Caso de estupro do diretor de “Birth of a Nation” abala trajetória do filme

Tudo indicava que seria um dos filmes do ano, mas terminou provocando polêmica por motivos nada cinematográficos: um antigo caso de estupro que envolveu o diretor e a estrela de “The Birth of a Nation” causou uma grande controvérsia em Hollywood e ameaça a, até agora, a meteórica carreira da produção.

Poe David Villafranca Do Uol

Nas últimas semanas, os veículos de comunicação americanos recuperaram o caso de estupro de uma jovem que aconteceu há 17 anos e pelo qual foram acusados o diretor e protagonista do filme, Nate Parker, e seu roteirista, Jean Celestin.

Embora Parker tenha sido absolvido das acusações, novas revelações do caso eclipsaram o lançamento do filme, que estreará no dia 7 de outubro nos Estados Unidos após ser a sensação absoluta da última edição do Festival de Cinema independente de Sundance e já como firme candidato ao Oscar, especialmente por seu importante conteúdo racial.

Os fatos remontam a 1999, quando uma jovem, de entre 17 e 18 anos e cuja identidade é mantida em segredo, acusou Parker e Celestin, então estudantes universitários em Penn State, de a terem violentado quando estava inconsciente após ter bebido.

Os dois negaram as acusações de estupro e argumentaram que a relação sexual foi consentida.

o-diretor-nate-parker-posa-durante-o-festival-de-sundance-1472494674633_300x420O diretor Nate Parker posa durante o Festival de Sundance

Parker, que previamente tinha mantido relações sexuais com a garota que ambas as partes definiram como pactuadas, foi absolvido no julgamento, enquanto Celestin foi condenado inicialmente, mas ganhou a apelação uma vez que a vítima se negou a testemunhar em uma nova audiência.

O site especializado “Variety” revelou agora, após falar com o irmão da jovem, que esta se suicidou em 2012 com uma overdose de soníferos.

O “Variety” afirmou que não há provas que relacionem diretamente o suicídio da mulher com o caso, enquanto o irmão declarou que a jovem sofreu de uma grave depressão após o incidente.

Durante o julgamento, a jovem afirmou que tinha tentado se suicidar duas vezes após o estupro.

O tempo todo, e em qualquer declaração sobre este tema, Parker disse que é inocente e, em mensagem publicada em seu perfil no Facebook depois que o caso voltou à tona, ressaltou de novo que oa relação sexual foi “inequivocamente pactuada”.

“Não posso nem quero ignorar a dor que ela sofreu durante e depois do julgamento”, disse Parker, afirmando que tinha sabido recentemente da morte da mulher e que se sentia “profundamente triste” com isso.

A controvérsia já alterou os planos comerciais de “The Birth of a Nation”, um filme que recebeu elogios quase unânimes da crítica e que narra a história da sublevação negra e o movimento de libertação protagonizado pelo escravo Nat Turner em 1831.

O estúdio Fox Searchlight, que adquiriu os direitos de distribuição por uma quantia recorde em Sundance de US$ 17,5 milhões, cancelou a entrevista coletiva do filme no Festival Internacional de Cinema de Toronto (TIFF) e ainda analisa como fará uma campanha de promoção que incluía encontros sobre os direitos civis por todo o país.

Outro golpe chegou por parte do Instituto de Cinema Americano (AFI, na sigla em inglês), que decidiu suspender nesta semana uma exibição do filme em Los Angeles.

A força da discussão chegou até a Academia de Hollywood, onde sua presidente, Cheryl Boone Isaacs, disse ao portal “TMZ” que, à margem da polêmica do caso, “The Birth of a Nation” é um filme que “as pessoas deveriam ver”.

O certo é que o filme de Nate Parker, com sua potente mensagem sobre o racismo e a escravidão, aparece em um momento ideal no qual a situação da população negra nos Estados Unidos volta a soar com força no debate público.

A última edição do Oscar, que pelo segundo ano seguido não teve atores negros indicados, e a vigência de movimentos como “Black Lives Matter” (“As vidas dos negros importam”) pareciam beneficiar “The Birth of a Nation”, que não por acaso tomou o título do filme homônimo de 1915 de D.W. Griffith, um clássico do cinema mudo e, ao mesmo tempo, uma produção abertamente racista.

+ sobre o tema

Cantora Luedji Luna é indicada 3 vezes ao Prêmio Caymmi de Música!

Um corpo no mundo! Dentre as indicações da segunda...

Pela primeira vez, Oscar tem três atrizes negras na mesma categoria

Pela primeira vez em 88 anos de Oscar, três...

Mulheres estão em apenas 37% dos cargos de chefia nas empresas

No setor público, elas são apenas 21,7% POR CÁSSIA ALMEIDA,...

Tráfico de mulheres na Europa movimenta 2,5 bilhões de euros

Segundo a ONU, há cerca de 140 mil mulheres...

para lembrar

Instituto Marielle Franco lança revista contando parte da história da vereadora

O Instituto Marielle Franco lançou nesta terça-feira (27/07) a primeira edição...

Rei da cachaça é preso em MG acusado de estupro e tentativa de homicídio

O empresário Antônio Eustáquio Rodrigues, o Toni Rodrigues, 64,...

Doreen Pechey éuma bailarina da Royal Academy aos 71 anos

Doreen Pechey passou no exame de admissão dois anos...
spot_imgspot_img

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...

Em reunião com a ministra das Mulheres, movimentos denunciam casos de estupros e violência em abrigos para atingidos pelas enchentes no RS

Movimentos feministas participaram de uma reunião emergencial com a ministra da Mulher, Cida Gonçalves, no final da tarde desta terça-feira (7), de forma online....

Documentário sobre Ruth de Souza reverencia todas as mulheres pretas

Num dia 8 feito hoje, Ruth de Souza estreava no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O ano era 1945. Num dia 12, feito...
-+=