Carta Aberta das professoras e professores para toda a Sociedade

Professorado pela Democracia criou este abaixo-assinado para pressionar professores e 3 outros

Do Change

Foto: Reprodução/change

Iniciamos uma assinatura coletiva [ver anexo] com mais de 13.000 adeptos antes de abrir para assinatura no Change.org. Somos professoras e professores dos diversos níveis de ensino, da educação pública e da privada, que aproveitamos nosso dia (o Dia dos Professores) para repudiar, em carta aberta, todo e qualquer ato que limite a liberdade de cátedra e nosso direito de promover a reflexão como parte da aprendizagem. Somos Docentes pela Democracia e contamos com o apoio da sociedade brasileira.

“Contra as ideias da força, a força das ideias” – Florestan Fernandes

Diante dos últimos episódios de recorrente violação dos Direitos Humanos em instituições de ensino, nós, professoras e professores de várias disciplinas da Educação Básica e do Ensino Superior, que atuamos em escolas e universidades públicas e privadas, nos dirigimos, por meio desta carta, à sociedade brasileira e afirmamos:

  1. Repudiar, veementemente, em consonância com a Constituição Federal de 1988, em especial o seu Art. 5º, manifestações violentas de qualquer natureza, bem como o preconceito, a discriminação e a desvalorização da vida;
  2. Defender enfaticamente a liberdade de expressão e a autonomia de reflexão como pilares essenciais para a edificação de uma estrutura de ensino cidadã, pautada nos preceitos previstos na Constituição Federal de 1988;
  3. Preconizar que a educação se faz com respeito à democracia, à liberdade e à diversidade, os três pilares sobre os quais se constrói uma sociedade mais justa e equitativa;
  4. Advogar a garantia da liberdade de cátedra nas escolas, respeitando os sistemas educacionais e a liberdade de expressão dos docentes, reiterando que todo processo educacional deve, em primeira instância, respeitar a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Nesse sentido, pretendemos continuar a realização da parte que nos cabe na formação intelectual e cultural dos brasileiros, recusando intervenções antidemocráticas de qualquer instância.

Dessa forma, entendemos que o ato de educar é um processo de questionamento constante e, como tal, deve promover o incômodo intelectual como sua força motriz, não cabendo no processo forças controladoras de acomodação. Projetos que ferem essa liberdade também ferem nossas condições de trabalho. Assim, nos colocamos em defesa de uma escola e de uma universidade brasileiras de qualidade que atentem aos direitos humanos e contribuam efetivamente para o desenvolvimento econômico, político, social e cultural do país.

Veja quem já assinou: https://goo.gl/CiWbM1

Obs.: Se o seu nome consta indevidamente no documento, por favor, nos notifique que ele será prontamente removido.

Clique aqui para assinar

+ sobre o tema

II Edital Gestão Escolar para a Equidade – Juventude Negra

Vários estudos mostram que há resultados educacionais significativamente piores...

Cerimônia de formatura em MT reúne 43 índios de 32 etnias diferentes

Formandos do curso de Pedagogia Intercultural que reúne 32...

Aluno da primeira turma de cotistas raciais da UFPR defende tese de doutorado

A UFPR agendou para a próxima terça feira (7)...

Bolsa de mestrado para grupos sub-representados na Ciência

Diversidade e Inclusão na Ciência Do British Council Sob a linha...

para lembrar

50 erros de português que você não pode mais cometer

Guia prático para não queimar mais o filme em...

Professor de Harvard revela os preceitos para a ‘boa escrita’

Para Steven Pinker, 'escrever bem requer empatia'. Professor do...

Ocupar escolas, ocupar o discurso especialista

“O indivíduo era sempre descrito em função de seu...

Como o brincar pode promover o diálogo intercultural?

Na EMEI João Theodoro, uma criança boliviana brinca de...
spot_imgspot_img

Ser menina na escola: estamos atentos às violências de gênero?

Apesar de toda a luta feminista, leis de proteção às mulheres, divulgação de livros, sites, materiais sobre a valorização do feminino, ainda há muito...

Como a educação antirracista contribui para o entendimento do que é Racismo Ambiental

Nas duas cidades mais populosas do Brasil, Rio de Janeiro e São Paulo, o primeiro mês do ano ficou marcado pelas tragédias causadas pelas...

SISU: selecionados têm até quarta-feira para fazer matrícula

Estudantes selecionados na primeira chamada do processo seletivo de 2024 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) têm até quarta-feira (7) para fazer a matrícula...
-+=