Minha mãe, Marielle Franco, e o funk dentro de mim

O destino já estava traçado, em 1998: no famoso e nobre Complexo da Maré, nasceu uma funkeira.

Na família referência forte, a mãe, durante o auge das equipes de som que formavam paredes inteiras com alto-falantes poderosos, foi “garota furacão 2000”. E, quando a moda era usar roupa de veludo e as favelas se divertiam e se dividiam entre o lado A e lado B nos famosos bailes de corredor, meu pai estava lá.

Essa menina sou eu, Luyara Franco. Hoje com 21 anos, entendo a potência do funk como uma expressão em um quase-grito de urgência para as realidades que vivemos na favela e, exatamente por isso, consigo perceber uma crescente escalada de criminalização desse ritmo que movimenta tanta coisa dentro e fora da favela.

O funk se impõe como expressão cultural de resistência a uma sociedade na qual, desde a sua constituição, o atrasado modelo educacional e racismo estrutural não permite reverter os seus preconceitos arraigados. Ahh, mas “quando toca, ninguém fica parado”.

Na contramão de uma sociedade que deprecia o funk, considerando como subcultura uma arte que contextualiza a dura realidade das favelas, vi minha mãe, Marielle Franco, construindo sua trajetória política sem jamais abrir mão de reivindicar o seu lugar como moradora da favela e orgulhosamente cria do funk.

O que define cultura? E quem define cultura? Uma consulta ao dicionário Aurélio explica um ponto de vista: “Complexo dos padrões de comportamento, das crenças, das instituições, das manifestações artísticas, intelectuais etc, transmitidos coletivamente e típicos de uma sociedade”.

Vai me dizer então que funk brasileiro não é cultura? Ter que reafirmar, ainda hoje, que funk é cultura, é insistir para que o conceito de cultura não fique restrito ao que a elite produz ou do que se apropria do povo pobre —assim como foi com o samba, o carnaval, o jazz e tantas outras expressões culturais que resistem até hoje.

Amigos se abraçam durante baile na Nova Holanda, no Complexo da Maré (Foto: Felipe Cordon/ PerifaConnection/ FolhaPress)

Cultura é o resultado de um apanhado de expressões de um povo que se manifesta em sua ação prática. Sendo popular, legítimo e compartilhado por muitos, é cultura. Precisamos entender que, dentro de uma realidade, cada um fala do seu próprio lugar e se expressa como pode. Se você fica indignado quando afirmo a potência e o capital cultural que o funk carrega, mas ignora o contexto e a realidade de opressão e violências que se vivem nesses espaços, você está sendo intolerante e preconceituoso.

Para alguns, essa frase vai parecer extremista, e muitos irão se ofender, mas a realidade é que definir o que é ou não cultura já é um passo contraditório e passível de erro, já que a palavra significa algo improvável e plural.

Negar que funk é cultura é o mesmo que renegar toda uma sociedade e seu modo de se expressar artisticamente —algo que, por exemplo, índios sofreram com a chegada dos portugueses, ou os africanos, durante a escravidão. Se o funk é hoje uma instituição e serve para expor as crenças e realidade de um povo, tem a mesma função social que o rap, por exemplo.

Por isso, negar como uma forma real de cultura seria desacreditar a validade e importância de ambos os estilos. Renegá-lo é intolerância e preconceito com pobres, como querer negar que eles podem e devem se expressar da forma que puderem. Lembrando que Chico Buarque, Tom Jobim e Caetano descreveram muitas vezes mulheres como objetos. Pessoas que encontraram sua própria forma de se expressar sem a interferência de nenhum outro grupo maior ou mais poderoso. Eles criaram a própria cultura.

Grafite em homenagem a vereadora assassinada Marielle Franco na Rua João Paulo I, local do crime (Foto: GABRIEL MONTEIRO / Agência O Globo)

O funk tem o papel de unir a massa, de administração de um mercado independente, de socialização sem preconceitos. Não será o governo ou um grupo que vai validar aquilo que já está embrenhado em nossa sociedade, faz parte de nossa vida e do entretenimento de quem for. Atrelado a isso temos a banalização do preconceito, que também contribui para a permanência do racismo no século 21.

De acordo com o conceito de banalidade do mal, da filósofa Hannah Arendt, quando uma atitude agressiva ocorre constantemente, as pessoas param de vê-la como errada. É assim que o Estado age na favela, construindo a percepção de que favela é sinônimo de violência e que funk é sinônimo de crime, com a necessidade de ser combatido. Parte da imprensa compra e reproduz esse discurso espetacularizando prisões de DJs e MCs. Ou seja, seguindo o pensamento de Arendt, o tratamento violento habitual do estado para com a favela torna o processo de criminalização do funk, da pobreza e da negritude aceitável para determinados setores da sociedade.

Daqui seguimos firmes no compromisso de, seguindo os passos de minha mãe e honrando as melhores memórias afetivas do meu pai, defender que o funk é uma expressão da cultura favelada que insistem em criminalizar —e nós, em resistir.

*Luyara Franco, 21, mulher preta periférica, funkeira e militante de direitos humanos, é integrante da diretoria do Instituto Marielle Franco e estudante de educação física (UERJ).

+ sobre o tema

Assassino de Marielle Franco e Anderson Gomes faz acordo de delação com a PF

Ronnie Lessa, o matador de Marielle Franco e de Anderson Gomes,...

Racismo científico, definindo humanidade de negras e negros

Esse artigo foi pensado para iniciar um diálogo sobre...

“Pérola Negra: Ruth de Souza” traça panorama da carreira da atriz

Mostra que entra em cartaz no CCBB traz 25...

Mylene Pereira Ramos: a juíza que defende maior diversidade na magistratura

“Em nossa sociedade, fatores como raça e condição social,...

para lembrar

Jovem preta é afastada de bebê após nascimento em maternidade de Florianópolis

Manifestantes fizeram um ato na tarde desta sexta-feira (30),...

Discriminação é comum, porém velada, dizem negras desempregadas

Para atendente, oportunidades de emprego são maiores para os...

Eu, mulher, psicóloga e negra

Quando nossa comissão editorial resolveu ouvir psicólogos negros, para...
spot_imgspot_img

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...
-+=