Capa de edição especial da Vanity Fair tem apenas mulheres

Da esq. para a dir., em sentido horário: Jane Fonda, Cate BlanchettViola Davis e Jennifer Lawrence; Brie Larson, Rachel Weisz, Charlotte Rampling, Lupita Nyong’o e Alicia Vikander; Saoirse Ronan, Helen Mirren, Gugu Mbatha-Raw e Diane Keaton

A tradicional edição “Hollywood” da revista Vanity Fair fez, para 2016, uma capa estupenda apenas com mulheres – e de diferentes gerações. Ficou estupenda.

Em um momento em que debate-se muito a respeito da falta de diversidade no Oscar – que, mais uma vez, apresentou poucos ou nenhum representantes de minorias como negros e LGBT entre os indicados –, a Vanity Fair optou por mostrar, em sua principal edição do ano, a variedade que existe entre as atrizes que estão em destaque nesta temporada de premiações.

A revista lembrou-se de mostrar mulheres negras, brancas e de diferentes gerações. É importante lembrar também que, no último ano, diversas atrizes tem criticado abertamente a desigualdade salarial entre mulheres e homens no entretenimento.

O lançamento da edição “Hollywood” da VF é um momento sempre aguardado. Não apenas por mostrar as atrizes em evidência e com chance de ganhar o Oscar, mas também por refletir o que acontece nesta mesma indústria. (As cinco indicadas a melhor atriz deste ano estão na imagem: Lawrence, Blanchett, Larson, Rampling e Ronan.)

As fotografias são de Annie Leibovitz.

Davis é a primeira mulher negra a aparecer na capa da VF desde 1999 – e a primeira negra com mais de 30 anos a estar em uma das principais partes da revista.

É importante ressaltar, entretanto, que o fato de termos uma grande quantidade de brancas na capa deste ano acaba saltando aos olhos. Precisamos procurar pela diversidade na fotografia com um olhar mais atento do que seria necessário se a sociedade fosse mais igualitária. Também faltam outras representatividades, como LGBT.

Há um longo caminho para percorrermos, pelo visto.

A revista chega às bancas digitais e físicas de Nova York nesta quinta-feira (4), e nas bancas dos EUA na terça (9).

Veja aqui mais imagens da revista.

+ sobre o tema

8 de março: Mulheres com nível superior ganham ainda menos do que os homens, diz IBGE

Completar o nível superior não garante às mulheres a...

Pesquisa mostra que gestantes precisam de mais informação para optar por parto natural

A informação sobre os procedimentos a que serão submetidas...

Violência contra a Mulher: Aluna hostilizada por usar roupa curta na Uniban

'Eles estavam possuídos, fiquei com muito medo', afirmou estudante. Tumulto...

Brasil tem 1 estupro a cada 10 minutos e 1 feminicídio a cada 7 horas

Levantamento realizado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública e...

para lembrar

México tem lar para prostitutas idosas

No centro da Cidade do México, desde 2006 funciona...

1ª formatura do programa programa de inclusão social Transcidadania

Em clima de festa, 38 mulheres e homens trans...

Globeleza 2017, uma nova perspectiva sobre o Carnaval – e não só para nós, negras

Globeleza foi constituída através de ótica dominadora, opressora e...

Homossexuais podem escolher nome para usar em escolas do Ceará

Nova orientação foi regulamentada pelo Conselho Estadual de Educação. Medida...
spot_imgspot_img

ONGs LGBTQIA+ enfrentam perseguição e violência política no Brasil, diz relatório

ONGs de apoio à causa LGBTQIA+ enfrentam perseguição e violência política para realizar seu trabalho no Brasil, mostra um relatório produzido pela Abong (Organizações Brasileira de ONGs) em...

Menstruação segura ainda é desafio no Brasil, indica Unicef

Uma enquete do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), concluiu “que o direito de menstruar de maneira digna, segura e com acesso...

Mulher tem aborto legal negado em três hospitais e é obrigada a ouvir batimento do feto, diz Defensoria

A Defensoria Pública de São Paulo atendeu ao menos duas mulheres vítimas de violência sexual que tiveram o acesso ao aborto legal negado após o Conselho...
-+=