Caneladas do Vitão: Uma vez Anielle, sempre Marielle 2

Enviado por / FontePor Vitor Guedes, do Agora

Brasil, meu nego, deixa eu te contar, a história que a história não conta, o avesso do mesmo lugar, na luta é que a gente se encontra”¦ “Cada brasileiro, vivo ou morto, já foi Flamengo por um instante, por um dia.” Antonio Francisco da Silva, Fluminense fanático como Nelson Rodrigues, só não imaginava que as filhas Marielle e Anielle Franco seriam rubro-negras todos os dias. Até a morte.

“O nosso falecido avô começou a levar a gente novinha e falava para o meu pai que íamos ao parque. Parque porcaria nenhuma! Era para ver o Flamengo. Meu pai, tricolor doente, não entendia a nossa paixão pelo Flamengo”, diverte-se Anielle, diretora do Instituto (que leva o nome da irmã, vereadora assassinada) Marielle Franco.

Nem a reprovação à aproximação do Fla com o governo que dá “e daí?” para milhares de mortos é capaz de diminuir o amor da família pelo “Mengão”.

“Jamais ele [o presidente Roldolfo Landim] vai tirar isso da gente. Eu adoro ir para o Maraca”, disse Anielle, relembrando a parceria com Marielle.

“A gente juntava dinheiro com sacrifício para o ingresso e íamos pela Urubuzada, núcleo da Maré. Depois que a Mari[elle] foi eleita, ficou um pouco mais complicado ela acompanhar.”

Mas Marielle vive. Presente nos corações vermelhos e pretos da mana Anielle, da filha, Luyara, da afilhada Mariah e, em breve, de outra sobrinha.

“A Eloah está prevista para o mesmo dia do aniversário da Marielle, 27 de julho. Mas eu acho que vai adiantar igual a minha primeira filha. Já tenho a Mariah, de 4 anos, que é afilhada da Mari, que escolheu o nome. E para obedecer minha mãe, que colocou Marielle e Anielle, eu tô botando Mariah e Eloah para dar uma rimada porque a gente é dessa”, finalizou, com o sotaque, gargalhada, simpatia e humor carioquíssimos.

“Tu fala ‘vai, Corinthians’, aqui a gente fala ‘pra cima deles, Mengão’. Prazer, Vitor, beijos.”

Dois beijos, Anielle Franco, um em cada bochecha, como “tu” e as minas cariocas gostam.

Marielle Franco: “Ser mulher negra é resistir e sobreviver o tempo todo”.

Sou o Vitor Guedes e tenho um nome a zelar. E zelar, claro, vem de ZL. É tudo nosso! É nóis na banca!

+ sobre o tema

Como a morte de Marielle afeta as próximas eleições

“Nossa presença na política institucional é a única possibilidade...

Marielle, um convite presente para que possamos enxergar, escutar e agir com os outros

Há exatamente um mês fora brutalmente assassinada em uma...

Justiça decreta prisão de suspeito de envolvimento no caso Marielle

Justiça decreta prisão de suspeito de envolvimento no caso...

para lembrar

Beyoncé canta Tina Turner em espetáculo futurista da nova turnê ‘Renaissance’

Numa performance brilhante, Beyoncé fez o primeiro de seus cinco shows...

A presença de uma Juíza Negra no STF é uma questão de coerência, reparação histórica e justiça

A Constituição Federal, estabelece como objetivo da República Federativa...

A Lei do Ato Médico é mais proteção para a saúde do povo – Por: Fátima Oliveira

"A Lei do Ato Médico, como outras regulamentações de...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=