dos povos indígenas mais antigos do Sul do Amazonas, ameaçados na escalada de violência que tomou os noticiários das últimas semanas .

A letra faz parte de uma canção feita por ela para descrever as perseguições contra indígenas na região da Transamazônica (BR 230), rodovia que passa no meio das aldeias Tenharim, Jihaui e Pirarrã, afetando aproximadamente 1.700 índios.

“Eu caí e me machuquei. Enquanto eu corria para a mata eles queimavam a nossa aldeia.” Conta, cantando, sobre a perseguição que os Tenharins sofreram no dia 26 de dezembro, quando 300 pessoas motivadas por fazendeiros e madeireiros, queimaram construções nas aldeias ao longo da Transamazônica e ameaçaram os índios de morte. “Para construir essa rodovia, mataram muitos índios, hoje os brancos estão repetindo o passado.”
A Mídia NINJA esteve toda a semana acompanhando os conflitos na região em contato direto com as lideranças indígenas. Acompanhe as próximas postagens ao longo do dia.

 

 

Fonte: Combate Racismo Ambiental

+ sobre o tema

Por que tenho orgulho de ser um homem negro?

Ainda que… Ainda que nos vejam através da lente do...

PF suspeita que dupla racista planejava massacre na UnB

A Polícia Federal viu no site mantido por Marcelo...

Intelectuais Negras – Por: Bell Hooks

Muitas vezes eu estava num terrivel deserto sofrendo estranhas coisas...

para lembrar

Maceió e Arapiraca estão no topo de ranking de violência contra jovens

  O Fórum Brasileiro de Segurança Pública divulgou nesta terça-feira...

Movimento Negro vai ao MEC para discutir ações afirmativas

A secretária de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e...

O tal do cabelo ruim

"Acho que fez bem em ir à televisão, embora...

Ministério Público pede prisão de Sikêra Jr. e multa por crime de racismo

O Ministério Público Federal (MPF) pediu a prisão e...
spot_imgspot_img

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...
-+=