Casos de feminicídio crescem 53% em um ano na Paraíba, indica Anuário Brasileiro da Violência

Estudo ainda apontou que 74% das mulheres mortas na Paraíba em 2018 foram vítimas de feminicídio, pior proporção entre os estados da Paraíba.

No G1

Paraíba registrou a quarta maior alta de feminicídio entre os estados brasileiros — Foto: Editoria de Arte/G1

O número de feminicídios na Paraíba cresceu aproximadamente 53% entre 2017 e 2018, segundo dados do Anuário Brasileiro da Violência 2019, divulgado nesta terça-feira (10). Conforme dados levantados pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, os casos passaram de 22 para 34 entre 2017 e 2018. Foi a quarta maior alta em relação aos estados brasileiros, atrás apenas de Sergipe (163,9%), Amapá (145,2%) e Rondônia (100%).

Ainda em relação aos casos de violência contra a mulher presentes no Anuário, o feminicídio é a principal causa de morte das mulheres na Paraíba. O estudo aponta que 46 mulheres foram mortas em 2018 no estado, sendo que quase 74% delas foram vítimas de feminicídio, quando a motivação do crime é relacionada às questões de gênero.

A relação dos números da Paraíba entre mulheres mortes e mulheres mortas por feminicídio no ano passado, de aproximadamente 74%, é a maior entre os estados brasileiros. Em 2017, o mesmo dado na Paraíba era de aproximadamente 42%. O ranking dos maiores índices de feminicídio em relação aos assassinatos de mulheres é completado por Distrito Federal (62%) e por Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul (57%).

Em contrapartida, o número absoluto de mulheres assassinadas no estado caiu em cerca de 12% entre 2017 e 2018, de acordo com o Anuário Brasileiro da Violência. Foram seis mulheres mortas a menos no ano passado.

Os casos de estupro também caíram no período, passando de 329 para 239 casos de estupros com mulheres vítimas no ano de 2018. Outro dado que praticamente não variou foi o de agressões decorrentes de violência doméstica. Foram 2.014 casos registrados em 2017 e 2.002 casos em 2018.

+ sobre o tema

Música permitiu enfrentar exclusão, diz rapper Rico Dalasam

“Todos nós que fazemos parte dessas minorias já morremos...

Iyagunã Dalzira conta sua luta contra o racismo

Veja a entrevista com a estudiosa da religiosidade Iyagunã...

Sobre ser negro e gay

Certa vez me perguntaram qual identidade foi mais difícil...

Após racismo, moradora de Salvador cria sua própria marca

Ingressar no mercado de trabalho ficou cada vez mais...

para lembrar

Coisa de vagabunda

por Clara Isso é coisa de vagabunda. Mulher que se...

5 razões para acompanhar Leci Brandão de perto

A cantora completa neste mês 40 anos de carreira....

Com medo de violência no parto, mãe leva pistola para a maternidade

Ela foi presa depois da cesárea e separada do...

RS: Pai adotivo gay ganha direito a licença-maternidade

Após cuidar do filho adotivo por dois anos, o...
spot_imgspot_img

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável. Há várias décadas, cientistas ao redor do...

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...
-+=