Candidatos ao governo de SP escolhem pedágio como alvo

A tarifa de pedágio das rodovias paulistas foi a “bola da vez” na visita que três candidatos ao governo de São Paulo fizeram ontem a Ibitinga (SP), durante a 37ª Feira do Bordado, sem se encontrar.

Geraldo Alckmin (PSDB) reafirmou que pretende rever as tarifas que foram estabelecidas quando ele era vice de Mario Covas, mas não deu detalhes. Aloizio Mercadante (PT) defendeu uma redução e Paulo Skaf (PSB) chegou a dar percentual dessa redução: 50%.

Mercadante disse que foi abordado por visitantes da feira que reclamaram das tarifas de pedágio. “De São Paulo até Ibitinga eu gastei R$ 90 de pedágio”, disse.

Para cumprir a promessa de reduzir as tarifas, Mercadante afirmou que uma das possibilidades seria alongar o prazo das concessões.

“O que nós pretendemos fazer é abrir uma negociação. Entre os instrumentos que nós temos, um deles é prorrogar o prazo de concessão para reduzir a tarifa, porque o governo do PSDB prorrogou prazos de concessão sem renegociar tarifa.”

Um pouco mais tarde, Skaf também criticou a tarifa dos pedágios, que ele afirmou ser prejudicial ao desenvolvimento do Estado.

O candidato defendeu a criação de um programa que chamou de “sem pagar”, que devolveria, por meio de abatimento no IPVA, parte do que o motorista gastasse com pedágio.

Segundo Skaf, o desconto seria limitado ao teto de 50% do IPVA, pois é a parte do imposto que fica com o Estado –a outra metade vai para o município onde o carro está licenciado.

Último a visitar a feira, já no início da noite, Alckmin até tentou mudar o foco das discussões, ao falar sobre geração de empregos. Porém, sobre os pedágios, voltou a dizer que é preciso rever caso a caso. Questionado pela Folha se isso significaria a revisão dos contratos de concessões, preferiu partir para o ataque ao PT.

“O PT falou que ia fazer isso [rever contratos] no Rio Grande do Sul, mas não fez absolutamente nada.”

Outros assuntos foram alvos de comentários dos candidatos. Mercadante disse que, se eleito, vai terceirizar a frota das polícias Civil e Militar. Já Skaf pretende criar subgovernadorias no interior.

Alckmin disse que vai zerar o número de presos em cadeias, transferindo todos para unidades prisionais.

Fonte: Folha de São Paulo

+ sobre o tema

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste...

‘Criança não é mãe’: manifestantes em todo o Brasil protestam contra PL da Gravidez Infantil

Diversas cidades do país receberam na noite desta quinta-feira...

É sórdido condenar vítima de estupro por aborto

É sórdido e apequena a política o Projeto de...

Geledés repudia decisão da Câmara sobre aborto

Geledés – Instituto da Mulher Negra vem a público...

para lembrar

A porrada não vem de quem pensa diferente. Vem de quem não pensa

Isso é o óbvio mas, em tempos como este,...

Ecos da escravidão

Cynara Menezes No anúncio de tevê feito...

Reprovamos: New York Times destila preconceito sobre Brasil, zika e Carnaval

Em um artigo intitulado ‘Brasileiros ignoram o medo da...

Parabéns, imprensa: é fascismo

O Brasil vive um momento delicado, política e economicamente...

Mulheres vão às ruas contra PL que equipara aborto a homicídio; confira locais dos atos

Mulheres vão às ruas de diversas partes do país em protesto contra o avanço, na Câmara dos Deputados, do projeto de lei que equipara...

Taxação dos super-ricos tem que ser encarada de frente, diz Neca Setubal

Maria Alice Setubal diz que não saiu ilesa daquele 2014. O ano era de eleição presidencial, e Neca, como é conhecida, integrava o núcleo duro...

Salário menor na advocacia é mais frequente entre mulheres e negros

A proporção de advogados na menor faixa salarial da categoria é maior entre negros e mulheres, segundo levantamento da OAB (Ordem de Advogados do Brasil) que...
-+=