sexta-feira, maio 27, 2022
InícioQuestões de GêneroMarielle FrancoCaso Marielle chega ao quinto delegado após mudanças na Polícia Civil

Caso Marielle chega ao quinto delegado após mudanças na Polícia Civil

As mudanças foram publicadas em um boletim divulgado na noite de terça-feira (1º). As alterações devem ocorrer esta semana.

A investigação da morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, em março de 2018, vai passar pela quinta mudança de delegado responsável. As alterações foram publicadas em um boletim da Polícia Civil divulgado na noite de terça-feira (1º).

Edson Henrique Damasceno, titular da Delegacia de Homicídios da Capital, então responsável pelo caso, vai para a chefia do Departamento-Geral de Homicídios e Proteção à Pessoa (DGHPP).

Em seu lugar, assume o cargo o delegado Alexandre Herdy, até então titular da 10ª DP (Botafogo). A mudança deve ocorrer nesta semana.

No lugar dele na distrital, vem Daniel Rosa, que estava à frente da 15ª DP (Gávea).

Veja quem foram os responsáveis pelo caso:

  • Giniton Lages (2018-2019);
  • Daniel Rosa (2019-2020);
  • Moisés Santana (2020-2021);
  • Edson Henrique Damasceno (2021-2022);
  • Alexandre Herdy (2022).

Mudam também os titulares na Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) e também na Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF).

Em Niterói, assume o delegado Pablo Valentim, que estava no Departamento-Geral de Polícia do Interior.

A DH da Baixada ficará com o delegado Leandro Artiles de FreitasUriel Alcântara, que comandou a DHBF desde 2020, vai para a Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA).

Relembre o crime

Marielle e o motorista Anderson Gomes foram executados em março de 2018, no Estácio, na região central do Rio. Um ano depois, a polícia afirmou ter prendido os autores do crime, o PM reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio de Queiroz. Ainda não se sabe quem mandou matar a vereadora.

Policiais da Delegacia de Homicídios e o Ministério Público também não conseguiram até hoje descobrir onde está a arma utilizada para matar Marielle e Anderson.

A perícia apontou que o assassino utilizou uma submetralhadora MP-5 com munição UZZ-18. Mas os investigadores não sabem o destino da arma.

Investigações mostram que fuzis foram jogados ao mar no dia seguinte à prisão de Lessa, em março de 2019. No entanto, qualquer arma jamais foi encontrada. Nem o MP afirma, categoricamente, que o MP-5 do atentado estaria entre o material jogado.

A Marinha fez buscas no oceano, na Barra da Tijuca, na tentativa de encontrar o armamento. Foi em vão.

Os ex-PMs, presos nas penitenciárias federais de Campo Grande e de Porto Velho, vão a júri popular, em data ainda não marcada.

A última mudança no comando da investigação tinha acontecido em julho do ano passado. Segundo outra edição do boletim interno da Polícia Civil do Rio, Edson Henrique Damasceno passava a delegado titular da Delegacia de Homicídios da Capital. No estado, toda morte violenta é investigada pela DH, a despeito do local do crime, e assim foi com o atentado contra Marielle.

Damasceno, que vai assumir a chefia do DGHPP, esteve à frente das investigações, pela 16ª DP (Barra da Tijuca), da morte do menino Henry Borel.

Artigos Relacionados
-+=